Nossos Músicos

Acervo em constante construção.
Aécio Flávio

Aécio Flávio

Instrumentista, Compositor, Arranjador Natural de Belo Horizonte Nasceu em 15 de dezembro de 1940 Gênero musical: Música popular brasileira
Biografia

Aécio Flávio do Rêgo
Estudou teoria musical e harmonia na Universidade Mineira de Arte. Nos anos de 1970, já morando no Rio de Janeiro, fez os cursos de contraponto e arranjo para profissionais no Instituto Villa-Lobos com o professor Koellreuter, mestre de Tom Jobim, Guerra Peixe e Paulo Moura, entre outros.

Dados Artistícos

Iniciou sua carreira profissional contratado para a função de arranjador e assistente de direção musical do programa “Fantástico” ( TV Globo), convidado por Guto Graça Mello, permanecendo durante três anos na emissora.

Alguns anos depois, convidado por Augusto César Vanucci, foi contratado pela TV Manchete para assinar a direção musical do programa “Miéle & Cia.”, função que exerceu durante dois anos aproximadamente.

No início dos anos de 1980, gravou seu primeiro disco, para a série “Música brasileira contemporânea”, lançado pela PolyGram. Participavam de seu grupo Jane Duboc e Leo Gandelman.

Como compositor, tem músicas gravadas por Zizi Possi, Elba Ramalho, Leny Andrade, Jane Duboc, Emílio Santiago, Kenia (EUA), Viva Brazil (EUA), Loalwa Braz, do grupo Kaoma (França), Cecília Bustos (México) e Billy Paul (EUA), entre outros artistas.

Recebeu o Prêmio Sharp, na categoria Música Instrumental, em sua terceira edição, pela música “Amo”, gravada por Chiquinho do Acordeom, composta para a peça teatral do mesmo nome sobre a vida do poeta russo Maiakovski.

Compôs a trilha sonora do musical infantil “Cinderela chinesa”.

Participou, como arranjador, das trilhas sonoras de “A volta de Chico Mau”, dirigida por Lupe Giglioti, “Entre amigas”, dirigida por Cecil Thiré, “Uma dama e um vagabundo”, dirigida por Marcelo Sabak, e “Pobre menina rica”, de Carlos Lyra e Vinicius de Moraes.

Assinou a direção musical e os arranjos de shows de vários artistas, como Marlene, além de “Brasileiro, profissão esperança”, dirigido por Bibi Ferreira, que estreou no Canecão (RJ), fez temporada de três meses no Teatro Teresa Raquel (RJ), excursionou por todo o Brasil e teve uma montagem em Nova York (EUA).

Foi responsável pela trilha sonora do filme “Que bom te ver viva”, de Lucia Murat, vencedor do Festival de Cinema de Brasília.

Foi professor, durante um ano, da disciplina Produção Publicitária em Rádio e Televisão, na Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro.

Sua música “Muito normal” foi incluída no Latin Real Book (página 345), livro de referência obrigatória para estudantes americanos de música.

Em 1998 e 1999, atuou no show “Beco de estrelas”, com a cantora Tahta, sua filha. O espetáculo, que teve participação especial e direção de Miéle, foi realizado no Little Club (RJ), na Casa de Cultura da Universidade Estácio de Sá e no Teatro Municipal de Niterói.

É proprietário do estúdio de gravação Capital Sound, onde se dedica à produção de CDs independentes, jingles publicitários e trilhas sonoras para rádio, televisão e teatro.

Obra
  • • A dança mineira (c/ Tibério Gaspar)
  • • Amo
  • • Coração vira lata
  • • Dança mineira (c/ Tibério Gaspar)
  • • De corpo inteiro (c/ Luiz Fernando)
  • • Doce doce (c/ Paulinho Tapajós)
  • • Flor do mal (c/ Tibério Gaspar)
  • • Frevendo
  • • Irmão Sol, Irmá Lua (c/ Léo Vítor)
  • • Memórias (c/ Tibério Gaspar)
  • • Menino (c/ Eliane Stoducto
  • • Muito normal
  • • Quem tem telhado de vidro está sempre bronzeado (c/ Eliane Stoducto)
Bibliografia

http://dicionariompb.com.br/

http://www.memoriamusical.com.br/

http://www.mis.rj.gov.br/

http://www.discotecapublica.com.br/

https://acervosmusicais.wordpress.com/

http://acervocompositores.art.br/

http://www.violaobrasileiro.com.br/

http://jornalggn.com.br/blogs/laura-macedo

http://www.otempo.com.br/hotsites/concha

http://musicosdobrasil.com.br/dissertacoes.jsf

ALBIN, Ricardo Cravo. MPB: A História de um século. Rio de Janeiro: Funarte, 1997.

AMARAL, Euclides. Alguns Aspectos da MPB. Rio de Janeiro: Edição do Autor, 2008. 2ª ed. Esteio editora, 2010. 3ª ed. EAS Editora, 2014.

AZEVEDO, M. A . de (NIREZ) et al. Discografia brasileira em 78 rpm. Rio de Janeiro: Funarte, 1982.

CABRAL, Sérgio. No tempo de Ary Barroso. Rio de Janeiro: Lumiar, 1993.

CARDOSO, Sylvio Tullio. Dicionário Biográfico da música Popular. Rio de Janeiro: Edição do autor, 1965.

EFEGÊ, Jota. Figuras e coisas da Música Popular Brasileira. Rio de Janeiro: MEC/Funarte, 1978.

EPAMINONDAS, Antônio. Brasil brasileirinho. Rio de Janeiro: Instituto Nacional do Livro,1982.

História da Música Popular Brasileira. São Paulo: Editora Abril, 1982.

LUNA, Paulo – No compasso da bola. Rio de Janeiro, Irmãos Vitale, 2011.

MARCONDES, Marcos Antônio. (ED). Enciclopédia da Música popular brasileira: erudita, folclórica e popular. 2. ed. São Paulo: Art Editora/Publifolha, 1999.

MARIZ, Vasco. A canção brasileira. Rio de Janeiro: Francisco Alves, 2000.

MORAES, Mário de. Recordações de Ary Barroso. Rio de Janeiro: MEC/FUNARTE,1979.

REPPOLHO. Dicionário Ilustrado de Ritmos & Instrumentos de Percussão. Rio de Janeiro: GJS Editora, 2012. 2ª ed. Idem, 2013.

SEVERIANO, Jairo e MELLO, Zuza Homem de. A canção no tempo. Volume 1. São Paulo: 34, 1997.

TINHORÃO, José Ramos. Música popular – teatro e cinema. Rio de Janeiro: Vozes, 1972.

VASCONCELOS, Ary. Panorama da Música Popular Brasileira. Vol. 2. Rio de Janeiro: Martins, 1965.