Nossos Músicos

Acervo em constante construção.
Noite Ilustrada

Noite Ilustrada

Instrumentista, Cantor, Compositor Natural de Pirapetinga Nasceu em 10 de abril de 1928 Falecido em 28 de julho de 2003 Gênero musical: Música popular brasileira, Samba‎
Biografia

Mário de Souza Marques Filho

Cantor. Compositor. Violonista.

Nascido no interior de Minas Gerais, transferiu-se para o Rio de Janeiro nos anos 1940. Na capital federal, passou dificuldades e chegou a dormir em abrigos para menores. Integrou a Escola de Samba Portela com a qual excursionou para São Paulo onde cabou por radicar-se em 1955. Entre os anos de 1984 e 1994, fixou residência na cidade de Recife em Pernambuco. Faleceu de câncer pulmonar e foi enterrado na cidade paulista de Atibaia, onde havia se radicado nos últimos anos de vida.

Dados Artistícos

Começou sua carreira como violonista em um “show” comandado por Zé Trindade na cidade de Além Paraíba (MG). Na noite de estréia, o comediante esqueceu seu nome na hora da apresentação e, pondo a mão no bolso, encontrou um exemplar da revista “Noite Ilustrada”. Na mesma hora decidiu apresentá-lo: “E agora com vocês a grande revelação…Noite Ilustrada!” O apelido pegou, e até até sua esposa passou a chama-lo dessa maneira. Transferiu-se para o Rio de Janeiro em meados dos anos 1950, ingressando na Escola de Samba Portela, atuando como sambista em “shows” na capital paulista.

Em São Paulo trabalhou nas boates Captain’s e Meninão. Em 1958, foi contratado pela Rádio Nacional e pela TV Paulista. No mesmo ano, estrou em disco, pela gravadora Mocambo, com os sambas “Cara de boboca”, de Jaime Silva e Edmundo Andrade, e “Castiguei”, de Venâncio e Jorge Costa. Ainda no mesmo ano gravou as primeiras composições de sua autoria, o samba “Quem faltava no samba” e a batucada “Sereno”, esta em parceria com Ferreira Maia. Em 1960, ainda pela Mocambo, lançou seu primeiro LP “Cara de boboca” interpretando os sambas “Cara de boboca”, de Jaime Silva e Edmundo Andrade; “Playboy”, de José Henrique; “Diabo de saia”; “Escureceu” e “Danada Cegonha”, as três de Edmundo Andrade; “Cadê Cidinha” e “Ai Lourinha”, de sua autoria; “Compreensão”, com Jeny Santos; “Castiguei”, de Jorge Costa e Venâncio; “Nada me embaraça”, de Rômulo Paes; “É doloroso”, de H. Nogueira, e “Conselho”, de Lupicínio Rodrigues. Em 1962, gravou a marcha “Maria Tereza”, de Donga e Valfrido Silva, e o “Samba em Mangueira”, de sua autoria e Jorge Costa. No mesmo ano, transferiu-se para a Philips e gravou seu primeiro grande sucesso, o samba “Volta por cima”, de Paulo Vanzolini, que se tranformaria num clássico da MPB. Por essa época, atuou na boate Moleque, em São Paulo, onde costumava cantar “Volta por cima” acompanhado em coro pelos assistentes, antes mesmo de gravar a música. Ainda em 1962, gravou seu primeiro LP, “O ilustre”.

