Nossos Músicos

Acervo em constante construção.
Márcio Borges

Márcio Borges

Compositor Natural de Belo Horizonte Nasceu em Gênero musical: Música popular brasileira
Biografia

Márcio Hilton Fragoso Borges

Compositor.

Irmão de Lô Borges, um de seus mais constantes parceiros, e de mais 10 irmãos, entre os quais os também compositores Yé Borges, Marilton Borges, Nico Borges, Solange Borges e Telo Borges.

Dados Artistícos

Considerado um dos letristas mais importantes do Clube da Esquina, ao lado de Ronaldo Bastos e Fernando Brant, conheceu Milton Nascimento em 1963, no edifício Levy, em Belo Horizonte (MG), onde morava com a família. A partir desse encontro, Milton tornou-se seu amigo e parceiro.

Foi o primeiro letrista de Milton, com quem compôs, em 1964, as músicas “Paz do amor que vem”, “Gira-girou” e “Crença”.

Em 1972, suas canções “Tudo que você podia ser”, “Um girassol da cor do seu cabelo”, “Estrelas” e “Trem de doido”, todas em parceria com Lô Borges, e “Os povos” (c/ Milton Nascimento” foram registradas no LP “Clube da Esquina” (EMI-Odeon), que marcou o movimento mineiro, no Brasil e nos Estados Unidos.

Em 1978, foi lançado “Clube da Esquina 2”, pela mesma gravadora, com suas músicas “A sede do peixe” (c/ Milton Nascimento), “Ruas da cidade” (c/ Lô Borges) e “Pão e água” (c/ Lô Borges e Roger).

Entre suas parcerias com seu irmão Lô Borges destacam-se, entre outras, “Para Lennon e McCartney” (c/ Fernando Brant), “Tudo que você podia ser” e “Um girassol da cor de seu cabelo”.

Em 1980, foi lançado pela EMI-Odeon o disco “Os Borges”, contendo composições dos irmãos Borges.

A partir de 1990, passou a residir em Visconde de Mauá, no Rio de Janeiro.

Em 1996, lançou, pela Geração Editorial, o livro “Os sonhos não envelhecem”, contando a história do Clube da Esquina.

Em 2000, na comemoração de seus 54 anos, reuniu os amigos do Clube da Esquina para festejar seu aniversário e os 30 anos de sua composição “Um girassol da cor o teu cabelo” (c/ Lô Borges), música gravada no primeiro disco do Clube.

Em 2003, as canções “Até o amanhecer”, “Sonho novo”, “Topo do mundo” e “Quem sabe isso quer dizer amor”, todas de sua parceria com Lô Borges, foram registradas pelo irmão no CD “Um dia e meio”. “Quem sabe isso quer dizer amor foi gravada originalmente por Milton Nascimento no CD “Pietá”, lançado nesse mesmo ano.

Constam, também, entre seus parceiros, Beto Guedes, Toninho Horta e Flávio Venturini.

Suas músicas foram gravadas por vários intérpretes, como Elis Regina (“Vento de maio”, em parceria com Telo Borges).

