Nossos Músicos

Acervo em constante construção.
Geraldo Carneiro

Geraldo Carneiro

Compositor Natural de Belo Horizonte Nasceu em 11 de junho de 1952 Gênero musical: Música popular brasileira
Biografia

Geraldo Eduardo Ribeiro Carneiro

Irmão do instrumentista  e compositor Nando Carneiro. Nascido em Belo Horizonte (MG), mudou-se para o Rio de Janeiro aos três anos de idade.

Estudou piano com Carmen Mañanes e mais tarde, com Wilma Graça.

Em 1975, em Roma e em parceria com Astor Piazzolla, compôs um musical sobre a vida de Eva Perón, nunca encenado.

Publicou os livros “Na busca do sete-estrelo” (Ópera de cordel) (Coleção Frenesi – Mapa Editora, 1974), “Verão vagabundo” (Editora Achiamê, 1980), “Vinicius de Moraes: A fala da paixão” (Brasiliense, 1984), “Piquenique em Xanadu” (Espaço & Tempo, 1988), contemplado com o Prêmio Lei Sarney, “Pandemônio” (Arte Editora, 1993), “Folias metafísicas” (Editora Relume-Dumará, 1995), “Leblon: a crônica dos anos loucos” (Rioarte/Relume-Dumará, 1996).

Traduziu alguns sonetos de William Shakespeare, publicados na coletânea “Sonhos da insônia” (Impressões do Brasil, 1997), editada em parceria com Carlito Azevedo. Escreveu artigos, poemas e ensaios para diversas publicações brasileiras.

Autor de várias peças teatrais como “Lola Moreno”, em parceria com Bráulio Pedroso, encenada em 1979 e em 1982, “Folias do coração” e “Apenas bons amigos”, ambas em parceria com Miguel Falabella, encenadas em 1983, além de “Divina Increnca”, “A bandeira dos cinco mil réis”, encenadas em 1986, “Manu Çaruê”, ópera performática com música de Wagner Tiso encenada em 1988, e “Imaginária”, encenada em 1992.

Traduziu “A tempestade”, de William Shakespeare, encenada em 1982 e em 1983 e publicada em 1991 pela Editora Relume-Dumará. Adaptou “As you like it” (William Shakespeare), encenada em 1985 e publicada, no ano seguinte, por Cadernos do Tablado, “Lúcia McCartney” (Rubem Fonseca), encenada em 1987, “Lulu” (Frank Wedekind), encenada em 1989, “As 1001 Noites”, encenada em 1991, e, em parceria com Millôr Fernandes, “A Megera Domada” (William Shakespeare).

Escreveu roteiros para os filmes “Sônia: morta & viva”, de Sérgio Waissman, contemplado com o “Tucano de Ouro” no “FestRio II”, “Eternamente Pagu”, em parceria com Márcia de Almeida, e “O judeu”, em parceria com Millôr Fernandes).

Adaptou diversas obras literárias para a televisão, destacando-se os episódios “O santo que não acreditava em Deus”, “A Desinibida do Grajaú”, “Lúcia McCartney” e “O Compadre de Ogum”, da série “Brasil Especial”. Escreveu as minisséries “Tudo em cima”, exibida em 1985, e “O sorriso do lagarto (do romance homônimo de João Ubaldo Ribeiro), exibida em 1991.

Participou da equipe de criação do programa “Tamanho Família” e da série “Você Decide”.

Em 2000, no Mistura Fina, lançou o livro “Por mares nunca Dantes” (Editora Objetiva), poema épico-burlesco cujo protagonista mais visível é o poeta Luis Vaz de Camões.

Em 2005 no livro “Tons e sons do Rio de Janeiro de São Sebastião”, de Ricardo Cravo Albin, foi encartado o disco da Sinfonia do Rio de Janeiro de São Sebastião, para a qual compôs as letras em parceria com Paulo César Pinheiro sob músicas de Francis Hime. No livro também foi impresso o libreto com as letras da sinfonia.

No ano de 2006 lançou o livro de poemas “Balada do impostor” (Editora Garamond) que contou com comentários Nélson Ascher, Silvano Santiago, Sérgio Sant’Anna, Moacir Ferreira Amâncio e André Gardel. Neste mesmo ano manteve uma Oficina Literária no Centro Cultural Cartola, na Mangueira.

