Nossos Músicos

Acervo em constante construção.
Pato Fú

Pato Fú

Instrumentista, Cantor, Compositor Natural de Belo Horizonte Nasceu em Gênero musical: Música popular brasileira, outro
Biografia

ohn Ulhoa

Lulu Camargo

Ricardo Koctus

Xande Tamietti

Fernanda Takai

Dados Artistícos

Banda de rock formada em Belo Horizonte (MG) em 1992 e integrada por Fernanda Takai (25/08/1971 –  voz), John Ulhoa (11/02/1966 – guitarra, violão, teclados e voz), Ricardo Koctus (02/03/1969 – baixo e voz), Lulu Camargo (acordeom e teclados) e Xande Tamietti (22/11/1972 – bateria e percussão).

Fernanda Takai é casada com o guitarrista John (ex-Sexo Explícito).

Em 1993 a banda apresentou-se em várias casas noturnas da capital mineira, tais como Fábrika e Squat. Neste mesmo ano gravou seu primeiro disco, “Rotomusic de liquidificapum”, lançado pelo Selo Cogumelo Records, o mesmo do Sepultura e da banda Sacórfago, ambas de puro heavy metal. Naquela ocasião. Em uma de suas músicas, “O processo de criação vai de 10 até 100 mil” (John), era citado o plano de saúde Unimed, que acabou contratando o grupo para uma campanha publicitária, cujo slogan era “A saúde do rock de Minas vai muito bem, obrigado.” A mesma composição também seria o primeiro videoclip do grupo. Ainda neste disco, constou “Sítio do Pica-pau amarelo” (Gilberto Gil) e outras composições de autoria dos componentes do grupo. No ano de 1994, apresentou-se no Circo Voador, no Rio de Janeiro, ao lado da banda General Junkie. No show, conheceu o fotógrafo e DJ Maurício Valladares que indicou o grupo para BMG Ariola. Ainda no mesmo ano, abriu shows para Lulu Santos e Skank.

Em 1995, lançou seu primeiro CD pelo selo Plug (de Maurício Valladares) para a BMG, “Gol de quem?”, e começou a se apresentar em programas de televisão de alcance nacional, como o Programa Livre, da TVS, Bem Brasil, da TV Cultura, e no Video Show, da Rede Globo. Com esse disco, conseguiu projeção nacional com a execução da faixa “Sobre o tempo” (John). Ainda deste disco, fizeram parte as músicas “Vida imbecil” (John), “Mamãe ama é o meu revólver” (Rubinho Troll) e duas regravações: “A volta do boêmio” (Adelino Moreira) e “Qualquer bobagem” (Tom Zé e os Mutantes), todas, sucessos do grupo. No Rio de Janeiro, fez show no projeto “Humaitá Pra Peixe”, no Espaço Cultural Sérgio Porto. Ainda no mesmo ano, ganhou no 1º MTV Video Music Awards Brasil o prêmio de banda revelação e participou do disco-tributo aos Mutantes, interpretando “Vida de cachorro”. Em 1996, participou do Hollywood  Rock, realizado no estádio do Pacaembu (SP) e na Praça da Apoteose (RJ). Lançou também o seu terceiro disco, “Tem mas acabou”, produzido por André Abujamra, no qual foram incluídos os sucessos “Pinga” (John), “Capetão” (André Abulamra e John) e “Nuvens” (Fernanda Takai).

No ano de 1997, ao lado de vários artistas como João Bosco, Lô Borges, Marina Machado, Maurício Tizumba, Uakti, Sérgio Santos, entre outros, participou do disco “Prato feito”, CD oficial da Campanha Contra a Fome no Brasil, do sociólogo Betinho. No ano seguinte, em 1998, com o disco “Televisão de cachorro”, produzido por Dudu Marote, o grupo se fixaria definitivamente no cenário nacional do pop rock. O CD atingiu a marca de 100.000 cópias vendidas. O disco foi puxado por sucessos como “”Um dia, um ladrão” (John), “Eu sei” (Renato Russo) e “A necrofilia da arte”, de autoria de Gilberto Gil e Rubinho Troel, além da faixa-título, “Televisão de cachorro” (John).

Em 2000, gravou o CD “Isopor”, que com dois meses de lançamento vendeu 160.000 cópias. Saiu em turnê pelo país tocando em várias cidades, inclusive no Rio de Janeiro, onde se apresentou no Garden Hall.