Obra
  • A olho nu (c/ Lô Borges)
  • A sede do peixe (c/ Milton Nascimento)
  • Ainda (c/ Telo Borges)
  • Além de nós (c/ Toninho Horta)
  • Asas (c/ Flávio Venturini, Vermelho e Beto Guedes)
  • Até o amanhecer (c/ Lô Borges)
  • Casa vazia (c/ Flávio Venturini)
  • Clube da Esquina nº 2 (c/ Milton Nascimento e Lô Borges)
  • Contos da lua vaga (c/ Beto Guedes)
  • Em família (c/ Yé Borges)
  • Equatorial (c/ Beto Guedes e Lô Borges)
  • Estrelas (c/ Lô Borges)
  • Faça seu jogo (c/ Lô Borges)
  • Flor da razão (c/ Beto Guedes e Ronaldo Bastos)
  • Linda juventude (c/ Flávio Venturini)
  • Não se apague esta noite (c/ Lô Borges)
  • Nau sem rumo (c/ Lô Borges)
  • Nem é Carnaval (c/ Toninho Horta)
  • No tom de sempre (c/ Chico Lessa)
  • O caçador (c/ Lô Borges)
  • Os povos (c/ Milton Nascimento)
  • Pão e água (c/ Roger e Lô Borges)
  • Para Lennon e McCartney (c/ Lô Borges e Fernando Brant)
  • Pela claridade da nossa casa (c/ Beto Guedes e Murilo Antunes)
  • Pra onde vai você (c/ Lô Borges)
  • Pura paisagem (c/ Lô Borges)
  • Qualquer caminho
  • Quatro (c/ Beto Guedes)
  • Quem sabe isso quer dizer amor (c/ Lô Borges)
  • Ruas da cidade (c/ Lô Borges)
  • Sempre-viva (c/ Lô Borges)
  • Sonho novo (c/ Lô Borges)
  • Topo do mundo (c/ Lô Borges)
  • Trem de doido (c/ Lô Borges)
  • Tudo que você podia ser (c/ Lô Borges)
  • Um girassol da cor de seu cabelo (c/ Lô Borges)
  • Um raio de sol (c/ Lô Borges)
  • Um sonho na correnteza (c/ Yé Borges)
  • Um violeiro (c/ Flávio Venturini)
  • Vagas estrelas (c/ Lô Borges)
  • Vale do Pavão (c/ Flávio Venturini)
  • Vertigem (c/ Lô Borges)
  • Viver, viver (c/ Lô Borges e Murilo Antunes)
  • Voa, bicho (c/ Telo Borges)
Bibliografia

http://dicionariompb.com.br/

http://www.memoriamusical.com.br/

http://www.mis.rj.gov.br/

http://www.discotecapublica.com.br/

https://acervosmusicais.wordpress.com/

http://acervocompositores.art.br/

http://www.violaobrasileiro.com.br/

http://jornalggn.com.br/blogs/laura-macedo

http://www.otempo.com.br/hotsites/concha

http://musicosdobrasil.com.br/dissertacoes.jsf

ALBIN, Ricardo Cravo. MPB: A História de um século. Rio de Janeiro: Funarte, 1997.

AMARAL, Euclides. Alguns Aspectos da MPB. Rio de Janeiro: Edição do Autor, 2008. 2ª ed. Esteio editora, 2010. 3ª ed. EAS Editora, 2014.

AZEVEDO, M. A . de (NIREZ) et al. Discografia brasileira em 78 rpm. Rio de Janeiro: Funarte, 1982.

CABRAL, Sérgio. No tempo de Ary Barroso. Rio de Janeiro: Lumiar, 1993.

CARDOSO, Sylvio Tullio. Dicionário Biográfico da música Popular. Rio de Janeiro: Edição do autor, 1965.

EFEGÊ, Jota. Figuras e coisas da Música Popular Brasileira. Rio de Janeiro: MEC/Funarte, 1978.

EPAMINONDAS, Antônio. Brasil brasileirinho. Rio de Janeiro: Instituto Nacional do Livro,1982.

História da Música Popular Brasileira. São Paulo: Editora Abril, 1982.

LUNA, Paulo – No compasso da bola. Rio de Janeiro, Irmãos Vitale, 2011.

MARCONDES, Marcos Antônio. (ED). Enciclopédia da Música popular brasileira: erudita, folclórica e popular. 2. ed. São Paulo: Art Editora/Publifolha, 1999.

MARIZ, Vasco. A canção brasileira. Rio de Janeiro: Francisco Alves, 2000.

MORAES, Mário de. Recordações de Ary Barroso. Rio de Janeiro: MEC/FUNARTE,1979.

REPPOLHO. Dicionário Ilustrado de Ritmos & Instrumentos de Percussão. Rio de Janeiro: GJS Editora, 2012. 2ª ed. Idem, 2013.

SEVERIANO, Jairo e MELLO, Zuza Homem de. A canção no tempo. Volume 1. São Paulo: 34, 1997.

TINHORÃO, José Ramos. Música popular – teatro e cinema. Rio de Janeiro: Vozes, 1972.

VASCONCELOS, Ary. Panorama da Música Popular Brasileira. Vol. 2. Rio de Janeiro: Martins, 1965.