Em 2007 o Ministério das Relações Exteriores, através de seu Departamento Cultural e da Fundação Alexandre Gusmão, lançou uma versão em inglês do livro “Tons e sons do Rio de Janeiro de São Sebastião”. Feita pelo Embaixador Sérgio Queirós Duarte, distribuida em todas as embaixadas do Brasil no exterior, o livro ainda trazia o DVD da “Sinfonia do Rio de Janeiro de São Sebastião”. Neste mesmo ano de 2007 lançou o livro “Balada do impostor” no Espaço Solar dos Mellos, na cidade de Macaé, lançamento no qual contou com a participação musical do parceiro Piry Reis.

No ano de 2010, com o poeta Salgado Maranhão, apresentou-se na Casa de Fernando Pessoa, em Lisboa, declamando poemas de seus livros. Neste mesmo ano lançou, na Livraria da Travessa, no Leblon, Zona Sul do Rio de Janeiro, o livro “Poesia Reunida” (Nova Fronteira /Fundação Biblioteca Nacional). Neste mesmo ano adaptou, com Alcides Nogueria (a pedido de Daniel Filho), o remake da novela “O Astro”, de Janete Clair, para a Rede Globo, levado ao ar no horário das 23 horas.No ano posterior, em 2011, traduziu e montou o texto “RJ de Shakespeare” que foi levado aos palcos de São Paulo; apresentou-se com a atriz Mariana Ximenes, em teatros de todo o país em uma série de palestras que irão se transformar em um DVD; adaptou o texto de “Gota D’água”, de Chico Buarque e Paulo Pontes para cinema, com direção de Roberto Talma.

Em 2012 criou os textos da série “As Brasileiras”, da Rede Globo; adaptou o livro “A Casa dos Budas Ditosos”, de João Ubaldo Ribeiro, para cinema, filme no qual o papel principal coube a Sônia Braga.

No ano de 2013 lançou “O Discurso do Amor Rasgado – poemas, cenas e fragmentos de William Shakespeare”, no qual celebrou 30 anos de convívio com seu amigo virtual William Shaskespeare, com tradução de textos de dramaturgia e poemas do autor inglês, além de posfácio de Nelson Ascher. O livro foi publicado pela Editora Nova Fronteira e lançado na Livraria Argumento, no bairro do Leblon, na Zona Sul do Rio de Janeiro, com leitura de textos por vários atores da Rede Globo e pelo próprio autor. Neste mesmo ano de 2013, ao lado de Ricardo Cravo Albin e Paulo Roberto Direito, integrou o corpo de jurados do “5º Concurso de Sambas de Quadra”, produzido pela Prefeitura do Estado do Rio de Janeiro. No ano posterior, em 2014, fez conferência na Academia Carioca de Letras, intitulada “A Mulher Carioca”, a convite do presidente da instituição Ricardo Cravo Albin.

Por vários anos atuou como comentarista sobre poesia e literatura em geral no programa de variedades “Comentário Geral”, da TV Brasil, do Rio de Janeiro.

Em 2015 lançou o livro de poemas “Subúrbios da galáxia”, antologia poética organizada por Ana Paula Pedro, e publicada pela Editora Nova Fronteira. No ano seguinte, em 2016, finalizou três textos para teatro, as peças “Os Vilões de Shakespeare”; “Uma Peça Sobre Tchekhov” e “Rio, O Musical”, esta última estreada com direção de Ulysses Cruz.

Dados Artistícos

Em 1968 apresentou-se em programas de televisão com Danilo Caymmi e Paulo Jobim. Por essa época conheceu Egberto Gismonti. No ano posterior, em 1969, Jorginho Teles gravou sua primeira música: “Tristeza, tristeza”, parceria com Eduardo Souto Neto. 

Em 1970, atuou como pianista no disco “Vocês querem mate”, de Piry Reis. Nesse mesmo disco atuaram Danilo Caymmi, Paulo Jobim e Wilson das Neves. Neste memso ano formou a banda O Poder Assolador da Lapa, na qual atuava comom pianista, ao lado de Danilo Caymmi na flauta, Piri Reis ao violão e Paulo Jobim na flauta.

