Nossos Músicos

Acervo em constante construção.
Carequinha

Carequinha

Cantor, Compositor Natural de Carangola Nasceu em 18 de julho de 1915 Falecido em 5 de abril de 2006 Gênero musical: Música popular brasileira, outro
Biografia

George Savalla Gomes

Seus pais, Elisa Savalla e Lázaro Gomes eram trapezistas do Circo Peruano, de seu avô materno, Savalla, que, além de dono era músico da banda do circo. Seu nascimento se deu no picadeiro do circo,  logo após o espetáculo em que sua mãe sentiu as dores do parto quando se equilibrava no arame. Estreou como palhaço em 1920, aos cinco anos de idade. Seu nome artístico foi dado por seu avô, que lhe deu uma “peruca de careca” e o codinome, quando George completou cinco anos de idade.

Em 1920 começou no Circo Peruano do avô Savala, em Carangola. Em 1938 estreou no programa Picolino, de Barbosa Junior na Rádio Mayrink Veiga, do Rio de Janeiro. Fez dupla com Fred Vilar no programa Circo do Carequinha. Em 1959 gravou Alma de Palhaço dele e Fred.

Dados Artistícos

Iniciou a vida artística aos cinco anos de idade, no Circo Peruano, em sua cidade natal. Em 1938 estreou como cantor na Rádio Mayrink Veiga no Rio de Janeiro, no programa “Picolino”, de Barbosa Jr.

Em 1950 passou a trabalhar na recém inaugurada TV Tupi, formando uma dupla de palhaços com Fred, nome artístico utilizado por Fred Villar, no programa “Circo do Carequinha”, tornado-se pioneiro do circo na televisão brasileira e de programas infantis ao vivo na TV. O programa permaneceu 16 anos no ar. A amizade com Fred, seu parceiro nos programas de televisão, teve início no Circo Sarrazani, onde os dois faziam também o papel de galãs nas peças que eram encenadas.

Em 1957 realizou sua primeira gravação, as marchas “Fanzoca do rádio”, de Miguel Gustavo, que se tornou a marcha mais popular no carnaval do ano seguinte, e “O preço da gripe”, de Miguel Gustavo e Altamiro Carrilho. No mesmo ano, gravou aquele que seria seu maior sucesso, a valsa “Alma de palhaço”, de sua autoria com Fred. Em 1958 gravou, de Altamiro Carrilho, a valsa “Saudade de Papai Noel”. No mesmo ano, gravou de Altamiro Carrilho, Miguel Gustavo e Carrapicho, a marcha “As brabuletas de Brasília” e de Miguel Gustavo, a batucada “Dá um jeito, Nonô”. Ainda no mesmo ano, sua gravação para a marcha “Fanzoca de Rádio”, de Miguel Gustavo, foi incluída na coletânea “Carnaval – 58”, da Copacabana.