No ano de 2001 o grupo participou do “Rock in Rio III”. Neste mesmo ano, a revista Time elegeu o grupo como um dos melhores no cenário pop internacional (o oitavo). Referindo-se ao disco “Televisão pra cachorro”, o crítico americano Rhett Butler, que montou a lista, ainda incluiu U2 (Irlanda), Anterciopelados (Colombia), Brilliant (Japão), Portisshead (Inglaterra), Tarika (Madagascar), Ziggy Marley and The Melody Makes (Jamaica), Sigur Ros (Islândia) e Orishas (Cuba). Neste mesmo ano de 2001, o grupo lançou o disco “Ruído rosa”, que trouxe os covers “Ando meio desligado” (Arnaldo Baptista, Sérgio Baptista e Rita Lee), sucesso do grupo Mutantes; “Eu” (Frank Jorge, Carlos Pianta, Marcelo Birck e Alexandre Ograndi), clássico da banda Graforréia Xilarmônica que o Pato Fu vestiu uma roupagem heavy metal e “Tolices” (Edgard Scandurra), sucesso do grupo Ira!. Ainda neste disco, o grupo incluiu várias composições próprias.

No ano de 2002 a banda comemorou dez anos de carreira em show no Museu de Arte da Pampulha, em Belo Horizonte. Na ocasião, gravou seu primeiro disco ao vivo “Acústico MTV”. Neste disco, regravou com novos arranjos alguns de seus maiores sucessos “Made in Japan”, “Depois” e “Sobre o tempo” e as inéditas “Me explica”, “Por perto” ,”Não mais” e “Nada pra mim” (anteriormente gravada por Ana Carolina). Ainda em 2002, fez turnê de lançamento por São Paulo, Brasília, Salvador e no Rio de Janeiro, no Canecão.

Em 2003 ganhou o prêmio de “Edição de Clipe” pelo clipe “Não mais” no Video Music Brasil 2003 MTV, apresentando-se ao lado de outros premiados no Palácio do Anhembi, em São Paulo. Neste mesmo ano, ao lado de Capital Inicial, Arnaldo Antunes, Nando Reis, Falamansa & Maskavo, Toni Garrido, Eduardo Dusek, Ira!, Pitty, Raimundos e Matanza, participou do CD “Assim, assado – tributo a Secos & Molhados”, no qual interpretou a faixa “Rondó do capitão”, de autoria de João Ricardo e Manuel Bandeira.

Em 2004 a banda participou da trilha sonora e do seriado “A Terra dos Meninos Pelados”, especial da Rede Globo sobre a obra infantil de Graciliano Ramos.

No ano de 2005 lançou o CD “Toda cura para todo mal”, já contando com o novo integrante, o tecladista Lulu Camargo (ex-Karnak).

No ano de 2007 lançou, pelo Selo Rotomusic, o CD “Daqui pro futuro”, do qual se destacaram as faixas “30.000 pés” (John Ulchoa e Fernanda Takai), “A verdade sobre o tempo”, “A hora da estrela” (John Ulchoa), “Vagalume” (John Ulchoa e Fernanda Takai), “Mamãpapá” (John Ulchoa e Fernanda Takai), “1.000 guilhotinas”, “Nada original”, “Quem não sou”, “Tudo vai ficar bem”, de autoria de John Ulchoa em parceria com a cantora colombiana Andrea Echeverri, do grupo Aterciopelados, que também participou da faixa. No disco foi incluída a regravação de “Cites in dust”, sucesso do grupo inglês Siouxie & The Banshees.

Em 2008 a gravadora Polysom produziu apenas 1000 cópias em vinil do primeiro disco da banda, de 1993, somente para colecionadores.

No ano de 2013 a gravadora Polysom, dentro do projeto “Clássicos em Vinil” fez relançamento, em vinil, do primeiro CD da banda, “Rotomusic de liquidificapum”, lançado em 1993 pelo selo mineiro Cogumelo Records, especializado em bandas de rock e heavy metal como Sepultura e Sarcófago.