Em 1963, gravou “Dedo de luva”, de Humberto Carvalho e Afonso Teixeira, e “Bolas de papel”, de Valdemar Ressurreição. Gravou também os sambas “Volte pra casa”,  de Sérgio Malta,  “Andorinha”, de sua autoria e Antonio Mota, e “Toalha de mesa”, de Carminha Mascarenhas, Dora Lopes e Wilson Chumbo. No mesmo ano, lançou o LP “Noite Ilustrada”, registrando “Pra machucar meu coração”, de Ary Barroso; “Botões de laranjeira”, de Pedro Caetano; “Boneca de pano”, de Ataulfo Alves, e “Louco”, de Henrique de Almeida e Wilson Batista, além do sucesso “Volta por cima”. No ano seguinte lançou o LP “Noite no Rio”, com “A flor e o espinho”, de Nelson Cavaquinho, Guilherme de Brito e Alcides Caminha. Também em 1964, gravou os sambas “Rei dos cabritos”, de Popó, e “Não ataque de índio”, de Alfredo Borba, incluídos no LP “Carnaval – VOL” coletânea carnavalesca da gravadora Philips. Em 1965, fez sucesso com o samba “O neguinho e a senhorita”, do compositor do morro do Salgueiro Noel Rosa de Oliveira, lançado no LP “Caminhando” . Em 1966, lançou o LP “Depois do carnaval”, com a faixa título, de Jorge Costa e Paulo Roberto.

Em 1969, estreou na Continental com o LP “Revivendo o mestre Ataulfo”, no qual registrou composições do compositor Ataulfo Alves, entre as quais “Meus tempos de criança”, “Vida da minha vida”, “Vassalo do samba”, “Fim de comédia”, “Laranja madura” e “Pois é”. Em 1970, lançou com Isaura Garcia o LP “Papo furado”, com destaque para “Meu choro pra você”, de Torquato Neto e Gilberto Gil, “Pra você”, de Sílvio César, “Quem te viu quem te vê”, de Chico Buarque, e “Nega manhosa”, de Herivelto Martins. No mesmo ano, lançou o LP “Samba sem problemas”, que trazia “Barracão”, de Oldemar Magalhães e Luiz Antônio, “Crioulo sambista”, de Sinval Silva e Nelson Trigueiro, “Terra seca”, de Ary Barroso, e “Nervos de aço”, de Lupicínio Rodrigues. Em 1971, gravou o LP “Noite Ilustrada”, no qual se destacou a  “Balada nº 7 – Mané Garrincha”, de Alberto Luís. Em 1972, lançou o LP “Samba é comigo mesmo”, no qual registrou “Preconceito”, de Cartola, “Orgulho e agonia”, de Fernando Mauro e Nelson Cavaquinho, e “Atraso em meu caminho”, de Jair do Cavaquinho e Picolino. No mesmo ano, lançou o LP “Noite Ilustrada interpreta Marques Filho”, cantando composições de sua autoria uma vez que Marques Filho vinha a ser ele mesmo, que utilizava parte de seu sobrenome como autor. Ainda em 1972, participou da coletânea “Carnaval – 73”, da Musicolor/Continental, que contou com a participação de diferentes artistas, entre os quais, Gilberto Alves, Jamelão, Alcides Gerardi e Titulares do Ritmo. Nesse LP, interpretou a “A marcha do cara batuta” e o samba “Agonia”, ambas em parceria com B. de Almeida. Em 1975, transferiu-se para a Tapecar e lançou o LP “Noite Ilustrada” que tinha em destaque “Eu nasci no morro”, de Ary Barroso, “Laurindo”, de Herivelto Martins, “Pra esquecer”, de Noel Rosa, “Cravo vermelho”, de Geraldo Filme, e “Chora viola”, de