Em 1959 gravou a marcha “Parabéns! Parabéns!”, de Altamiro Carrilho e Irani de Oliveira, que se tornou um verdadeiro hino dos aniversários infantis; a valsa “Missa do galo” dele e Mirabeau e a marcha “Carnaval do J. K.”, de motivo popular, com arranjo de Altamiro Carrilho e Miguel Gustavo, entre outras. Também em 1959, gravou com ltamiro Carrilho, Sua Bandinha e Coro Infantil, seu primeiro LP “Cantigas de Roda – Carequinha, Altamiro Carrilho, Sua Bandinha e Coro Infantil” com o registro das composições tradicionais “Galope de Abertura”; “Ciranda Cirandinha”; “Passa Passa Gavião”; “Samba Lelê”; “A Rosa Juvenil”; “Terezinha de Jesus”; “Onde Está a Margarida”; “Garibaldi Foi à Missa”; “Pai Francisco”; “Carneirinho, Carneirão”; “Atirei O Pau No Gato”; “O Cravo Brigou Com A Rosa”; “Eu Fui No Tororó”; “Passarás, Não Passarás”; “Eu Entrei Na Roda”; “Nesta Rua Tem Um Bosque”; “Na Mão Direita”, e “De Marré, Marré, Marré”. Ainda em 1959, quatro de suas gravações foram incluídas em diferentes coletâneas: “Brabuletas de Brasília”, de Miguel Gustavo, Altamiro Carrilho e Carrapicho, no LP “Carnaval de 1959”; “Dá Um Jeito Nonô”, de Miguel Gustavo, no LP “Carnaval de 1959 – Nº 2”; “Meu Bom Papai Noel”, de Irany de Oliveira, no LP “A Festa de Natal” e a marcha “Garota Travessa”, de Jair Amorim e Antônio Nássara, no LP “Carnaval de 1960”, todos da Copacabana. Em 1960 gravou, de Altamiro Carrilho e Irani de Oliveira, o fox “O bom menino”, que além de ser um de seus maiores sucessos, tornou-se também um clássico do cancioneiro infantil. No mesmo ano, gravou, de sua parceria com Mirabeau e Jorge Gonçalves, a marcha “Canção das mães”, que contou com acompanhamento de Altamiro Carrilho, Sua Bandinha e Coro Infantil, sendo incluída na coletânea “Mamãe”, que a gravadora Copacabana lançou apenas com gravações refernetes às mães. Ainda em 1960, lançou o LP “Cantigas de Roda Nº 2”, que contou com acompanhamento: Altamiro Carrilho e Sua Bandinha, as meninas Regina Maria e Maria da Glória e o Coro Infantil do Lar da Glória, sob a direção de Irany de Oliveira, com as cantigas tradicionais “Marcha Soldado”; “O Preto e a Preta”; “Sinhaninha”; “Vamos Maninha Vamos”; “Sapo Cururu”; “O Coelhinho”; “Pobre Peregrino”; “Senhora Viúva”; “Escravos de Jó”; “A Carrocinha Pegou”; “Peixe Vivo”; “A Canoa Virou”; “Desanda a Roda”; “Bela Pastora”, e “Capelinha de Melão”, esta última, com adaptação de João de Barro e Alberto Ribeiro. Em 1961, gravou a valsa “Canção da criança”, de Francisco Alves e René Bittencourt, que se tornou outro de seus sucessos. No mesmo ano, lançou com enorme repercussão o LP “Carequinha no Parque Shangai”, com produção de Getúlio Macedo, direção Artística de Altamiro Carrilho, orquestrações do Maestro Pachequinho e participação do Coral Infantil de Irany de Oliveira. Neste disco, foram registradas as músicas “É Diversão”; “Carrossel”; “Viagem à Lua”; “Trem Fantasma”; “Auto-pista”; “Chicote Americano”; “Bicho da Seda”; “Roda Gigante”; “Brinquedos Infantis”; “Montanha Russa”; “Chicote Maluco” e “Boa Noite do Parque Shangai”, todas de autoria da dupla Getúlio Macedo e Hamilton Sbarra. Ainda em 1961, fez parte de três coletâneas carnavalescas da gravadora Copacabana:  “Carnaval do Bom Humor” com “O Bom Menino”, de Altamiro Carrilho e Irany de Oliveira; “É Carnaval! É Carnaval!”, com ” Fanzoca de Rádio”, de Miguel Gustavo, e “Carnaval de Graça”, com as marchas “Fantasma Camarada”, de Paulino de Freitas, Nazareth de Paula e Jorge Márlo, e ” Bilú Bilú”, de Armando Cavalcanti e Klécius Caldas. Em 1962, gravou, entre outras