Nossos Músicos

Acervo em constante construção.
Jeca Mineiro

Jeca Mineiro

Cantor, Compositor Natural de Arceburgo Nasceu em 4 de setembro de 1913 Gênero musical: Música popular brasileira, outro
Biografia

Sua primeira música , Boiadeiro Paulista, foi composta em 1948 e gravado em 11949 por Zé Pagão e Nhô Rosa, na Continental. De 1949 a 1965 fez dupla com Mineirinha. Dentre seus vários sucessos destaca-se: Mulher Ciumenta ( Nonô Basílio). Em 1973 compôs Fuscão Preto com Atílio Versutti, que só estourou em 1982 com Almir Rogério.

Dados Artistícos

Iniciou sua carreira artística aos 10 anos de idade, quando passou a tocar viola e cantar em reuniões festivas em sua cidade natal. Aos 15 anos, recebeu de seu avô uma viola de presente. Mudou-se para São José do Rio Pardo e continuou se apresentando em festas. Em 1946, mudou-se para São Paulo. No mesmo ano formou uma dupla com Chico Carretel e os dois passaram a se apresentar na Rádio Cruzeiro do Sul, no programa “Serra da Mantiqueira”. A dupla logo se desfez e, em seguida, formou uma nova parceria com Motinha, com quem atuou no programa “Serra da Mantiqueira”, na Rádio Bandeirantes. Em 1949, formou dupla com Mineirinha. Em 1953, a dupla gravou o rasqueado “Perfume de meu bem”, de sua autoria. Gravou no ano seguinte “Mulher ciumenta”, rasqueado de Palmeira e Nonô Basílio. Em 1955, foi formado o Trio Jeca Mineiro, Bambuí e Pirajá, que gravou em 1956 a toada “Filho de ninguém”, de José Fortuna, e a moda de viola “Moda das duplas”, de Piraci. No início dos anos 1960, formou nova dupla, agora com Nininha. O primeiro disco da dupla incluiu a canção rancheira “Meu diário” , parceria com Teixeira Filho, e a guarânia “Quem é que não sente”, parceria com José Russo. A dupla faria ainda outras gravações nos quatro anos em que permaneceu atuando. Suas composições foram gravadas e conheceram sucesso na voz de outros intérpretes. Em 1959, Nonô e Naná gravaram a valsa “Minas Gerais”. Em princípios dos anos 1960, Liu e Léu gravaram o valseado “Amarga saudade”. Em 1963, Zilo e Zalo gravaram a moda de viola “Alma do Ferreirinha”. No mesmo ano, Paiozinho e Zé Tapera gravaram o bolero “A dama de vermelho”, que se tornaria um dos maiores sucessos de sua autoria e um dos clássicos do repertório sertanejo. Na Rádio Cultura, apresentou o programa “Lá no pé da serra”. Na segunda metade dos anos 1960, por recomendações médicas, teve que parar de cantar, continuando, entretanto, a compor. Em 1976, a dupla Chitãozinho e Xororó gravou em seu LP “Doce amada”, a composição “Caboclo de fato”, de sua autoria e Kambukira. Em 1978, compôs, com o pintor de placas e cartazes Atilio Versuti, a canção “Fuscão preto”, que se tornou um verdadeiro fenômeno da música sertaneja. Logo após ficar pronta, a música foi gravada pela dupla Giovanti e Mariel, numa prensagem particular. Em 1980, o trio mineiro Vandeirante, Zé Batista e Darlon gravou-a por um pequeno selo. No fim daquele ano, Zé Tapera e Teodoro gravaram “Fuscão preto” para a RCA. Estas gravações, entretanto, não obtiveram sucesso e passaram desapercebidas. Em 1982, foi regravada pelo Trio Os Gladiadores e iniciou sua trajetória de sucesso. Com aquele trio vendeu mais de 100 mil cópias. No mesmo ano, Almir Rogério a gravou e chegou a vender mais de 700 mil cópias. A música “Fuscão preto” recebeu versões nos Estados Unidos, “Black mustang”, e na Itália, “Fiat nero”, além de ter virado filme de Jeremias Moreira Filho, com atuação de Xuxa e Almir Rogério, entre outros. Recebeu também mais de 50 regravações. Em 1997, a gravação de “Fuscão preto” na voz do Duo Ciriema foi relançado pela BMG, no CD da “Luar do sertão” dedicado à dupla.