No ano de 1972, Egberto Gismonti gravou “Água e vinho”, parceria de ambos, faixa-título do LP que registrou também as parcerias “A traição das esmeraldas” e “Ano zero”. Ainda nesse ano assinou a produção musical do LP “Egberto Gismonti”, com destaque para suas canções “Luzes da ribalta” e “Encontro no bar”, ambas em parceria com Egberto Gismonti. Doisanos depois, em 1974, o grupo A Barca do Sol (do qual fazia parte seu irmão Nando Carneiro e ainda Alan Pierre, David Gang e os irmãos Muri e Marcelo Costa) gravou, de sua autoria, “Brilho da noite”, “As boas consciência” e “Alaska”, todas em parceria com Nando Carneiro, e ainda “Fantasma da ópera”, (c/ Muri Costa) e “Lady Jane” (c/ Nando Carneiro), sendo as últimas duas, os dois primeiros sucessos da banda. Também em 1974, realizou a produção musical do LP “Academia de danças”, de Egberto Gismonti. No ano seguinte, em 1975, compôs 10 músicas com Astor Piazzola, destacando-se “Muralha da China” e “A ilha”, ambas gravadas por Astor Piazzola. Mais tarde, “A ilha” foi regravada por Ney Matogrosso. Neste mesmo ano de 1975 a dupla Toquinho e Vinicius gravou “Choro de nada”, parceria com Eduardo Souto Neto. No ano posterior, em 1976, o grupo A Barca do Sol registrou, no LP “Durante o verão”, suas canções “Hotel colonial” (c/ Muri Costa), “Outros carnavais” (c/ Jaques Morelembaum), “A língua e a bainha” (c/ José Roberto Rezende e Nando Carneiro), “Os pilares da cultura” (c/ Jaques Morelembaum), “Belladonna , Lady of the rocks” (c/ Nando Carneiro), “Banquete” (c/ Jaques Morelembaum) e faixa-título  (c/ Nando Carneiro). 

Em 1978, Zezé Motta interpretou “Rita baiana”, parceria com John Neschling, que se tornou um dos primeiros sucessos da cantora. Nesse mesmo ano, Olívia Byington incluiu, no LP “Corra o risco” (acompanhada pelo grupo A Barca do Sol), as seguintes composições de sua autoria: “Fantasma da ópera” (c/ Muri Costa), “Lady Jane” (c/ Nando Carneiro), “Corra o risco” (c/ Olívia Bayington), “Jardim da infância” (c/ Nando Carneiro e José Roberto Rezende), “Banda dos corações solitários” (c/ Nando Carneiro), “Água e vinho” (c/ Egberto Gismonti), “Brilho da noite” (c/ Nando Carneiro), “Minha pena, minha dor” (c/ John Nechhling) e a inédita “Luz do tango”, parceria com Astor Piazzola. Neste mesmo ano Tom Jobim e Miúcha regravaram em dueto “Choro de nada”.

Em 1979, o grupo A Barca do Sol registrou, no LP “Pirata”, suas canções “Tereza Boca do Rio” (c/ Nando Carneiro), “Mercado das flores” (c/ Muri Costa), “Jardim da infância” (c/ Nando Carneiro e Beto Rezende) e “Manoel” (c/ Muri Costa e Beto Rezende). 

Ainda na década de 1970, compôs com Francis Hime a ópera “Carnaval”. No ano seguinte, em m 1980, sua cançao “Anjo vadio”, de sua em parceria com Olívia Byington, deu título ao disco da cantora, no qual também foram incluídas outras composições de sua autoria, como “Nossa Senhora dos Aflitos” (c/ Nando Carneiro), “Mais clara, mais crua” (c/ Egberto Gismonti) e “Olha a lua”, (c/ John Neschling). No ano posterior, em seguinte, em 1981, Beth Goulart, gravou, no disco “Sementes no ar”, sua canção “O balão” (c/ Nando Carneiro), que havia sido apresentada no “Festival da Rede Globo”. Ainda nesse disco, a cantora registrou “Cartilha” e “Carlitos”, parcerias de ambos.