composições, “Twist do cachorrinho”, de Nazareth de Paula e Joluz, e “Chicotinho queimado”, dele e Almeidinha. Ainda nesse ano, lançou o LP “Os Heróis do Carequinha”, pelo selo Saci/Copacabana, com músicas e textos de Miguel Gustavo, com acompanhamento do Coro Infantil do Lar de Glória, sob a Regência de Irany de Oliveira e a Bandinha de Altamiro Carrilho, com a interpretação das composições, todas relacionadas a heróis das revistas em quadrinhos da época, “Mandrake”; “Recruta Zero”; “Zezé e Cia”; “Búfalo Bill”; “Príncipe Valente”; “Nick Homes”; “Ferdinando”; “Brucutu”; “Fantasma Voador” e “Flash Gordon”. Ainda nesse ano, participou da coletânea “Natal, a Festa Azul”, da gravadora Copacabana, interpretando, com acompanhamento da Bandinha do Altamiro Carrilho e Coro Infantil de Irany de Oliveira, a marcha “Meu Papai Noel”, de sua autoria. Em 1963, gravou as marchas “Bloco do Carequinha”, de Vicente Amar e Almeidinha, e “É… Bebé ?” de Antônio Almeida. No mesmo ano, gravou o LP “O Astronauta Carequinha – Carequinha e Sua Turma” interpretando uma História Infantil de Hamilton Sbarra, além de cantar o “Twist do Cachorrinho”, de Nazareth de Paula e Joluz. Ainda em 1963, contando com acompanhamento de Altamiro Carrilho e Sua Bandinha e Coro Infantil de Irany de Oliveira, lançou o LP “Ele é Um Estouro – Carequinha, com Bandinha e Coro Infantil”, com as músicas “Twist do Cachorrinho”, de Nazareth de Paula e Joluz; “Salve a Professora”, de Rutinaldo e Vicente Amar; “O Engraxate”, de Luis Antônio; “Rock da Alegria”, de Miguel Gustavo; “Aniversário da Mamãe”, de Nazareth de Paula e Joluz; “Chá-chá-chá da Baratinha”, de Irany de Oliveira e Altamiro Carrilho; “Chicotinho Queimado”, com Almeidinha; “Toureiro Brasileiro”, de Irany de Oliveira e Altamiro Carrilho; “Leilão de São João”, de Miguel Gustavo, e “Aniversário do Papai”, com Vicente Amar. Também em 1963, participou de três coletâneas carnavalescas da gravadora Copacabana: “Rio – Carnaval”, com a marcha “É Bebé”, de Antônio Almeida; “Carnaval Copacabana”, com a marcha “Bloco do Carequinha”, de Vicente Amar e Almeidinha, e “Isto é Carnaval”, com as marchas “Vaca Malhada”, de Vicente Amar e Brasinha, e “Joaquim Cadê Sua Meia”, de José Saccomani, Castrinho e Waldemar. Em 1964, lançou o LP “Carequinha no Twist, no Chá-Chá-Chá e no etc…” com as clássicas marchas carnavalescas “Periquito Verde”, de Nássara e Sá Róris; “Marchinha do Grande Galo”, de Lamartine Babo e Paulo Barbosa; “O Passo do Kangurú”; “O Passarinho do Relógio”; ” O Passo da Girafa” e ” Serenata dos Galos”, todas de Haroldo Lobo, em parceria com Milton de Oliveira; “Upa Upa (Meu Trolinho)”, de Ary Barroso; “Neném Ranheta”, de Luis de França e Antônio Almeida; “O Circo Vem Aí”, de Haroldo Lobo, Milton de Oliveira e Carvalhinho; “Vamos Todos Estudar”, de Jairo Juliano e Nazareth de Paula; “Chá-chá-chá”, de Haroldo Lobo, e “Menino Mau”, de Luis de Souza e Paulo Viana. Ainda em 1964, gravou o LP “O Ídolo da Garotada”, no qual, com os habituais acompanhamentos do Conjunto e Bandinha de Altamiro Carrilho e do Coro Infantil de Irany de Oliveira, interpretou as músicas “Twist da Gatinha”, de Ciro de Souza; “Canção do Burrinho”, de Peterpan; “Conselho Da Mamãe”, de Ivo Martins e Irany de Oliveira; “Pezinho”, tema tradicional gaúcho adaptado por Barbosa Lessa e Paixão Cortes; “O Galo e a Galinha” e “Marreco no Chá-chá-chá”, de Ciro de Souza; “Totó Bossa Nova”, de Altamiro Carrilho e Armando Nunes, e “Dança do Cateretê”, de Vicente Amar e Brasinha, além de quatro composições de sua autoria: “Rio 4º Centenário”, com