Nossos Músicos

Acervo em constante construção.
Hervé Cordovil

Hervé Cordovil

Instrumentista, Compositor Natural de Viçosa Nasceu em 3 de fevereiro de 1914 Falecido em 16 de julho de 1979 Gênero musical: Baião‎, Música popular brasileira, Samba‎
Biografia

Compositor. Pianista. Filho do médico Cordovil Pinto Coelho e de Maria de Lucca Pinto Coelho, que se dedicava amadoristicamente à música. Sua musicalidade aflorou já na infância, e por volta dos cinco anos de idade já dedilhava ao piano as canções tocadas por sua mãe. Passaram a viver na cidade mineira de Manhuaçu e por volta dos 10 anos de idade Hervé transferiu-se para o Rio de Janeiro onde ingressou no Colégio Militar concluindo o curso em 1931. Integrou a banda de música do colégio e junto a outros colegas formou um grupo de jazz que se apresentava em casas de oficiais e em bailes promovidos pelo próprio colégio. Passou a ter aulas com Romeu Malta, maestro da banda do colégio e como já compunha algumas músicas arriscou-se a apresentá-las a Eduardo Souto, diretor da Casa Edison, que o desencorajou a seguir como compositor. Aos 17 anos, ingressou na Faculdade de Direito de Niterói, diplomando-se em 1936. Em 1941, casou-se com Daicy Portugal Cordovil com quem teve quatro filhos, um deles o cantor/compositor Ronnie Cord, figura importante do movimento pop brasileiro que se estruturou em torno da jovem guarda, a partir de 1965. Outra filha sua, Maria Regina teve curta carreira artística no começo dos anos 1960 quando gravou diversos discos. Entre 1941 e 1945, trabalhou como advogado em Manhuaçu (MG).

Dados Artistícos

 