Paulo Rogério e Adauto Santos. Em 1976, lançou o segundo LP pela Tapecar que incluía, entre outras, “Cadeira de bar”, de sua autoria, “Não posso parar de cantar”, de Zé Pretinho da Bahia, “Sambista apaixonado”, de Gracia e Mano Décio da Viola, e “Copo da saudade”, de Clayton e Dora Lopes. Em 1978, retornou para a Continental e lançou o LP “Não me deixe só” no qual gravou “Atalhos”, de Everaldo Cruz e Nei Lopes, “Mensagem”, de Aldo Cabral e Cícero Nunes, “Abri a porta”, de Jorge Costa, e a música título de sua autoria e Antônio Motta. Em 1979, lançou pela Continetal o LP “À vontade” com as músicas “Chica”, de Raimundo Prates; “Barraquinho”, de João Roberto Kelly; “Velho amigo”, de Armando Nunes e Paulo Gesta; “Estupidez de cupido”, de Nicéas Drumont; “Companheiro de quarto”, de Chico Xavier e Tito Mendes; “Casa antiga”, de Raul Sampaio; “Cabeça fria”, de Luis de França e Armando Nunes; “Eh pau-de-arara”, de Armando Nunes e João de Oliveira; “Crise no morro”, de Armando Nunes e Roberto Medeiros, e “Moldura”, de Gerson Alves, além de “Ressentimento” e “Canto de despedida”, de sua autoria. Em 1981, foi para o selo Cristal da WEA e lançou o LP “O fino do samba” no qual registrou clássicos do samba como “Antonico”, de Ismael Silva, “Prece ao sol”, de Candeira, “A flor e o espinho”, de Alcides Caminha, Guilherme de Brito e Nelson Cavaquinho, “Pedro do Pedregulho”, de Geraldo Pereira, e “Madrugada”, de Zé Kéti. Em 1982, lançou o LP “Profecia”, considerado um clássico do samba no qual interpretou “Juramento”, de Zé Kéti, “Proteção”, de Nelson Cavaquinho, e “Itamaracá”, de sua autoria, uma homenagem ao Recife onde viveu por dez anos. Em 1986, gravou pela Polydisc o LP “Cada vez melhor”, no qual apresentou um pot-pourri com seus grandes sucessos e um outro com composições de Nelson Cavaquinho. Em 1998, lançou pelo selo Camerati o CD “Eu sou o samba”, que trazia “Perfil de um sambista” que o compositor Adauto Santos fez em sua homenagem, “Cadeira de bar”, de sua autoria, “Sorriso antigo”, de Aldecy e Candeia, “Pra machucar meu coração”, de Ary Barroso, e “Aos pés da cruz”, de Zé da Zilda e Marino Pinto. Este CD foi relançado três anos depois pelo selo Trama com o título de “Perfil de um sambista”. Percorreu o Brasil com o show “Eu sou o samba”. Manteve-se em atividade até o fim da vida tendo voltado aos estúdios dois meses antes de falecer. Em 2003, gravou o CD “Noite Ilustrada canta Lupicínio Rodrigues”, pelo selo Atração Fonográfica, lançado após a sua morte, no qual interpretou os sambas canção “Nervos de aço”; “Ela disse-me assim”; “Paciência (Vou brigar com ela)”; “Nunca”; “Vingança”; “Volta” e “Sozinha”, todas apenas de Lupicínio Rodrigues, além de “Meu barraco”, com Leduvy de Pina; “Castigo”; “Quem há de dizer” e “Cadeira Vazia”, com Alcides Gonçalves, e “Se acaso você chegasse” e “Brasa”, com Felisberto Martins. Deixou o CDs inédito: “Noite Ilustrada canta Ataulfo Alves – Ao mestre com carinho”.

