Nossos Músicos

Acervo em constante construção.
Moacyr Franco

Moacyr Franco

Cantor, Compositor Natural de Ituiutaba Nasceu em 5 de outubro de 1936 Gênero musical: Música popular brasileira
Biografia

Moacyr de Oliveira Franco

Cantor. Compositor. Humorista. Apresentador de TV. Produtor. Trabalhou como pintor de cartazes de cinema em sua cidade natal. Entre os anos de 1983 e 1987, interrompeu a carreira artística para cumprir mandato de deputado federal após ser eleito no estado de São Paulo pelo PTB. Em 2010, tentou voltar à carreira política, candidatando-se a senador, pelo PSL. Apesar de ter obtido mais de 400 mil votos, não foi eleito.

Dados Artistícos

Iniciou a carreira artística apresentando-se na Rádio Difusora de Uberlândia no programa “Astros e estrelas do amanhã”. Transferiu-se em seguida para Ribeirão Preto onde exerceu as atividades de cantor, radioator e comediante. Mudou-se depois para São Paulo, onde atuou na televisão ao lado de Manoel da Nóbrega nos programas “Praça da Alegria”, “O riso é o limite” e “Noites cariocas”. O personagem que utilizou principalmente no programa “Praça da Alegria”, o Mendigo, lhe rendeu sucesso com a gravação de “Me dá um dinheiro aí”, que foi uma das músicas mais executadas do carnaval do ano de 1960, sendo até hoje cantada nos salões. Na época, o disco chegou a vender mais de 100 mil cópias. Na ocasião, ganhou o prêmio Roquete Pinto.  Em 1959, realizou na gravadora Copacabana a sua primeira gravação, em 78 rpm, interpretando as marchas “Me dá um dinheiro aí”,  de Homero, Ivan e e Glauco Ferreira, que se tornou um grande sucesso, e “Compromisso do palhaço”, de Sílvio Curval. Em 1962, gravou a canção “Suave é a noite”, de Paul Francis Webster e Sammy Cahan, em versão de Nazareno de Brito, que se tornou um de seus maiores sucessos. No mesmo ano estreou na TV Rio o programa “Show doçura”. Na mesma ocasião lançou pela Copacabana o LP “Contrastes”, no qual gravou entre outras, as composições “Ninguém chora por mim”, de Jair Amorim e Evaldo Gouveia, e “Quando ela se foi”, de Antônio Maria e Moacyr Silva. Em 1963, passou a apresentar o programa “Moacyr Franco show”, na hoje extinta TV Excelsior. No mesmo ano, o programa ganhou 6 prêmios Roquete Pinto. Em seguida seu programa passou a ser apresentado na TV Tupi e posteriormente na TV Rio. Em 1964, gravou de Luiz Vieira, a composição “Riram tanto”. Em 1966, teve a composição “Do sublime que tu és”, gravada pelo cantor Wanderley Cardoso. No início dos anos 1970, fez sucesso com a “Balada número 7”, feita em homenagem ao ex-jogador de futebol Garrincha. Também foram sucesso em sua voz as composições: “Eu nunca mais vou te esquecer”, “Seu amor ainda é tudo”, com João Mineiro e Marciano, “Small world”, “Pobre Elisa” e “Minhas noites sem ti”, entre outras. Nos anos 1980, ingressou na política e chegou à deputado federal por um partido conservador, o que lhe rendeu algumas restrições por certos setores  da classe artística. Atuou ainda nas Tvs Record, Globo e Bandeirantes. Em 1985, teve a música “Filho de Maria”, gravada pela dupla Chitãozinho e Xororó. A mesma dupla gravou em 1989 a composição “Será que sou eu”. Um ano antes, em 1988, a dupla Peão Carreiro e Zé Paulo gravou “Pergunte a ela”. Em 1996 gravou recitando em 18 fitas cassete todo o Novo Testamento. Em 1998, passou a atuar como diretor de Criação no SBT. No mesmo ano, teve a música “Seu amor ainda é tudo”, gravada pela cantora Roberta Miranda, no CD “Paixão”, lançado pela Polygram. Como compositor teve músicas gravadas por Chitãozinho e Xororó, Nalva Aguiar e João Mineiro e Marciano, entre outros. Nos anos 2000, interpretou o personagem “Jeca Gay”, no programa “A praça é nossa”, apresentado por Carlos Alberto de Nóbrega, no SBT. Em 2002, a dupla mineira Di Paullo & Paulino gravou a sua música “Ainda ontem chorei de saudade”, no álbum “Só Modão – Ao Vivo”. Nove anos depois, a mesma música foi regravada pela cantora e compositora Paula Fernandes, no DVD “Paula Fernandes ao vivo”, lançado pela Universal Music. O álbum ultrapassou a marca de 1 milhão e 200 mil cópias vendidas. Em 2004, teve a sua composição “Tudo vira bosta” gravada por Rita Lee. A música integrou a trilha sonora da novela “Senhora do Destino”, exibida no mesmo ano, pela Rede Globo de Televisão. Em 2009, a dupla Geraldo Viola & Paranaense regravou a sua música “Pergunte a ela”, no CD “Amarrados neste amor”. Em 2011, participou do filme “O palhaço”, dirigido por Salton Mello, interpretanto o personagem delegado Justo. Pela participação, ganhou o prêmio de melhor ator coadjuvante, no festival de Paulínia daquele ano. Em 2012, realizou apresentação especial no programa “Viola, Minha Viola”, apresentado por Inezita Barroso na TV Cultura, em ocasião da celebração do aniversário de 30 anos de carreira do cantor Daniel. Com ele, cantou as músicas “Você não morre mais” e “Dia de visita”, ambas de sua autoria. No mesmo ano, apresentou-se em show no teatro Rival, no Rio de Janeiro (RJ), cantando seus principais sucessos, como “Ainda ontem chorei de saudade”, “Cartas na mesa” e “Seu amor ainda é tudo”. Ainda em 2011, teve novamente a sua música “Pergunte a ela” gravada por uma dupla sertaneja, dessa vez, por João Carreiro e Capataz, no CD “Lado A – Lado B”, lançado pela Radar Records. Em 2013, realizou participação especial no CD “Questão de tempo”, lançado por Sérgio Reis através da Radar Records. No disco, cantou o rasqueado, “Questão de tempo”, de sua autoria, que deu nome ao álbum.