Estreou  em 1931 na Rádio Sociedade como pianista e compositor da Orquestra de Romeu Silva. Rapidamente tornou-se um dos pianistas mais requisitados pelas rádios cariocas. Em 1933, transferiu-se para a Rádio Philips. Foi compositor de jingles, e em  1934 compôs em parceria com Lamartine Babo a marcha “Madame do barril”, uma sátira à figura francesa “Madame Du Barry”, uma de suas primeiras composições no gênero. Nesse mesmo ano fez sucesso com a marcha “Carolina”, com Bonfiglio de Oliveira, gravada por Carlos Galhardo na época cantor em início de carreira. Em 1935, regeu a orquestra que  participou do filme “Estudantes”, dirigido por Wallace Downey, passando desde então a musicar peças de teatro entre as quais “Da favela ao Catete” escrita por Freire Júnior.  Neste mesmo ano destacou-se com a composição “Triste cuíca” parceria com Noel Rosa, lançada por Aracy  de Almeida. Em 1936, compôs para o filme “Alô, alô carnaval”, de Ademar Gonzaga, a marcha “Não resta a menor dúvida”, parceria com Noel Rosa.  Ainda nesse  ano, transferiu-se para a Rádio Guarani de Belo Horizonte onde atuou por dois anos, cumprindo o compromisso de apresentar uma música inédita por dia. Por essa época compôs “Pé de manacá”, parceria com sua prima Marisa Pinto Coelho, música que fez sucesso alguns anos mais tarde, registrada por Isaura Garcia. De volta ao Rio de Janeiro, compôs em 1938  o  jingle “Esquina da sorte”,  em parceria com Lamartine Babo, feito para uma casa lotérica e gravado pelo próprio Lamartine em dueto com Aracy de Almeida. No ano seguinte, teve o samba-jongo “Negro está sambando”, parceria com Humberto Porto, gravado por Dalva de Oliveira e Dupla Preto e Branco. Em 1940, transferiu-se para a Rádio Tupi de São Paulo. Quatro anos mais tarde, o samba “Veja você”, com Valdomiro Pereira, foi lançado pelo Conjunto Tocantins. Em 1945, foi convidado a trabalhar na Rádio Record de São Paulo  onde permaneceu por 26 anos, aposentando-se em 1971. Ainda em 1945, teve o samba “Nêgo” incluído no filme “Caídos do céu” em gravação de Isaura Garcia. Nesse mesmo ano, os sambas “Mulher de malandro” e “Quando morre um sambista” foram gravdos por Isaura Garcia. Em 1946, o choro “Gavião chô chô” foi lançado por Isaura Garcia. Dois anos depois, o grupo vocal Vagalumes do Luar gravou a marcha “A galinha do vizinho”, parceria com Armando Rosas. Em 1948, o maxixe “Louco por tuba”, com Arrelia e Ivando Luiz, foi gravado pelo palhaço de crico Arrelia. Nesse ano, a marcha “Você quer casar comigo?”, parceria com David Nasser, foi incluída no filme “Poeira de estrelas” na interpretação de Emilinha Borba. Em 1949, o balanceio “Cabeça inchada”, sobre motivos mineiros, foi incluído no filme “Uma aventura no Rio” na interpretação de Carmélia Alves, que com ele alcançou grande sucesso, sendo ainda gravado por Solon Sales, Adelaide Chiozzo, Eliana, Francisco Canaro, Abel Ferreira e seu conjunto e Sylvio Mazzucca. Ainda nesse ano, os cantores  Ivon Curi e Carmélia Alves lançaram em dueto o baião “Me leva”, parceria com Rochinha. Em 1950, obteve grande sucesso com a composição “Sabiá lá na gaiola”, com Mário Vieira, lançada por Carmélia Alves e incluída no filme “Aí vem o baião”. Nesse ano, o baião “Pé de manacá” composto anos antes foi lançado por Isaura Garcia, em dueto com ele mesmo, tendo conhecido ainda gravações dele próprio, Carmélia Alves, Marlene e Ivon Curi, Muraro e Portinho e sua orquestra. Também em 1950, o samba “Tem pena de