Em 1982, Octavio Burnier incluiu, no LP “Aventura”, a faixa  “No meio da roda”, parceria de ambos. Essa mesma composição foi depois regravada por Fafá de Belém. Ainda nesse ano, Beth Goulart incluiu, no disco “Passional”, “Paixão”, versão de sua autoria para “Smile” (Charles Chaplin, John Turner e Geoffrey Parsons), além de “Ai de mim” (c/ John Neschling), “Polichinelo” (c/ Piry Reis) e “Severina” (c/ Nando Carneiro). 

No ano de 1984, Piry Reis incluir, no LP “Caminho do Interior”, várias parcerias de ambos: “O sol na janela”, “Cisplatina”, “Céu de Manágua”, “O estrangeiro” e “Limites”. Também nesse ano, compôs com Francis Hime “Pau-brasil”,depois regravada por Martnália.

Em 1986 Piry Reis gravou no LP “Rio zero grau”, outras parcerias de ambos: “Jardim de Alah”, “Marinheiro do sol”, “Arte de amar”, “Fim de folia” e “Polichinelo”. No ano posterior, em 1987, Olívia Byington registrou, no disco “Melodia sentimental”, sua canção “Caravela” (c/ Egberto Gismonti). No ano seguinte, em 1988, compôs com Francis Hime “Cantata”. Nesse mesmo ano, Wagner Tiso gravou “Manú Çaruê – Uma aventura holística”, ópera com argumento de Wagner Tiso e roteiro de sua autoria, com destaque para a faixa “1º baile antropófago transracial de Santa Cruz”, parceria de ambos, interpretada por Cazuza. 

Em 2000, foi convidado, juntamente com Paulo César Pinheiro, para escrever letras para canções da “Sinfonia para o Rio de Janeiro”, escrita por Francis Hime e estruturada em cinco movimentos idealizados por Ricardo Cravo Albin (lundu, modinha, choro, samba e bossa nova), tendo como intérpretes Olívia Hime, Sérgio Santos, Lenine, Leila Pinheiro e Zé Renato. A sinfonia foi lançada em CD e DVD no ano seguinte pelo selo Biscoito Fino. 

Gal Costa gravou, em 2001 sua versão “Contigo aprendi”.

Em 2002, seu livro “Por mares nunca Dantes” foi adaptado para peça de teatro, tendo como diretor Moacir Chaves e no elenco Tonico Pereira, entre outros. Nesse mesmo ano, lançou o CD “Por mares nunca Dantes”, com poemas do livro homônimo musicado por Lenine. O lançamento do disco aconteceu na Lona da Marina da Glória (RJ) e contou com a participação de atores, atrizes, poetas e músicos da cena brasileira. Do disco participaram Pedro Paulo Rangel (como Luís Vaz de Camões), Daniel Dantas (como o Executivo e o Traficante), Mariana de Moraes (como Aurora Boreal), Jads Macalé (o Office-boy Bode Preto), Olívia Byington (Canto da Sereia) e Tonico Pereira como Pai Creuzo Caveirinha e Babalorixá de Belford Roxo, além do próprio autor, Geraldo Carneiro como o narrador principal. O disco contou também com trilha sonora de Lenine e participação do percussionista Marcos Suzano.

Em 2003 fez palestra no Movimento Freudiano, sobre a obra do poeta inglês William Shakespeare.

No ano de 2006 o grupo AfroReggae, no CD “Nenhum motivo explica a guerra”, gravou de sua autoria “A aquarela dela”, parceria com Ando, Cosme Augusto, Dinho, Jairo Cliff, Joel Dias e José Júnior, integrantes da banda. Neste mesmo ano lançou, pelo Selo Sesc Rio-Som e Série Poetas da Canção (Selo dirigido pelo poeta Sergio Natureza), o CD “Gozos da alma”, disco no qual participaram Olívia Hime interpretando “Falta-me você” (c/ Jacob do Bandolim); AfroReggae na faixa “A aquarela dela”; Francis Hime em “Gozos da alma” e “O amor passou”, parcerias de ambos; Olívia Byington e “Lady Jane”, “Luz do tango”, “Palhaço – mais clara, mais crua” (c/ Egberto Gismonti)) e “Olha a lua”; Lenine em “Lundu” (c/ Fancis Hime); Danilo Caymmi “A for e o cais” (c/ Wagner Tiso) e “Choro de nada” (c/ Eduardo Souto Neto) e Zezé Motta em “Rita Baiana”, além do próprio poeta declamando “O tal total”, poema integrante do livreto de poesias “À flor da língua”, encartado no disco.