Vicente Amar, “Gato Nicolau”, com Aldo Reis; “Garoto Escolado”, com Nazareth de Paula, e “Quanto Mais Gente Melhor”, com Aderaldo Monteiro. No mesmo ano, sua gravação para a marcha “Burrinha de Mola”, de Haroldo Lobo, Milton de Oliveira e Vicente Amar, fez parte da coletânea “Carnaval Rio Quatrocentão”. Em 1965, gravou com  acompanhamento de Altamiro Carrilho e Sua Bandinha e Coro Infantil, o LP “Música e Alegria – Carequinha, Altamiro Carrilho, Sua Bandinha e Coro Infantil”, com as músicas “Tá Muito Bom” e “. Toureiro Brasileiro”, de Altamiro Carrilho e Irany de Oliveira; “Mentirinhas”, de Avarese e Roberto Moreno; “Lá Vem o Capitão”, de Ciro de Souza; “A Valsa do Palhaço”, de Roberto Roberti e Pedro Camargo; “Búfalo Bill”, de Miguel Gustavo; “Recreio no Parque”, de Maria de Lourdes e Washington Marinho; “Francisquinho”, de Irany de Oliveira; “Botão de Rosa”, de Paulo Viana, Luis de Souza e Mário da Cruz; “Sapo Martelo”, de Dinis Lobo e Georginho, e “Minha Burrinha”, de Georginho, Paulinho de Freitas e Zé Carnaval, além de três composições de sua autoria: “A Baratinha e o Monokini”, com Laurentino de Azevedo; “Valsa do Yê Yê Yê”, com Vicente Amar, e “Os Três Guardas do Céu”, com Zumbi. No mesmo ano, sua gravação para a marcha ” Minha Burrinha”, de Georginho, Paulinho de Freitas e Zé Carnaval, fez parte da coletânea carnavalesca “Carnaval Copa 66”. Ainda em 1966, esteve presente em três coletâneas da gravadora Copacabana: “Carnaval Barra Limpa – Vol. 1”, com a marcha “A Carrocinha”, de Rutinaldo e Waldir Machado; “Carnaval Barra Limpa – Vol. 2”, com as marchas “A Banda”, de Chico Buarque, acompanhado por Altamiro Carrilho, e “Papai É Legal”, de B. Vieira e F. Vieira, e “Eterno Natal” com as marchas “Boas Festas”, de Assis Valente, e “Lá Vem Papai Noel” e “Meu Bom Papai Noel”, ambas de Irany de Oliveira. Em 1967, lançou o LP “O Amiguinho das Crianças” no qual procurou gravar compositores contemporâneos em composições como “A Praça”, de Carlos Imperial; “Yê Yê Yê Baiano”, de Paulo Tito; “Mãe-iê”, de Oswaldo Nunes e Celso Castro; “O Serão do Papai”, de Amâncio Cardoso, e “A Banda”, de Chico Buarque, além de “Papai do Céu”, de Irany de Oliveira e Altamiro Carrilho; “Saci Pererê”, de Laurentino de Azevedo; “Subi na Mangueira”, de sua autoria e mais quatro parcerias com Laurentino de Azevedo: “A Quadrilha da Criança”, “Fusquinha”, “Bode no Yê-yê-yê” e “Pai-ê”. Nesse ano, fez parte das coletâneas “Carnaval Copacabana 1968”, com a marcha “Olha a Bruxa”, de Luis de Souza, Jorginho e Zé Carnaval, e “14 Maiorais Nº 10”, com “A Banda”, de Chico Buarque. Em 1968, ainda na sequência de renovação de seu repertório musical lançou o LP “O Baile do Carequinha – Carequinha e Os Falcões Reais”. Os Falcões Reais eram um conjunto de ”Jovem Guarda”, da cidade de Barra Mansa, Rio de Janeiro. Fizeram parte desse disco as composições “Dó-Ré-Mi (Do Re Mi)”, de Richard Rodgers  e Oscar Hammerstein II, versão de Billy Blanco; “Tenta Tatá”, de D. Drei e Georginho; “Eu Vou Cavando A Mina (Heigh-Ho)”, de Frank Churchill e Larry Morey, versão de João de Barro; “Gosto das Crianças”, de Georginho e Antenor Alves; “Lili (Hi-Lili, Hi-Lo)”, de Bronislaw Kaper e Helen Deutsch, versão de Haroldo Barbosa; “Linda Garotinha”, de Augusto Mesquita; “A Lâmpada de Aladim”, de Carlos Cruz e Wanderley Cardoso; “O Elefante e a Formiguinha”, de Julinho e Georginho; “Atrás de Uma Bola”, de Augusto Mesquita; “Neném”, de Zilá Fonseca e Carlos Natan; “Cavalinho Branco”, de Jorge Zogbi e Georginho, e “O Milionário (The Millionaire)”, de Mike Maxfield, além de