mim” foi gravado por Aracy de Almeida recebendo ainda registros de Solon Sales, Carmélia Alves, André Penazzi, Norma Avian, Sambistas do Asfalto e Simonetti e sua orquestra. Em 1951, o baião “A saudade é de matá (Adeus Pernambuco)”,  parceria com Manezinho Araújo, foi gravada em dueto por Carmélia Alves e Jimmy Lester, recebendo ainda registro de Luiz Gonzaga. Neste mesmo ano, teve gravadas por Carmélia Alves os baiões “Adeus, adeus morena”, com Manezinho Araújo, e “Baião vai, baião vem”. Teve ainda o samba-canção “Chuva” gravado por Isaura Garcia. Esta composição foi também registrada por André Penazzi, Carmélia Alves, Hebe Camargo, Agnaldo Rayol e Jonny Alf. Também em 1951, teve três composições incluídas em filmes: “a toada-baião “Esta noite serenou”, no filme “Meu destino é pecar”, e a toada-baião “Moreninha. Moreninha”, e a polca “Tô sobrando”, ambas com Luiz Gonzaga, incluídas no filme “O comprador de fazendas”, as duas últimas na interpretação de Luiz Gonzaga, então no auge do sucesso. Ainda no mesmo ano, gravou seu baião “Sei lá”, em dueto com Carmélia Alves em disco lançado pela Continental. Em 1952, fez grande sucesso com o “Baião da garoa”, parceria com Luiz Gonzaga, que o lançou, tendo sido ainda regravado por Carmélia Alves, Guio de Morais e seus parentes, Sérgio Reis e Dominguinhos. Nesse ano, gravou em dueto com Isaura Garcia o “Baião da solidão”, parceria com Marisa Pinto Coelho. Teve ainda o baião “Xaxado”, com Luiz Gonzaga, interpretado pelo grupo vocal Quatro Ases e Um Coringa no filme “Simão, o caolho”. Outro sucesso desse ano, foi o samba-canção “Jangada” que recebeu gravações de Jimmy Lester, Esterzinha de Souza, Sílvio Caldas, Leny Eversong e José Tobias. Em 1953, obteve novo grande sucesso em composição feita em parceria com Luiz Gonzaga, o xote-baião “A vida viajante”, que foi gravado por Luiz Gonzaga e recebeu regravações entre outros de Gonzaguinha, Marinês, Pena Branca e Xavantinho, Trio Nordestino e Chico Buarque. Nesse ano, outras de suas composições receberam mais de uma gravação, como foi o caso do samba-canção “De tanto acreditar”, com Renê Cordovil, lançado por Dircinha Batista, José Tobias e Morgana, o samba “E ela não vem”, com Vicente Leporace, que foi gravado por Titulares do Ritmo, Leny Eversong e Carmélia Alves, e o samba-canção “Falaram de você”, com Renê Cordovil, registrado por Almir Ribeiro e por Isaura Garcia. Ainda em 1953, fez os arranjos para o motivo popular “Mulher rendeira” gravado pelo Trio Marabá e que fez parte da trilha sonora do filme “O cangaceiro”, de Lima Barreto, o primeiro filme brasileiro a obter sucesso no estrangeiro, sendo interpretado por Homero Marques, Zé do Norte e Demônios da Garoa. Em 1954, teve duas composições interpretadas por Carmélia Alves em dois filmes diferentes: o baião “O Miguel é o maior”, com Pascoal José e Marcílio, no filme “Carnaval em Caxias”, e a marcha “Disco voador”, do filme “Carnaval em lá maior”. Em 1956, gravou, em dueto com Carmélia Alves, os sambas “Nego Difíci”, e “Nego Tabuleta”, ambas com Osvaldo Molles. Em 1959, gravou, pela Copacabana a “Polca Do Fritz” e o choro “Não Tem Choro”, ambos de sua autoria. Em  1961, fez sucesso nacional com a marcha “Carta a Papai Noel”, gravada por sua filha Maria Regina, então uma criança de 5 anos de idade. Em 1964 compôs músicas  no estilo “jovem guarda” entre as quais “Rua Augusta”, “Boliche legal” e a versão  da música “Biquíne de bolinha amarelinha”.