 

Obra
  • • A dama de vermelho (c/ Ado Benatti)
  • • A solidão me tortura (c/ Sebastião Vito)
  • • Alma de gaúcho (c/ Ado Benatti)
  • • Alma do Ferreirinha (c/ Zilo)
  • • Amar não é crime (c/ Paiozinho)
  • • Amarga saudade (c/ Zelão)
  • • Amor ausente (c/ Nascim Filho)
  • • Aperte minha mão
  • • Baile gaúcho (c/ Milton Cristofani)
  • • Caboclo de fato (c/ Kambukira)
  • • Cante comigo (c/ Campanha)
  • • Cinzas e espumas (c/ Atilio Versuti)
  • • Copo de festa
  • • Desconfiada (c/ Zelão)
  • • Égua preta (c/ Atilio Versuti)
  • • Eterno apaixonado (c/ Labareda)
  • • Fazenda vaidosa
  • • Força do destino (c/ Ado Benatti)
  • • Fuscão preto (c/ Atilio Versuti)
  • • Grades de ferro (c/ Anésio Cardoso)
  • • Ilusão perdida (c/ Maria Terezinha)
  • • Jamais te esquecerei
  • • Lábios doces (c/ Zé Tapera)
  • • Lembranças que o tempo não apaga
  • • Mãezinha feliz (c/ José Fortuna)
  • • Mandamento sagrado (c/ Sebastião Vitor)
  • • Meu diário (c/ Teixeira Filho)
  • • Meu sabiá (c/ Atilio Versuti)
  • • Meu sistema
  • • Minas Gerais (c/ Moreno)
  • • Morrendo de amor (c/ Milton Cristofani)
  • • Não bebas mais (c/ Orlandinho)
  • • Não bebas por mim
  • • Pé vermelho
  • • Perfume de meu bem
  • • Poema de amor (c/ Nascim Filho)
  • • Por que mentir? (c/ Sertãozinho)
  • • Quem é que não sente (c/ José Russo)
  • • Remorso (c/ Benedito Seviero)
  • • Romance infeliz (c/ Moreno)
  • • Traidor (c/ Piraci)
  • • Vai com Deus (c/ Labareda)
Discografia
  • • (1953) Perfume de meu bem/Gaúcho apaixonado • Copacabana • 78
  • • (1954) Mulher ciumenta/Meu sistema • Copacabana • 78
  • • (1956) Filho de ninguém/Moda das duplas • Copacabana • 78
  • • (1961) Morrendo de amor/Matando a saudade • Caboclo • 78
  • • (1961) Meu diário/Quem é que não sente • Caboclo • 78
  • • (1962) Não bebas por mim/Poema de amor • Caboclo • 78
Bibliografia

http://dicionariompb.com.br/

http://www.memoriamusical.com.br/

http://www.mis.rj.gov.br/

http://www.discotecapublica.com.br/

https://acervosmusicais.wordpress.com/

http://acervocompositores.art.br/

http://www.violaobrasileiro.com.br/

http://jornalggn.com.br/blogs/laura-macedo

http://www.otempo.com.br/hotsites/concha

http://musicosdobrasil.com.br/dissertacoes.jsf

ALBIN, Ricardo Cravo. MPB: A História de um século. Rio de Janeiro: Funarte, 1997.

AMARAL, Euclides. Alguns Aspectos da MPB. Rio de Janeiro: Edição do Autor, 2008. 2ª ed. Esteio editora, 2010. 3ª ed. EAS Editora, 2014.

AZEVEDO, M. A . de (NIREZ) et al. Discografia brasileira em 78 rpm. Rio de Janeiro: Funarte, 1982.

CABRAL, Sérgio. No tempo de Ary Barroso. Rio de Janeiro: Lumiar, 1993.

CARDOSO, Sylvio Tullio. Dicionário Biográfico da música Popular. Rio de Janeiro: Edição do autor, 1965.

EFEGÊ, Jota. Figuras e coisas da Música Popular Brasileira. Rio de Janeiro: MEC/Funarte, 1978.

EPAMINONDAS, Antônio. Brasil brasileirinho. Rio de Janeiro: Instituto Nacional do Livro,1982.

História da Música Popular Brasileira. São Paulo: Editora Abril, 1982.

LUNA, Paulo – No compasso da bola. Rio de Janeiro, Irmãos Vitale, 2011.

MARCONDES, Marcos Antônio. (ED). Enciclopédia da Música popular brasileira: erudita, folclórica e popular. 2. ed. São Paulo: Art Editora/Publifolha, 1999.

MARIZ, Vasco. A canção brasileira. Rio de Janeiro: Francisco Alves, 2000.

MORAES, Mário de. Recordações de Ary Barroso. Rio de Janeiro: MEC/FUNARTE,1979.

REPPOLHO. Dicionário Ilustrado de Ritmos & Instrumentos de Percussão. Rio de Janeiro: GJS Editora, 2012. 2ª ed. Idem, 2013.

SEVERIANO, Jairo e MELLO, Zuza Homem de. A canção no tempo. Volume 1. São Paulo: 34, 1997.

TINHORÃO, José Ramos. Música popular – teatro e cinema. Rio de Janeiro: Vozes, 1972.

VASCONCELOS, Ary. Panorama da Música Popular Brasileira. Vol. 2. Rio de Janeiro: Martins, 1965.