“Saudação a Portugal”, com Vicente Amar. No mesmo ano, registrou no LP “Carnaval 69” as marchas “Ciranda no Carnaval”, de Carlos Cruz, e “Marcha do Marimbondo”, de Serafim Adriano e Gilberto Barros. Em 1969, gravou as marchas “O Cheirinho da Mulata”, de Paquito, Romeu Gentil e Elzinha Ribeiro, e “Borracheiro”, de Iracema de Alencar e Georginho, para o LP “Carnaval Copacabana 70”. Em 1970, com acompanhamento de Altamiro Carrilho e Sua Bandinha, gravou o LP “Carequinha Viaja pelo Brasil”, enfocando diferentes estados brasileiros em músicas como “Amazonas-pará”, “Maranhão-piauí”, “Ceará”, “Paraíba”, “Pernambuco”, “Alagoas”, “Bahia”, ” Minas”, “Estado do Rio de Janeiro”, “Guanabara”, “São Paulo-paraná”, “Rio Grande do Sul” e “Brasil”, todas de autoria de Augusto Mesquita, os temas tradicionais “O Meu Boi Morreu”, “Mulher Rendeira”, “Oh! Minas Gerais (Vieni Sul Mar)” e “Prenda Minha”, além dos baiões “Paraíba” e “Baião”, de Luiz Gonzaga e Humberto Teixeira, e “São Paulo Quatrocentão”, de Garoto, Chiquinho do Acordeom e Avaré, e a marcha “Cidade Maravilhosa”, de André Filho. No mesmo ano, gravou a marcha “Tristeza de Palhaço”, de Genaro da Bahia e Speed Luis, para a coletânea “Sol e Alegria – Copacarnaval 1971”, da gravadora Copacabana. Em 1971, esteve presente em duas diferentes coletâneas: “Carnaval Copacabana – 1972”, com a marcha “Salve o Nosso Presidente”, de Geraldo Barbosa e Jair Barbosa, e “As Melhores do V Festival Internacional” com o samba-rock “Eu Também Quero Mocotó”, de Jorge Ben “Jorge Benjor”. Em 1972, gravou a marcha ” Seu Lobo Taí”, de Pernambuco e Tito Mendes, incluída no LP “Carnaval 1973”, da Copacabana. Em 1973, foi para a gravadora Continental e lançou a marcha “Ei Psiu Psiu”, de Milton Alexandre, Nair Bittencourt e Zé Carlos, que fez parte do LP “Carnaval 74”. Em 1974, fez parte do LP “Turma do Caneco – Carnaval 75”, da gravadora CID. Em 1982, gravou a marcha “Essa Vida É Um Buraco”, de Otolindo Lopes e Oldemar Magalhães, que fez parte do LP “Carnaval 83 – VOL. 1”, do selo Araponga/Lança/Polygram. Em 1984, a RCA Victor lançou o LP “Clube da Criança” com os apresentadores Patrícia e Luciano, com os quais interpretou “O Mundo Encantado de Um Palhaço”, de Michael Sullivan e Paulo Massadas. Em 1985, participou de dois LPs em gravadoras diferentes. Em “Trem da Alegria”, da RCA Victor interpretou “Cachorrinho Entra na Roda”, de Ed Wilson e Carlos Colla, e, no disco “Carnaval 85”, do selo Esquema, gravou “A B C da Vila”, de Jayme Bochne, e “10 Nota 10”, de Carlos Cruz e Almeida Rego. Em 1986, novamente pela gravadora Copacabana participou do LP “No Mundo da Criança” interpretando as composições “Casamento na Horta” e “No Mundo Encantado do Circo”. Em 1988, ainda pela gravadora Copacabana, lançou seu último LP de carreira, intitulado “A Maior Festa das Crianças”, com arranjos, regências e programação eletrônica de Ed Lincoln, e participação do Coro Infantil do Colégio Maria Raythe do Rio de Janeiro, interpretando as músicas “Rock do Ratinho”, de Ciro de Souza; “Um Domingo No Parque”, de Carlos Colla e Ed Wilson; “O Bom Menino”, “Parabéns! Parabéns!”, “Tá Muito Bom” e “Chá-chá-chá da Baratinha”, de Altamiro Carrilho e Irany de Oliveira; “O Palhaço Ainda Sou Eu”, de Ed Wilson e Luciano Lopes, e “O Circo Vem Aí”, de Haroldo Lobo, Milton de Oliveira e Carvalhinho, além de quatro composições de sua autoria: “Aniversário do Papai”, com Vicente Amar; “A Vida do Palhaço”, com Dunga; “Os Três Guardas do Céu”, com Zumbi, e “Barbaridade Infantil (Olé Olé Olé Olá)”. Nos anos 1980, apresentou por quase três anos, um programa infantil na TV Manchete, que saiu do ar, sendo substituído pelo programa da Xuxa, que iniciava a sua trajetória artística. Em 1994, sua gravação para a marcha “O Bom Menino”, de Altamiro Carrilho e Irany de Oliveira, foi incluída no LP “Seu Boneco nas Paradas”, da Warner Music. Em 2001, destacou-se no programa Escolinha do Professor Raimundo, na TV Globo, com a música “Ai,ai,ai carrapato não tem pai”.