No ano de 2011 lançou o CD “Gozos da alma” (reeditado pela gravadora Biscoito Fino), na Livraria da Travessa, no Leblon, Zona Sul do Rio de Janeiro.

Em 2016 lançou a antologia poética “Subúrbios da galáxia” na Livraria Argumento, no Leblon, Zona Sul do Rio de Janerio. Na ocasião, alguns textos do livro ganharam leituras teatralizadas pelo ator Tonico Pereira, com direção de Bruce Gomlevski.

Autor de mais de 400 letras gravadas por diversos intérpretes como Tom Jobim, Miúcha, Vinicius de Moraes, Airto Moreira, Danilo Caymmi, Mart’nália, Lenine, AfroReggae, Zezé Motta, Gal Costa e Michel Legrand, Mart’nália, entre outros.

Obra
  • • A aquarela dela (c/ Ando, Cosme Augusto, Dinho, Jairo Cliff, Joel Dias e José Júnior)
  • • A flor e o cais (c/ Wagner Tiso)
  • • A língua brasileira (c/ Nando Carneiro)
  • • A língua e a bainha (c/ Nando Carneiro e José Resende)
  • • A traição das esmeraldas (c/ Egberto Gismonti)
  • • Água e vinho (c/ Egberto Gismonti)
  • • Ai de mim (c/ John Neschling)
  • • Alaska (c/ Nando Carneiro)
  • • Anjo vadio (c/ Olívia Byington)
  • • Ano zero (c/ Egberto Gismonti)
  • • Arte de amar (c/ Piry Reis)
  • • As boas consciências (c/ Nando Carneiro)
  • • As ilhas (c/ Astor Piazzola)
  • • Banda dos corações solitários (c/ Nando Carneiro)
  • • Banquete (c/ Jaques Morelenbaum)
  • • Belladonna, lady of the rocks (c/ Nando Carneiro)
  • • Brilho da noite (c/ Nando Carneiro)
  • • Cantata (c/ Francis Hime)
  • • Caravela (c/ Egberto Gismonti)
  • • Carlitos (c/ Beth Goulart)
  • • Cartilha (c/ Beth Goulart)
  • • Céu de Manágua (c/ Piry Reis)
  • • Choro de nada (c/ Eduardo Souto Neto)
  • • Cisplatina (c/ Piry Reis)
  • • Clara (c/ Francis Hime)
  • • Contigo aprendi (Versão)
  • • Corações futuristas (c/ Egberto Gismonti)
  • • Corra o risco (c/ Olívia Byngton)
  • • Durante o verão (c/ Nando Carneiro)
  • • Encontro no bar (c/ Egberto Gismonti)
  • • Falta-me você (c/ Jacob do Bandolim)
  • • Fantasma da Ópera (c/ Muri Costa)
  • • Fim de folia (c/ Piry Reis)
  • • Gozos da alma (c/ Francis Hime)
  • • Hotel colonial (c/ Muri Costa)
  • • Jardim da infância (c/ Nando Carneiro e Beto Rezende)
  • • Jardim de Alah (c/ Piry Reis)
  • • Lady Jane (c/ Nando Carneiro)
  • • Lady of the rocks (c/ Nando Carneiro)
  • • Limites (c/ Piry Reis)
  • • Lundu (c/ Francis Hime)
  • • Luz do tango (c/ Astor Piazzola)
  • • Luzes da ribalta (c/ Egberto Gismonti)
  • • Mais clara, mais crua (c/ Egberto Gismonti)
  • • Manú Çaruê (c/ Wagner Tiso)
  • • Manuel (c/ Muri Costa e Beto Rezende)
  • • Marinheiro do sol (c/ Piry Reis)
  • • Mercado das flores (c/ Muri Costa)
  • • Minha pena, minha dor (c/ John Neschling)
  • • Muralha da China (c/ Astor Piazzola)
  • • Nãna das águas (c/ João Donato)
  • • No meio da roda (c/ Octávio Burnier)
  • • Nossa Senhora dos Aflitos (c/ Nando Carneiro)
  • • O amor passou (c/ Francis Hime)
  • • O balão (c/ Nando Carneiro)
  • • O estrangeiro (c/ Piry Reis)
  • • Olha a lua (c/ John Neschling)
  • • Os pilares da cultura (c/ Jaques Morelenbaum)
  • • Outros carnavais (c/ Jaques Morelenbaum)
  • • Paixão (versão de "Smile", de Charles Chaplin, John Turner e Geoffrey Parsons)
  • • Palhaço (c/ Egberto Gismonti)
  • • Palhaço (mais clara, mais crua) (c/ Egberto Gismonti)
  • • Pau-brasil (c/ Francis Hime)
  • • Perdición (c/ Francis Hime)
  • • Polichinelo (c/ Piry Reis)
  • • Primeiro baile antropofágico transracial de Santa Cruz (c/ Wagner Tiso)
  • • Rita baiana (c/ John Neschling)
  • • Severina (c/ Nando Carneiro)
  • • Tereza Boca do Rio (c/ Nando Carneiro)
  • • Trem noturno (c/ Egberto Gismonti)
  • • Tristeza, tristeza (c/ Eduardo Souto Neto)
Discografia
  • • (2002) Por mares nunca dantes • Biscoito Fino • CD
  • • (2006) Gozos da alma • Selo Sesc Rio-Som • CD
  • • (2011) Gozos da alma • (vários) Gravadora Biscoito Fino • CD
Bibliografia