De sua produção, algumas composições foram feitas em parceria com seus filhos Ronnie Cord e Hervé Cordovil. Em 1966, compôs “Canto ao Brasil”, peça sinfônica orquestrada por Gabriel Migliori e executada pela Orquestra Sinfônica Municipal de São Paulo.

Em 1977, participou do show comemorativo “30 Anos de Baião”, realizado no Teatro Municipal de São Paulo, ocasião na qual  também se apresentaram Luiz Gonzaga, Carmélia Alves e Humberto Teixeira.

Em 1997, foi publicado o livro “Hervé Cordovil – um gênio da música popular brasileira” de autoria de Maria do Carmo Tafuri Paniago.

 

 

Obra
  • • A cigarra e a formiga (c/ Daicy Portugal Cordovil)
  • • A galinha do vizinho (c/ Armando Ramos)
  • • A gruta da Sununga (c/ Mauro Damotta)
  • • A mãe de ouro (c/ Mauro Damotta)
  • • A música de mamãe
  • • A onça preguiçosa
  • • A preto do Corcovado (c/ Mauro Damotta)
  • • A saudade é de matá (c/ Manezinho de Araújo)
  • • A vida do viajante (c/ Luiz Gonzaga)
  • • Acalanto do negrinho
  • • Adeus, adeus, morena (Manezinho Araújo)
  • • Agüenta a mão, João (c/ Adoniram Barbosa)
  • • Ai, ai, Paquetá
  • • Alma do Brasil (c/ Zé Dantas)
  • • Alô, alô carnaval (c/ Lamartine Babo)
  • • Amor com amor (c/ Renê Cordovil)
  • • Anjo João (c/ Osvaldo Moles)
  • • Assim se começa
  • • Até o sol... (marcha)
  • • Bahia mulata velha
  • • Baião da garoa (c/ Luiz Gonzaga)
  • • Baião da solidão (c/ Marisa Pinto Coelho)
  • • Baião de presidente
  • • Baião vai, baião vem (baião)
  • • Banderinha brasileira (c/ Osvaldo Moles)
  • • Benedita de Oliveira (c/ Osvaldo Moles)
  • • Biquíni de bolinha amarelinho tão pequenininho
  • • Boliche legal
  • • Buxa, cordão (c/ Jorge Murad)
  • • Cabeça inchada
  • • Cada moça que eu conheço (c/ Raul Duarte)
  • • Cai a tarde
  • • Calango (c/ Zé Dantas)
  • • Calango das catadeiras de café
  • • Canção do trolinho
  • • Canto ao Brasil (c/ Corrêa Júnior)
  • • Carolina (c/ Bonfiglio de Oliveira)
  • • Carta a Papai Noel
  • • Cena baiana
  • • Céu (c/ Osvaldo Moles)
  • • Chapeuzinho Vermelho (c/ Daicy Portugal Cordovil)
  • • Chico Linguiça (c/ Osvaldo Moles)
  • • Chiquinha e Toninha (c/ Berimbau)
  • • Chuva (c/ Armando Rosa)
  • • Como é que pode (c/ Jayme Tolomi da Rocha)
  • • Coromandel
  • • De tanto acreditar (c/ Renê Cordovil)
  • • Definitivamente (c/ João Gutierrez)
  • • Dente de ouro (c/ Osvaldo Moles)
  • • Desquite (c/ Cláudio de Barros)
  • • Dia de Natal
  • • Disco voador
  • • Duas horas da madrugada
  • • E ela não vem (c/ Vicente Leporace)
  • • É fogo
  • • É mau pra chuchu
  • • É noite morena (c/ Renê Cordovil)
  • • Eh! Boi
  • • Esquina da sorte (c/ Lamartine Babo)
  • • Esquinado
  • • Esta noite serenou
  • • Eu estou que é ela só
  • • Eu também quero roubar
  • • Eu vou à praia
  • • Falaram de você (c/ Renê Cordovil)
  • • Fazenda do Matão (c/ Daicy Portugal Cordovil)
  • • Feiticeira
  • • Festa-de-reis (c/ Duo Brasil Moreno)
  • • Filme francês: "Queimada"
  • • Fio de preto (c/ Osvaldo Moles)
  • • Fiquei rachando lenha (c/ Noel Rosa)
  • • Folha caída (c/ Nei Machado)
  • • Força de malandro (c/ Jayme Tolomi da Rocha)
  • • Fulana de tal
  • • Gaiola aberta
  • • Gavião, chô, chô
  • • Hino a Manhuaçu
  • • Hino a São Tomás de Aquino
  • • Inconstitucionalissimamente
  • • Irmãos Jaques
  • • Jangada (Vicente Leporace)
  • • Joga n'água
  • • Juca (c/ Raul Duarte)
  • • Lá vem meu rancho
  • • Leite com café (c/ Noel Rosa)
  • • Letra de música
  • • Letra de samba (c/ Osvaldo Moles)
  • • Lili fugiu de Chunking
  • • Louco por tuba (c/ Irvando Luiz Arrelia)
  • • Madame du bam (c/ Lamartine Babo)
  • • Mágoa (c/ Júlio Atlas)
  • • Maluca por soldado (c/ Osvaldo Moles)
  • • Marcha da Panamericana (c/ Raul Duarte)
  • • Maria chorona
  • • Mas Sinhá! (c/ Aloysio Silva Araujo)
  • • Me leva (c/ Rochinha)
  • • Menina oxigenée (c/ Lamartine Babo)
  • • Meu moreno
  • • Meu tema (beguine)
  • • Minha estrela se perdeu
  • • Minha homenagem
  • • Minha impaciência
  • • Minha infância (c/ Marisa Pinto Coelho)
  • • Minha mexicana bacana
  • • Moreninha sweepstake (c/ Lamartine Babo)
  • • Moreninha, moreninha (c/ Luiz Gonzaga)
  • • Mormaço (c/ Osvaldo Moles)
  • • Mulata fuzileira (c/ Paulo Netto de Freitas)
  • • Mulher de malandro