 

 

 

Obra
  • Ainda ontem chorei de saudade
  • Decisão (c/ Rogério Cardoso)
  • Diga que não disse nada
  • Do sublime que tu és (c/ Milton Rodrigues)
  • Filho de Maria
  • Fogos de artifício (c/ Fernando Lona)
  • Gosto de ser como eu sou
  • Leão de Metro (c/ Luiz Fernando)
  • Manhã de chorar (c/ Ted Moreno)
  • Meu querido lindo (c/ Canarinho)
  • Nosso Shangri-la (c/ Myriam Celeste)
  • O flerte
  • O professor (c/ Canarinho)
  • O segredo é nosso (c/ Rogério Cardoso)
  • Olhe aí
  • Por em vão que for
  • Prelúdio da namorada (c/ Daniel Salinas)
  • Questão de tempo
  • Será que sou eu
  • Seu amor ainda é tudo
  • Tanto mar pra que (c/ Nazareno de Brito)
  • Tempo de sonhar (c/ Rogério Cardoso)
  • Tudo vira bosta
  • Única (c/ Jean Miranda)
  • Viva, glória, amor (c/ Jean Miranda)
Discografia
  • (1959) Me dá um dinheiro aí/Compromisso do palhaço • Copacabana • 78
  • (1960) Velho bossa-nova/Bicho da cara preta • Copacabana • 78
  • (1960) Rock do mendigo/Tu és meu grande amor • Copacabana • 78
  • (1961) Mexerico da Candinha/Samba de pé no chão • Copacabana • 78
  • (1961) Alegria de amar/Hey, Mister Cupid • Copacabana • 78
  • (1962) Contrastes • Copacabana
  • (1962) Meu querido lindo/Suave é a noite • Copacabana • 78
  • (1963) Show doçura - Copacabana - LP
  • (1963) Moacyr Franco • Copacabana • LP
  • (1963) Doce amargura/Você onde está? • Copacabana • 78
  • (1963) Tudo de mim/Pobre Elisa • Copacabana • 78
  • (1963) Meu querido lindo/A história não mudou • Copacabana
  • (1963) Pombinha triste/Amei demais • Copacabana • 78
  • (1964) Ternura e alegria - Copacabana - LP
  • (1964) Calmo setembro/Riram tanto • Copacabana • 78
  • (1964) Kata-ai/Canção de quem segue sozinho • Copacabana • 78
  • (1965) As coisas que eu gosto - Copacabana - LP
  • (1965) Me perderás • Copacabana • LP
  • (1966) Eu te darei bem mais - Copacabana - LP
  • (1968) Por amor • Copacabana • LP
  • (1968) Querida • Copacabana • LP
  • (1970) Nosso primeiro amor • Copacabana • LP
  • (1970) Moacyr Franco show • Copacabana • LP
  • (1971) Por amor - Copacabana - LP
  • (1971) Moacyr especial - Copacabana - LP
  • (1973) Moacyr Franco - Copacabana - LP
  • (1974) Moacyr Franco – Continental - LP
  • (1974) Soleado a música do céu - Copacabana - LP
  • (1976) Reencontro - Continental - LP
  • (1977) Morrendo de amor - Continental - LP
  • (1977) Moacyr Franco - Copacabana - LP
  • (1979) Moacyr Franco - Continental - LP
  • (1982) O amor torna tudo novo de novo - Phonodisc/Continental - LP
  • (1986) Uma lágrima no rio - RGE - CD
  • (1987) Moacyr Franco - Disco Ban - LP
  • (1989) Aquelas Antigas - Independente - LP
  • (1989) O Amor Torna Novo Tudo de Novo • LP
  • (1991) A Música da Estrada • LP
  • (1992) Aquelas Antigas • LP
  • (1993) Inteligência é Loucura • LP
  • (1997) O Amor é Verde • CD
  • (1998) Questão de tempo - RGE - CD
  • (2005) Se me deixarem viver • CD
  • (2008) Aquelas Antigas 2 • CD
  • [S/D]) Seleção de ouro • Copacabana • LP
Bibliografia