 

Obra
  • Agonia - com B. de Almeida
  • Água bebida
  • Andorinha (c/ Antonio Mota)
  • Cadeira de bar
  • Canto de despedida
  • Encontro
  • Itamaracá
  • Não me deixe só (c/ Antônio Motta)
  • Passista regra 3
  • Quem faltava no samba
  • Ressentimento
  • Samba em Mangueira (c/ Jorge Costa)
  • Sereno (c/ Ferreira Maia)
  • Zombou de mim (c/ Jorge Costa)
Discografia
  • (1958) Sereno/Quem faltava no samba • Mocambo • 78
  • (1958) Cara de boboca/Castiguei • Mocambo • 78
  • (1959) É doloroso/Danada cegonha • Mocambo • 78
  • (1960) Cara de boboca • Mocambo • LP
  • (1962) Volta por cima/Lua triste • Philips • 78
  • (1962) Maria Tereza/Samba em Mangueira • Mocambo • 78
  • (1963) Noite Ilustrada • Philips • LP
  • (1963) Pensei que não/Toalha de mesa • Philips • 78
  • (1963) Volte pra casa/Andorinha • Philips • 78
  • (1963) Volta por cima/Sim ou não • Philips • 78
  • (1963) Dedo de luva/Bolas de papel • Philips • 78
  • (1964) Noite no Rio • Philips • LP
  • (1965) Caminhando • Philips • LP
  • (1966) Depois do carnaval • Odeon • LP
  • (1969) Revivendo o mestre Ataulfo • Continental • LP
  • (1969) Noite Ilustrada • Continental • LP
  • (1970) Papo furado • Continental • LP
  • (1970) Samba sem problemas • Continental • LP
  • (1971) Noite Ilustrada • Continental • LP
  • (1972) Samba é comigo mesmo • Continental • LP
  • (1972) Noite Ilustrada interpreta Marques Filho • Continental • LP
  • (1974) Samba sem hora marcada • Continental • LP
  • (1975) Noite Ilustrada • Tapecar • LP
  • (1976) Noite Ilustrada • Tapecar • LP
  • (1978) Não me deixe só • Continental • LP
  • (1979) À Vontade • Continental • LP
  • (1981) O Fino do samba-vol. 2 • Cristal/WEA • LP
  • (1982) A Profecia • Fermata • LP
  • (1986) Cada vez melhor • Polydisc • LP
  • (1997) 20 Super sucessos • Polydisc • CD
  • (1998) Eu sou o samba • Camerati • CD
  • (2001) Perfil de um sambista • Trama • CD
  • (2003) Noite Ilustrada canta Lupicínio Rodrigues • Atração Fonográfica • CD
  • (2003) Noite Ilustrada canta Ataulfo Alves - Ao mestre com carinho • Atração • CD
Bibliografia

http://dicionariompb.com.br/

http://www.memoriamusical.com.br/

http://www.mis.rj.gov.br/

http://www.discotecapublica.com.br/

https://acervosmusicais.wordpress.com/

http://acervocompositores.art.br/

http://www.violaobrasileiro.com.br/

http://jornalggn.com.br/blogs/laura-macedo

http://www.otempo.com.br/hotsites/concha

http://musicosdobrasil.com.br/dissertacoes.jsf

ALBIN, Ricardo Cravo. MPB: A História de um século. Rio de Janeiro: Funarte, 1997.

AMARAL, Euclides. Alguns Aspectos da MPB. Rio de Janeiro: Edição do Autor, 2008. 2ª ed. Esteio editora, 2010. 3ª ed. EAS Editora, 2014.

AZEVEDO, M. A . de (NIREZ) et al. Discografia brasileira em 78 rpm. Rio de Janeiro: Funarte, 1982.

CABRAL, Sérgio. No tempo de Ary Barroso. Rio de Janeiro: Lumiar, 1993.

CARDOSO, Sylvio Tullio. Dicionário Biográfico da música Popular. Rio de Janeiro: Edição do autor, 1965.

EFEGÊ, Jota. Figuras e coisas da Música Popular Brasileira. Rio de Janeiro: MEC/Funarte, 1978.

EPAMINONDAS, Antônio. Brasil brasileirinho. Rio de Janeiro: Instituto Nacional do Livro,1982.

História da Música Popular Brasileira. São Paulo: Editora Abril, 1982.

LUNA, Paulo – No compasso da bola. Rio de Janeiro, Irmãos Vitale, 2011.

MARCONDES, Marcos Antônio. (ED). Enciclopédia da Música popular brasileira: erudita, folclórica e popular. 2. ed. São Paulo: Art Editora/Publifolha, 1999.

MARIZ, Vasco. A canção brasileira. Rio de Janeiro: Francisco Alves, 2000.

MORAES, Mário de. Recordações de Ary Barroso. Rio de Janeiro: MEC/FUNARTE,1979.

REPPOLHO. Dicionário Ilustrado de Ritmos & Instrumentos de Percussão. Rio de Janeiro: GJS Editora, 2012. 2ª ed. Idem, 2013.

SEVERIANO, Jairo e MELLO, Zuza Homem de. A canção no tempo. Volume 1. São Paulo: 34, 1997.

TINHORÃO, José Ramos. Música popular – teatro e cinema. Rio de Janeiro: Vozes, 1972.

VASCONCELOS, Ary. Panorama da Música Popular Brasileira. Vol. 2. Rio de Janeiro: Martins, 1965.