  • • Mulher e meia (c/ Manuel Vitório)
  • • Mulher infernal
  • • Mulher pequena
  • • Nada no meu coração
  • • Não acredito mais (c/ Polera)
  • • Não resta a menor dúvida (c/ Noel Rosa)
  • • Não sei porque (c/ Renê Cordovil)
  • • Não tem choro
  • • Não tem fim (c/ Renê Cordovil)
  • • Nastacinho (c/ Osvaldo Moles)
  • • Nêga díficil (c/ Osvaldo Moles)
  • • Nêga tabuleta (c/ Osvaldo Moles)
  • • Nêgo (c/ Osvaldo Moles)
  • • Negro está sambando (c/ Humberto Porto)
  • • Nhô Locádio
  • • No morro de São Carlos (c/ Orestes Barbosa)
  • • Nossos caminhos divergem (c/ Nei Machado)
  • • O cabra
  • • O galo já cantou (c/ Raul Duarte)
  • • O maiorá (c/ Osvaldo Moles)
  • • O meu sonho foi balão (c/ Alberto Ribeiro)
  • • O Migué é o maior (c/ Pascoal José Marcilio)
  • • O mimoso colibri (c/ Osvaldo Moles)
  • • O que é que você fazia? (c/ Noel Rosa)
  • • O rei do samba (c/ Vicente Leporace)
  • • O trem chegou
  • • Oh! Carioca (c/ Alberto Ribeiro)
  • • Olhando pra lua (c/ Adoniran Barbosa)
  • • Onde estou? (c/ Vicente Leporace)
  • • P. R. você (c/ Cristovão de Alencar)
  • • Paraíba feminina
  • • Parque (c/ Vicente Leporace)
  • • Parque de diversões
  • • Passarinho (c/ Antônio Nássara)
  • • Paz, irmão (c/ Sérgio T. Ferreira e Maria Regina)
  • • Pé de manacá (c/ Marisa Pinto Coelho
  • • Pé-de-chinelo (c/ Osvaldo Moles)
  • • Pedreira unida
  • • Pega a morena
  • • Pela madrugada
  • • Peta é peta teimá
  • • Pode ficar (c/ Vicente Leporace)
  • • Pode ir em paz (c/ Adoniran Barbosa)
  • • Poemas das duas mãozinhas (c/ Jorge de Lima)
  • • Polka de Fritz
  • • Por causa da morena (c/ Almirante)
  • • Porque quebrei o teu violão (c/ Walfrido Pereira da Silva)
  • • Pra ser bem feliz
  • • Prece a São Benedito
  • • Prelúdio (c/ Vicente Leporace)
  • • Presidente da República
  • • Princesinha
  • • Prova de carinho (c/ Adoniran Barbosa)
  • • Quando encontrei meu bem
  • • Quando um sambista morre
  • • Que bela rosa
  • • Que tal? Samba
  • • Quebranto
  • • Quem, depois de mim (c/ David Nasser)
  • • Querida
  • • Rádio Record (c/ Thalma de Oliveira)
  • • Rio (c/ Lamartine Babo)
  • • Rio A
  • • Roseira despeitada
  • • Rosinha, vem cá
  • • Rua Augusta
  • • Rua de Santo Antônio
  • • Rua do Coqueiro (c/ Filomena dos Santos)
  • • Rua do Sol (c/ Manezinho Araújo)
  • • Sá Ritinha
  • • Sabiá lá na gaiola (c/ Mário Vieira)
  • • Samba
  • • São Cosme e Damião
  • • São Jorge
  • • Saudade que não foi saudade
  • • Se amor é isso
  • • Se Papai Noel quísesse (c/ Cristovão de Alencar)
  • • Se você me deixar (c/ Polera)
  • • Sei lá
  • • Sétima Companhia de Guarda
  • • Seu Abóbora (c/ Lamartine Babo)
  • • Seu Gaspar
  • • Seu Quelemente
  • • Solta meu cavalo
  • • Sombra alongada (c/ Vicente Leporace)
  • • Sombras entre nós (c/ Renê Cordovil)
  • • Sorrisos (c/ João de Barro)
  • • Sorte da Maria (c/ Thalma de Oliveira)
  • • Sweetly (c/ Renê Cordovil)
  • • Tecelão de químeras (c/ Renê Cordovil)
  • • Tem pena de mim
  • • Tô sobrando (c/ Luiz Gonzaga)
  • • Toda a culpa fica em cima do papai
  • • Três assovios (c/ Arrelia)
  • • Triste cuíca (c/ Noel Rosa)
  • • Um brinde à lua
  • • Um caboquinho (c/ Luiz Peixoto)
  • • Um trem... Uma saudade (c/ Carlos Alberto Ortiz)
  • • Uma esmolinha (c/ Osvaldo Moles)
  • • Uma loura
  • • Uma voz de longe me chamou (c/ Alberto Ribeiro)
  • • Vai meu baião
  • • Valsa de aniversário (c/ Arrelia)
  • • Valsa para uma cidade
  • • Valsa simples
  • • Vê, minha saudade (c/ Fernando Lobo)
  • • Veja você (c/ Valdomiro Pereira)
  • • Velho pescador (c/ Luiz Gonzaga)
  • • Vila Isabel do espaço (c/ Noel Rosa)
  • • Vitamina de nêgo (c/ Osvaldo de Moles)
  • • Vivamos amor (c/ Vicente Leporace)
  • • Você pensa que eu não ví?(c/ Roberto Martins)
  • • Você quer casar comigo? (c/ David Nasser)
  • • Você ri de mim
  • • Xaxado (c/ Luiz Gonzaga)
  • • Xixová (c/ Maria Regina)
  • • Yá yá boneca (c/ Ivani Soares)
  • • Zabumba de nego
  • • Zé Torresmo (c/ Paulo Roberto)
Discografia
  • • (1950) Pé de Manacá - Com Isaura Garcia • RCA Victor • 78
  • • (1951) Sei lá - com Carmélia Alves • Continental • 78
  • • (1956) Nego Difíci/Nego Tabuleta - com Carmélia Alves • Continental • 78
  • • (1959) Polca do Fritz/Não tem choro • Copacabana • 78
Bibliografia