Considerado um dos mais importantes palhaços de circo do Brasil, comemorou o aniversário de 87 anos em 2002, com uma apresentação no Teatro João Caetano. Em dezembro do mesmo ano, em entrevista a Bóris Casoy, na TV Record, descontraiu o jornalista, levando-o a cantar “O bom menino”.  Atravessou várias gerações como ídolo infantil. Apresentou-se para vários presidentes, como Getúlio Vargas, Juscelino Kubitschek, João Goulart, passando pelos generais do governo militar e recebendo condecoração do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso. Em 2003, ao completar 88 anos, foi homenageado por seresteiros em Rio Bonito, e foi recebido por 4 mil crianças na quadra da Escola de Samba Porto da Pedra, em São Gonçalo(RJ), onde morava. Por essa época, demonstrando saúde e vitalidade, fazia shows pelo menos 2 vezes por semana. Seu último trabalho na televisão foi como ator na série “Hoje é dia de Maria”, realizada pela TV Globo em 2005, em que fez o papel de palhaço, na verdade, ele mesmo. Faleceu dormindo em sua casa, em abril de 2006, aos 90 anos, acometido de um enfarto. Cumprindo seu desejo, foi sepultado vestido com os trajes característicos, como o artista que encantou crianças e adultos por mais de 50 anos e apontado como o mais importante palhaço brasileiro. Seu corpo foi velado no Centro Cultural Joaquim Lavoura e seguiu em cortejo pela cidade, sendo sepultado no Cemitério de São Miguel. A prefeitura de São Gonçalo decretou luto de 3 dias. Construiu família numerosa, deixando, ao falecer, sua esposa de toda vida, 4 filhos, dois netos e um bisneto, Iago, de 7 anos, que já demonstra  interesse de ser palhaço, com nome artístico, Gabiroba, dado pelo avô.  Na semana de sua morte a FUNARTE, RJ  anunciou a criação do Centro Cultural Palhaço Carequinha, a ser construído na Escola Nacional de Circo, na Praça da Bandeira. No projeto, exposição permanente de fotos, vídeos e objetos pessoais que pertenceram ao artista. Foi criador de famosos bordões como “Tá certo ou não tá?”, “Hoje tem marmelada” e “Ai, ai, ai, carrapato não tem pai”. Em 2015, por conta do centenário de seu nascimento, virou enredo da Erscola de Samba Unidos do Porto da Pedra,  para  carnaval 2016. Também entrou em fase de finalização uma biografia sua escrita pelos pesquisadores e professores do Departamento de Letras da PUC-Rio Júlio Diniz e Beatriz Damasceno. Além disso, a partir do mês de setembro uma exposição intinerante passou a exibir parte de sua obra, com mais de 150 objetos. Ainda por conta do centenário de seu nascimento foi homenageado com o espetáculo “Ao Mestre com Sorrisos”, ocorrido na na Praça Tiradentes, centro do Rio de Janeiro. No local foi montada uma lona de circo, com picadeiro e cadeiras, e o espetáculo contou com as presenças dos artistas  Palhaça Carequita, Grupo Off Sina, Leo Carnevale (palhaço Afonso Xodó), Palhaço Muzzarella, Palhaço Pão de Ló, Palhaça Margarita, Palhaço Titão e a Companhia Será o Benedito?!. Ao longo da carreira, gravou 12 LPs, 19 compactos e mais de trinta discos em 78 rpm.