http://dicionariompb.com.br/

http://www.memoriamusical.com.br/

http://www.mis.rj.gov.br/

http://www.discotecapublica.com.br/

https://acervosmusicais.wordpress.com/

http://acervocompositores.art.br/

http://www.violaobrasileiro.com.br/

http://jornalggn.com.br/blogs/laura-macedo

http://www.otempo.com.br/hotsites/concha

http://musicosdobrasil.com.br/dissertacoes.jsf

ALBIN, Ricardo Cravo. MPB: A História de um século. Rio de Janeiro: Funarte, 1997.

AMARAL, Euclides. Alguns Aspectos da MPB. Rio de Janeiro: Edição do Autor, 2008. 2ª ed. Esteio editora, 2010. 3ª ed. EAS Editora, 2014.

AZEVEDO, M. A . de (NIREZ) et al. Discografia brasileira em 78 rpm. Rio de Janeiro: Funarte, 1982.

CABRAL, Sérgio. No tempo de Ary Barroso. Rio de Janeiro: Lumiar, 1993.

CARDOSO, Sylvio Tullio. Dicionário Biográfico da música Popular. Rio de Janeiro: Edição do autor, 1965.

EFEGÊ, Jota. Figuras e coisas da Música Popular Brasileira. Rio de Janeiro: MEC/Funarte, 1978.

EPAMINONDAS, Antônio. Brasil brasileirinho. Rio de Janeiro: Instituto Nacional do Livro,1982.

História da Música Popular Brasileira. São Paulo: Editora Abril, 1982.

LUNA, Paulo – No compasso da bola. Rio de Janeiro, Irmãos Vitale, 2011.

MARCONDES, Marcos Antônio. (ED). Enciclopédia da Música popular brasileira: erudita, folclórica e popular. 2. ed. São Paulo: Art Editora/Publifolha, 1999.

MARIZ, Vasco. A canção brasileira. Rio de Janeiro: Francisco Alves, 2000.

MORAES, Mário de. Recordações de Ary Barroso. Rio de Janeiro: MEC/FUNARTE,1979.

REPPOLHO. Dicionário Ilustrado de Ritmos & Instrumentos de Percussão. Rio de Janeiro: GJS Editora, 2012. 2ª ed. Idem, 2013.

SEVERIANO, Jairo e MELLO, Zuza Homem de. A canção no tempo. Volume 1. São Paulo: 34, 1997.

TINHORÃO, José Ramos. Música popular – teatro e cinema. Rio de Janeiro: Vozes, 1972.

VASCONCELOS, Ary. Panorama da Música Popular Brasileira. Vol. 2. Rio de Janeiro: Martins, 1965.