http://dicionariompb.com.br/

http://www.memoriamusical.com.br/

http://www.mis.rj.gov.br/

http://www.discotecapublica.com.br/

https://acervosmusicais.wordpress.com/

http://acervocompositores.art.br/

http://www.violaobrasileiro.com.br/

http://jornalggn.com.br/blogs/laura-macedo

http://www.otempo.com.br/hotsites/concha

http://musicosdobrasil.com.br/dissertacoes.jsf

ALBIN, Ricardo Cravo. MPB: A História de um século. Rio de Janeiro: Funarte, 1997.

AMARAL, Euclides. Alguns Aspectos da MPB. Rio de Janeiro: Edição do Autor, 2008. 2ª ed. Esteio editora, 2010. 3ª ed. EAS Editora, 2014.

AZEVEDO, M. A . de (NIREZ) et al. Discografia brasileira em 78 rpm. Rio de Janeiro: Funarte, 1982.

CABRAL, Sérgio. No tempo de Ary Barroso. Rio de Janeiro: Lumiar, 1993.

CARDOSO, Sylvio Tullio. Dicionário Biográfico da música Popular. Rio de Janeiro: Edição do autor, 1965.

EFEGÊ, Jota. Figuras e coisas da Música Popular Brasileira. Rio de Janeiro: MEC/Funarte, 1978.

EPAMINONDAS, Antônio. Brasil brasileirinho. Rio de Janeiro: Instituto Nacional do Livro,1982.

História da Música Popular Brasileira. São Paulo: Editora Abril, 1982.

LUNA, Paulo – No compasso da bola. Rio de Janeiro, Irmãos Vitale, 2011.

MARCONDES, Marcos Antônio. (ED). Enciclopédia da Música popular brasileira: erudita, folclórica e popular. 2. ed. São Paulo: Art Editora/Publifolha, 1999.

MARIZ, Vasco. A canção brasileira. Rio de Janeiro: Francisco Alves, 2000.

MORAES, Mário de. Recordações de Ary Barroso. Rio de Janeiro: MEC/FUNARTE,1979.

REPPOLHO. Dicionário Ilustrado de Ritmos & Instrumentos de Percussão. Rio de Janeiro: GJS Editora, 2012. 2ª ed. Idem, 2013.

SEVERIANO, Jairo e MELLO, Zuza Homem de. A canção no tempo. Volume 1. São Paulo: 34, 1997.

TINHORÃO, José Ramos. Música popular – teatro e cinema. Rio de Janeiro: Vozes, 1972.

VASCONCELOS, Ary. Panorama da Música Popular Brasileira. Vol. 2. Rio de Janeiro: Martins, 1965.