Nossos Músicos

Acervo em constante construção.
Paula Santoro

Paula Santoro

Cantor Natural de Belo Horizonte Nasceu em 17 de junho de 1966 Gênero musical: Música popular brasileira
Biografia

Cantora. Dançarina.

Aos 10 anos de idade ganhou de seu avô um violão e começou a estudar música. Dos 12 aos 24 anos, estudou dança (clássico e jazz), passando pelo Centro Artístico de Danças e pelo Núcleo Artístico, aperfeiçoando-se depois com Cristina Helena. Cursou até o quarto ano de Medicina na UFMG, mas, em 1987, decidiu-se pelo curso de Comunicação Social, também na UFMG, onde se formou. Ainda nesse ano, Paula decidiu aprofundar seus conhecimentos musicais, estudando piano, violão e canto na Fundação de Educação Artística Berenice Meneghali.

Dados Artistícos

Trabalhou e gravou, na década de 1980, com o grupo vocal Nós e Voz, em musicais como “Manuel, o audaz”, com roteiro de Fernando Brant, e “Mulheres de Holanda”, sobre o universo musical feminino de Chico Buarque.

Cantou também com o grupo mineiro Sagrado Coração da Terra.

Atuou com Marcus Viana nas produções das novelas e nas turnês de “Pantanal” e “Ana Raio e Zé Trovão”, da Rede Manchete, no início da década de 1990.

Gravou participações nos CDs “Farol da Liberdade” (Sagrado Coração da Terra), “Hum” (Nós e Voz), “25 anos de travessia” (Fernando Brant), “Arredores” (Nivaldo Ornellas), “Elas cantam Caetano”, “Aquarela do Brasil” e “Novo canto”.

Em 1996, gravou seu primeiro CD, “Santo”, lançado pela Paradoxx.

Dois anos depois, transferiu-se para o Rio de Janeiro, onde se apresentou em diversos shows. Ainda em 1998, participou do Brahma Brasil Festival, em Sanary-Sur-Mer (França), ao lado de Fernanda Abreu, Paralamas do Sucesso, Gilberto Gil e Skank.

Atuou, em 1999, ao lado de Lucinha Lins e Cláudio Lins no musical “Aldir Blanc, um cara bacana”.

Participou do Projeto Novo Canto, interpretando a canção inédita “Guerreiro” (Chico César). O compositor atuou em sua apresentação como convidado especial. Foi selecionada para integrar o grupo de oito artistas que se apresentaram no show de encerramento do projeto, no Canecão (RJ), do qual participaram a Orquestra Sem Batuta, Elza Soares, Lobão, Os Cariocas e Pedro Luis e a Parede. Gravou a faixa “Talibã” (Totonho Villeroy), no CD “Novo Canto”.

Em 2000, foi convidada por Marcus Viana, diretor musical da minissérie “Aquarela do Brasil”, produzida pela TV Globo, para fazer o teste de seleção para a voz da personagem Isa, interpretada por Maria Fernanda Cândido. Acompanhou a atriz em todo o processo de gravação e participou de uma faixa do CD “Aquarela do Brasil”, interpretando a canção “La enorme soledad”, com letra inédita de Maysa e música de Marcus Viana. A canção foi oferecida à cantora pelo filho de Maysa, o diretor de tele-dramaturgia Jayme Monjardim.

Lançou, em 2005, o CD “Paula Santoro”, contendo as canções “Se você disser que sim” (Moacir Santos e Vinicius de Moraes), “Sem fantasia” (Chico Buarque), “Segue em paz” (Milton Nascimento e Toninho Horta), “Nós dois” (Vicente Paiva e Fernando Martins), “Não é céu” (Vitor Ramil), “Léo” (Milton Nascimento e Chico Buarque), “Rainha do meu samba” (Seu Jorge e Robertinho Brant), “É sério” (Djavan e Fátima Guedes), “Como se a vida fosse música” (Nelson Angelo e Murilo Antunes), “Céu no cio” (Eduardo Neves e Mauro Aguiar), “Perfume de cebola” (Filó Machado e Cacaso) e “Yemanjá Rainha” (Moacyr Luz e Aldir Blanc). O disco contou com a participação de Chico Buarque, na faixa “Sem fantasia”, e de Toninho Horta, na faixa “Segue em paz”.

Discografia
  • (1996) Santo • Paradoxx • CD
  • (2005) Paula Santoro • Biscoito Fino • CD
Bibliografia

http://dicionariompb.com.br/

http://www.memoriamusical.com.br/

http://www.mis.rj.gov.br/

http://www.discotecapublica.com.br/

https://acervosmusicais.wordpress.com/

http://acervocompositores.art.br/

http://www.violaobrasileiro.com.br/

http://jornalggn.com.br/blogs/laura-macedo

http://www.otempo.com.br/hotsites/concha

http://musicosdobrasil.com.br/dissertacoes.jsf

ALBIN, Ricardo Cravo. MPB: A História de um século. Rio de Janeiro: Funarte, 1997.

AMARAL, Euclides. Alguns Aspectos da MPB. Rio de Janeiro: Edição do Autor, 2008. 2ª ed. Esteio editora, 2010. 3ª ed. EAS Editora, 2014.

AZEVEDO, M. A . de (NIREZ) et al. Discografia brasileira em 78 rpm. Rio de Janeiro: Funarte, 1982.

CABRAL, Sérgio. No tempo de Ary Barroso. Rio de Janeiro: Lumiar, 1993.

CARDOSO, Sylvio Tullio. Dicionário Biográfico da música Popular. Rio de Janeiro: Edição do autor, 1965.

EFEGÊ, Jota. Figuras e coisas da Música Popular Brasileira. Rio de Janeiro: MEC/Funarte, 1978.

EPAMINONDAS, Antônio. Brasil brasileirinho. Rio de Janeiro: Instituto Nacional do Livro,1982.

História da Música Popular Brasileira. São Paulo: Editora Abril, 1982.

LUNA, Paulo – No compasso da bola. Rio de Janeiro, Irmãos Vitale, 2011.

MARCONDES, Marcos Antônio. (ED). Enciclopédia da Música popular brasileira: erudita, folclórica e popular. 2. ed. São Paulo: Art Editora/Publifolha, 1999.

MARIZ, Vasco. A canção brasileira. Rio de Janeiro: Francisco Alves, 2000.

MORAES, Mário de. Recordações de Ary Barroso. Rio de Janeiro: MEC/FUNARTE,1979.

REPPOLHO. Dicionário Ilustrado de Ritmos & Instrumentos de Percussão. Rio de Janeiro: GJS Editora, 2012. 2ª ed. Idem, 2013.

SEVERIANO, Jairo e MELLO, Zuza Homem de. A canção no tempo. Volume 1. São Paulo: 34, 1997.

TINHORÃO, José Ramos. Música popular – teatro e cinema. Rio de Janeiro: Vozes, 1972.

VASCONCELOS, Ary. Panorama da Música Popular Brasileira. Vol. 2. Rio de Janeiro: Martins, 1965.