 

 

Obra
  • • A Baratinha e o Monokini - com Laurentino de Azevedo
  • • A Vida do Palhaço - com Dunga
  • • Alma de palhaço (c/ Fred)
  • • Aniversário do papai (c/ Vicente Amar)
  • • Barbaridade Infantil (Olé Olé Olé Olá)
  • • Canção das mães (c/ Mirabeau e Jorge Gonçalves)
  • • Chicotinho queimado (c/ Almeidinha)
  • • Garoto Escolado - com Nazareth de Paula
  • • Gato Nicolau - com Aldo Reis
  • • Meu Papai Noel
  • • Missa do galo (c/ Mirabeau)
  • • Os três guardas do céu (c/ Zumbi)
  • • Quanto Mais Gente Melhor - com Aderaldo Monteiro
  • • Rio 4º Centenário - com Vicente Amar
  • • Salve Papai Noel (c/ Mirabeau)
  • • Saudação à Portugal (c/ Vicente Amar)
  • • Valsa do Yê Yê Yê - com Vicente Amar
Discografia
  • • (1957) Fanzoca de rádio/O preço da gripe • Copacabana • 78
  • • (1958) As brabuletas de Brasília/Dá um jeito, Nonô • Copacabana • 78
  • • (1958) Rei do futebol/Fanzoca do mundo • Copacabana • 78
  • • (1958) Lá vem Papai Noel/Saudade de Papai Noel • Copacabana • 78
  • • (1958) Leilão de São João/Alma de palhaço • Copacabana • 78
  • • (1959) Cantigas de Roda - Carequinha, Altamiro Carrilho, Sua Bandinha e Coro Infantil • Copacabana • LP
  • • (1959) É a maior/Garota travessa • Copacabana
  • • (1959) Não tem solução/Carnaval do J.K • Copacabana • 78
  • • (1959) Missa do galo/Meu bom Papai Noel • Copacabana • 78
  • • (1959) A banda do papai/Valsa da mãe preta • Copacabana • 78
  • • (1959) Papai é o maior/É sempre o papai • Copacabana • 78
  • • (1959) Parabéns! Parabéns!/Prá você, mãezinha • Copacabana • 78
  • • (1960) Cantigas de Roda Nº 2 • Copacabana • LP
  • • (1960) Obrigado minhas fãs/A careca do careca • Copacabana • 78
  • • (1960) Papai resolve/O sorriso do papai • Copacabana • 78
  • • (1960) É mamãe/Canção das mães • Copacabana • 78
  • • (1960) O bom menino/História do gago • Copacabana • 78
  • • (1961) Carequinha no Parque Shangai • Copacabana • LP
  • • (1961) Foi mamãe/Rainha do meu coração • Copacabana • 78
  • • (1961) Cha-cha-cha da baratinha/Toureiro brasileiro • Copacabana
  • • (1961) O engraxate/Salve a professora • Copacabana • 78
  • • (1961) Carnaval legal/Menino legal no carnaval • Copacabana • 78
  • • (1961) Rock da alegria/Carnaval legal • Copacabana
  • • (1961) Fantasma camarada/Bilu-bilu • Copacabana • 78
  • • (1961) O velhinho de barba branca/Salve Papai Noel • Copacabana • 78
  • • (1961) Aninha/Menino legal • Copacabana • 78
  • • (1961) Canção da primeira comunhão/Canção da criança • Copacabana • 78
  • • (1961) Furaram meu balão/Quadrilha enquadrilhada • Copacabana • 78
  • • (1961) Escolinha do Carequinha/Rock do ratinho • Copacabana • 78
  • • (1962) Os Heróis do Carequinha • Saci/Copacabana • LP
  • • (1962) Meu Papai Noel/Chegou Papai Noel • Copacabana • 78
  • • (1962) Aniversário do papai/Aniversário da mamãe • Copacabana • 78
  • • (1962) Twist do cachorrinho/Chicotinho queimado • Copacabana • 78
  • • (1963) Ele é Um Estouro - Carequinha, com Bandinha e Coro Infantil • Saci/Copacabana • LP
  • • (1963) O Astronauta Carequinha - Carequinha e Sua Turma • Saci/Copacabana • LP
  • • (1963) Nenêm ranheta/Menino mau • Copacabana • 78
  • • (1963) Plebiscito no salão/sofrimento • Copacabana • 78
  • • (1963) Francisquinho/Saudação à Portugal • Copacabana • 78
  • • (1963) Os três guardas do céu/São João amigo • Copacabana • 78
  • • (1963) Bloco do Carequinha/É... Bebé? • Copacabana • 78
  • • (1964) O Ídolo da Garotada • Copacabana • LP
  • • (1964) Carequinha no Twist, no Chá-Chá-Chá e no etc... • Copacabana • LP
  • • (1964) Vaca malhada/Joaquim, cadê sua meia? • Copacabana • 78
  • • (1964) Carequinha • Copacabana • LP
  • • (1964) Baile do Carequinha • Copacabana • LP
  • • (1964) Amiguinho das crianças • Copacabana • LP
  • • (1965) Música e Alegria - Carequinha, Altamiro Carrilho, Sua Bandinha e Coro Infantil • Copacabana • LP
  • • (1967) O Amiguinho das Crianças • Copacabana • LP
  • • (1968) O Baile do Carequinha - Carequinha e Os Falcões Reais • Copacabana • LP
  • • (1970) Carequinha Viaja pelo Brasil • Copacabana • LP
  • • (1985) A maior festa das crianças • Cobacabana • LP
Bibliografia