http://dicionariompb.com.br/

http://www.memoriamusical.com.br/

http://www.mis.rj.gov.br/

http://www.discotecapublica.com.br/

https://acervosmusicais.wordpress.com/

http://acervocompositores.art.br/

http://www.violaobrasileiro.com.br/

http://jornalggn.com.br/blogs/laura-macedo

http://www.otempo.com.br/hotsites/concha

http://musicosdobrasil.com.br/dissertacoes.jsf

ALBIN, Ricardo Cravo. MPB: A História de um século. Rio de Janeiro: Funarte, 1997.

AMARAL, Euclides. Alguns Aspectos da MPB. Rio de Janeiro: Edição do Autor, 2008. 2ª ed. Esteio editora, 2010. 3ª ed. EAS Editora, 2014.

AZEVEDO, M. A . de (NIREZ) et al. Discografia brasileira em 78 rpm. Rio de Janeiro: Funarte, 1982.

CABRAL, Sérgio. No tempo de Ary Barroso. Rio de Janeiro: Lumiar, 1993.

CARDOSO, Sylvio Tullio. Dicionário Biográfico da música Popular. Rio de Janeiro: Edição do autor, 1965.

EFEGÊ, Jota. Figuras e coisas da Música Popular Brasileira. Rio de Janeiro: MEC/Funarte, 1978.

EPAMINONDAS, Antônio. Brasil brasileirinho. Rio de Janeiro: Instituto Nacional do Livro,1982.

História da Música Popular Brasileira. São Paulo: Editora Abril, 1982.

LUNA, Paulo – No compasso da bola. Rio de Janeiro, Irmãos Vitale, 2011.

MARCONDES, Marcos Antônio. (ED). Enciclopédia da Música popular brasileira: erudita, folclórica e popular. 2. ed. São Paulo: Art Editora/Publifolha, 1999.

MARIZ, Vasco. A canção brasileira. Rio de Janeiro: Francisco Alves, 2000.

MORAES, Mário de. Recordações de Ary Barroso. Rio de Janeiro: MEC/FUNARTE,1979.

REPPOLHO. Dicionário Ilustrado de Ritmos & Instrumentos de Percussão. Rio de Janeiro: GJS Editora, 2012. 2ª ed. Idem, 2013.

SEVERIANO, Jairo e MELLO, Zuza Homem de. A canção no tempo. Volume 1. São Paulo: 34, 1997.

TINHORÃO, José Ramos. Música popular – teatro e cinema. Rio de Janeiro: Vozes, 1972.

VASCONCELOS, Ary. Panorama da Música Popular Brasileira. Vol. 2. Rio de Janeiro: Martins, 1965.