Nossos Músicos

Acervo em constante construção.
Eduardo Filizzola

Eduardo Filizzola

Instrumentista, Cantor, Compositor Natural de Belo Horizonte Nasceu em Gênero musical: Música popular brasileira, Rock
Biografia

Eduardo Filizzola, natural de Belo Horizonte, iniciou sua carreira musical em 1979 como cantor e violonista da Banda Livre, liderada por Márcio Melão. Logo em seguida fundou com outros três músicos o grupo Muda, que lançou o primeiro disco independente de Minas, um compacto duplo com três composições suas e participação de Flávio Venturini.

Dados Artistícos

duardo Filizzola, natural de Belo Horizonte, iniciou sua carreira musical em 1979 como cantor e violonista da Banda Livre, liderada por Márcio Melão. Logo em seguida fundou com outros três músicos o grupo Muda, que lançou o primeiro disco independente de Minas, um compacto duplo com três composições suas e participação de Flávio Venturini.

Em 82 gravou seu primeiro disco solo, um compacto independente autoral muito executado em Minas.

Em 1983 mudou-se para o Rio. Participou da explosão do rock brasileiro, fazendo vários shows no Circo Voador, no evento semanal que acontecia aos sábados, o Rock Voador. Eram, em geral, três shows por noite. Filizzola dividiu essas noites com Barão Vermelho, Lobão, Ritchie e Grupo Brylho e outros, todos em início de carreira.

Em 1985 gravou um compacto duplo autoral pela Recarey Discos. Em 86, gravou duas músicas próprias na coletânea “A Arca do Rock” e o LP autoral “Altar Infernal”, tendo sido também autor dos arranjos. Esse LP foi muito executado nas rádios cariocas e mineiras, especialmente a canção “A Verdade a Cada Instante”.

Em 92 montou o Menu Musical, um show que misturava músicas próprias, esquetes teatrais e músicas escolhidas pelo público num cardápio de cem opções. Esse espetáculo foi um sucesso, ficando em cartaz durante todo o ano. No Jazzmania e no People, as temporadas foram de um mês.

Em 93, montou o grupo Filizzola e as Madonas de Rubens, continuando a apresentar seu trabalho autoral nos principais espaços culturais do Rio, entre os quais a praça do Arpoador, o Jazzmania, o People e o Mistura Fina. Em 95, além de continuar tocando com seu grupo, participou de um trio juntamente com Sérgio Dias, dos Mutantes, e Paulinho Moska. Eram somente os três no palco. Cantavam e tocavam músicas dos Mutantes e composições novas de Sérgio.

A partir de 96, Filizzola passou a trabalhar intensamente como produtor musical num estúdio que montou em Laranjeiras. Em 99 voltou para Belo Horizonte e dedicou-se a concluir a composição de suas peças eruditas para violão. Esse trabalho só terminou em 2014 com lançamento do CD Cores, violão solo.

Em 2015 lançou seu sétimo disco, o CD Meu nome é terra, que contém músicas escolhidas pelos fãs entre os 22 lançamentos de MPB.

Obra
  • Altar Infernal
  • Amar a Vida
  • Amor Perfeito
  • Arco-Iris
  • Babéis
  • Cidade
  • Contra Nós
  • Domingo de Chuva
  • Eu Tenho Um Homem
  • Fibra
  • Filmagem
  • Groselha
  • Identidade
  • Mariana
  • Meu Nome pé Terra
  • A Verdade a Cada Instante
  • Amor Brega
  • As Bruxas também amam
  • Mais Valia
  • Morena da Noite
  • Supergata
  • Zé General
  • Alta Tensão
  • Mais que um amigo
  • Não di ga não
  • O corpo voa
  • Pra ficar
  • Pra que ficar
  • Por amor
  • Vermelho
Discografia
  • 1979 - Muda - independente- comp.duplo
  • 1982 - Eduardo Filizzola - independente - compacto simples
Bibliografia

http://dicionariompb.com.br/

http://www.memoriamusical.com.br/

http://www.mis.rj.gov.br/

http://www.discotecapublica.com.br/

https://acervosmusicais.wordpress.com/

http://acervocompositores.art.br/

http://www.violaobrasileiro.com.br/

http://jornalggn.com.br/blogs/laura-macedo

http://www.otempo.com.br/hotsites/concha

http://musicosdobrasil.com.br/dissertacoes.jsf

ALBIN, Ricardo Cravo. MPB: A História de um século. Rio de Janeiro: Funarte, 1997.

AMARAL, Euclides. Alguns Aspectos da MPB. Rio de Janeiro: Edição do Autor, 2008. 2ª ed. Esteio editora, 2010. 3ª ed. EAS Editora, 2014.

AZEVEDO, M. A . de (NIREZ) et al. Discografia brasileira em 78 rpm. Rio de Janeiro: Funarte, 1982.

CABRAL, Sérgio. No tempo de Ary Barroso. Rio de Janeiro: Lumiar, 1993.

CARDOSO, Sylvio Tullio. Dicionário Biográfico da música Popular. Rio de Janeiro: Edição do autor, 1965.

EFEGÊ, Jota. Figuras e coisas da Música Popular Brasileira. Rio de Janeiro: MEC/Funarte, 1978.

EPAMINONDAS, Antônio. Brasil brasileirinho. Rio de Janeiro: Instituto Nacional do Livro,1982.

História da Música Popular Brasileira. São Paulo: Editora Abril, 1982.

LUNA, Paulo – No compasso da bola. Rio de Janeiro, Irmãos Vitale, 2011.

MARCONDES, Marcos Antônio. (ED). Enciclopédia da Música popular brasileira: erudita, folclórica e popular. 2. ed. São Paulo: Art Editora/Publifolha, 1999.

MARIZ, Vasco. A canção brasileira. Rio de Janeiro: Francisco Alves, 2000.

MORAES, Mário de. Recordações de Ary Barroso. Rio de Janeiro: MEC/FUNARTE,1979.

REPPOLHO. Dicionário Ilustrado de Ritmos & Instrumentos de Percussão. Rio de Janeiro: GJS Editora, 2012. 2ª ed. Idem, 2013.

SEVERIANO, Jairo e MELLO, Zuza Homem de. A canção no tempo. Volume 1. São Paulo: 34, 1997.

TINHORÃO, José Ramos. Música popular – teatro e cinema. Rio de Janeiro: Vozes, 1972.

VASCONCELOS, Ary. Panorama da Música Popular Brasileira. Vol. 2. Rio de Janeiro: Martins, 1965.