Obra
  • Água (John)
  • And now (John)
  • Antes que seja tarde (John, Fernanda Takai e Tarcísio Moura)
  • Boa noite (Ricardo Kóctus)
  • Canção pra você viver mais (John)
  • Capetão (John e André Abujamra)
  • Céreblo (John)
  • Day after day (John, Fernanda Takai, Bertha Egnos e Gail Lakier)
  • Dentro/fora (Ricardo Kóctus)
  • Depôs (John)
  • Deus (John)
  • Dois malucos (John)
  • E o vento levou (John e Fernanda Takai)
  • Eu sou o umbigo do mundo (Ricardo Koctus)
  • Feliz ano novo (Ricardo Kóctus)
  • G.R.E.S (John e Rubinho Troll)
  • Gimme 30 (John)
  • Gol de quem (John e Ricardo Kóctus)
  • Hino nacional do Pato Fu (John)
  • Imperfeito (John)
  • Isopor (John)
  • Lá se vai (John)
  • Licitação (John)
  • Little mother of sky (John)
  • Made in Japan (John e Robinson Moshi)
  • Meu coração é u'a privada (John)
  • Meu pai, meu irmão (John)
  • Minhas férias (John)
  • Morto (John)
  • Ninguém (John)
  • Nós mês (John e Bob Faria)
  • Nuvens (Fernanda Takai)
  • O amor em carne e osso (John)
  • O mundo ainda não está pronto (John e Rubinho Troll)
  • O mundo não mudou (John)
  • O peso das coisas (John)
  • O prato do dia (John)
  • O processo de criação vai de 10 até 100 mil (John)
  • Ok! All righty (John)
  • Onofle (John)
  • Perdendo dentes (John e Fernanda Takai)
  • Pinga (John)
  • Por perto
  • Quase (John)
  • Que fragilidade (John e Rubinho Troll)
  • Rotomusic de liquidificapum (John e Fernanda Takai)
  • Ruído rosa (John)
  • Saudade (Ferannda Takai e Gerson Freire)
  • Sertões (Ricardo Kóctus)
  • Sobre o tempo (John)
  • Sorria, você está sendo filmado (John)
  • Spoc (John)
  • Tchau to indo já fui (Ricardo Kóctus)
  • Televisão de cachorro (John)
  • Tribunal de causas realmente pequenas (John e Fernanda Takai)
  • Um de vocês (John)
  • Um dia, um ladrão (John)
  • Um ponto oito (John)
  • Vida imbecil (John)
  • Vivo num morro (John)
Discografia
  • (1993) Rotomusic de liquidificapum • Cogumelo Records • CD
  • (1995) Gol de quem? • Selo Plug/BMG Ariola • CD
  • (1996) Tem mas acabou • Plug/BMG Ariola • CD
  • (1997) Prato feito • Independente • CD
  • (1998) Televisão de cachorro • Plug/BMG Ariola • CD
  • (2000) Isopor • Plug/BMG Ariola • CD
  • (2001) Ruído Rosa • BMG Brasil • CD
  • (2002) Acústico MTV • BMG • CD
  • (2003) Assim, assado - tributo a Secos & Molhados • Deck Disc • CD
  • (2005) Toda cura para todo mal • Sony/BMG • CD
  • (2007) Daqui pro futuro • Selo Rotomusic • CD
Bibliografia

http://dicionariompb.com.br/

http://www.memoriamusical.com.br/

http://www.mis.rj.gov.br/

http://www.discotecapublica.com.br/

https://acervosmusicais.wordpress.com/

http://acervocompositores.art.br/

http://www.violaobrasileiro.com.br/

http://jornalggn.com.br/blogs/laura-macedo

http://www.otempo.com.br/hotsites/concha

http://musicosdobrasil.com.br/dissertacoes.jsf

ALBIN, Ricardo Cravo. MPB: A História de um século. Rio de Janeiro: Funarte, 1997.

AMARAL, Euclides. Alguns Aspectos da MPB. Rio de Janeiro: Edição do Autor, 2008. 2ª ed. Esteio editora, 2010. 3ª ed. EAS Editora, 2014.

AZEVEDO, M. A . de (NIREZ) et al. Discografia brasileira em 78 rpm. Rio de Janeiro: Funarte, 1982.

CABRAL, Sérgio. No tempo de Ary Barroso. Rio de Janeiro: Lumiar, 1993.

CARDOSO, Sylvio Tullio. Dicionário Biográfico da música Popular. Rio de Janeiro: Edição do autor, 1965.

EFEGÊ, Jota. Figuras e coisas da Música Popular Brasileira. Rio de Janeiro: MEC/Funarte, 1978.

EPAMINONDAS, Antônio. Brasil brasileirinho. Rio de Janeiro: Instituto Nacional do Livro,1982.

História da Música Popular Brasileira. São Paulo: Editora Abril, 1982.

LUNA, Paulo – No compasso da bola. Rio de Janeiro, Irmãos Vitale, 2011.

MARCONDES, Marcos Antônio. (ED). Enciclopédia da Música popular brasileira: erudita, folclórica e popular. 2. ed. São Paulo: Art Editora/Publifolha, 1999.

MARIZ, Vasco. A canção brasileira. Rio de Janeiro: Francisco Alves, 2000.

MORAES, Mário de. Recordações de Ary Barroso. Rio de Janeiro: MEC/FUNARTE,1979.

REPPOLHO. Dicionário Ilustrado de Ritmos & Instrumentos de Percussão. Rio de Janeiro: GJS Editora, 2012. 2ª ed. Idem, 2013.

SEVERIANO, Jairo e MELLO, Zuza Homem de. A canção no tempo. Volume 1. São Paulo: 34, 1997.

TINHORÃO, José Ramos. Música popular – teatro e cinema. Rio de Janeiro: Vozes, 1972.

VASCONCELOS, Ary. Panorama da Música Popular Brasileira. Vol. 2. Rio de Janeiro: Martins, 1965.