http://dicionariompb.com.br/

http://www.memoriamusical.com.br/

http://www.mis.rj.gov.br/

http://www.discotecapublica.com.br/

https://acervosmusicais.wordpress.com/

http://acervocompositores.art.br/

http://www.violaobrasileiro.com.br/

http://jornalggn.com.br/blogs/laura-macedo

http://www.otempo.com.br/hotsites/concha

http://musicosdobrasil.com.br/dissertacoes.jsf

ALBIN, Ricardo Cravo. MPB: A História de um século. Rio de Janeiro: Funarte, 1997.

AMARAL, Euclides. Alguns Aspectos da MPB. Rio de Janeiro: Edição do Autor, 2008. 2ª ed. Esteio editora, 2010. 3ª ed. EAS Editora, 2014.

AZEVEDO, M. A . de (NIREZ) et al. Discografia brasileira em 78 rpm. Rio de Janeiro: Funarte, 1982.

CABRAL, Sérgio. No tempo de Ary Barroso. Rio de Janeiro: Lumiar, 1993.

CARDOSO, Sylvio Tullio. Dicionário Biográfico da música Popular. Rio de Janeiro: Edição do autor, 1965.

EFEGÊ, Jota. Figuras e coisas da Música Popular Brasileira. Rio de Janeiro: MEC/Funarte, 1978.

EPAMINONDAS, Antônio. Brasil brasileirinho. Rio de Janeiro: Instituto Nacional do Livro,1982.

História da Música Popular Brasileira. São Paulo: Editora Abril, 1982.

LUNA, Paulo – No compasso da bola. Rio de Janeiro, Irmãos Vitale, 2011.

MARCONDES, Marcos Antônio. (ED). Enciclopédia da Música popular brasileira: erudita, folclórica e popular. 2. ed. São Paulo: Art Editora/Publifolha, 1999.

MARIZ, Vasco. A canção brasileira. Rio de Janeiro: Francisco Alves, 2000.

MORAES, Mário de. Recordações de Ary Barroso. Rio de Janeiro: MEC/FUNARTE,1979.

REPPOLHO. Dicionário Ilustrado de Ritmos & Instrumentos de Percussão. Rio de Janeiro: GJS Editora, 2012. 2ª ed. Idem, 2013.

SEVERIANO, Jairo e MELLO, Zuza Homem de. A canção no tempo. Volume 1. São Paulo: 34, 1997.

TINHORÃO, José Ramos. Música popular – teatro e cinema. Rio de Janeiro: Vozes, 1972.

VASCONCELOS, Ary. Panorama da Música Popular Brasileira. Vol. 2. Rio de Janeiro: Martins, 1965.