Nossos Músicos

Acervo em constante construção.
Renato Andrade

Renato Andrade

Instrumentista, Cantor, Compositor Natural de Abaeté Nasceu em 30 de dezembro de 1932 Falecido em 30 de dezembro de 2005 Gênero musical: Música popular brasileira, outro
Biografia

Renato Rodrigues

Desde muito cedo, dedicou-se à musica, indo para Belo Horizonte , estudar violino com o mestre Flausino Rodrigues Vale. Mais tarde, de volta à sua cidade natal, ao entrar em contato mais atento com a viola caipira, tornou-se fascinado pela sua sonoridade. Deixando o violino de lado, passou a se dedicar integralmente à viola, desenvolvendo apurada técnica e tornando-se um virtuose do instrumento. Sendo excelente intérprete de compositores eruditos, ficou conhecido como o instrumentista que levou a viola para a sala de concertos.

Dados Artistícos

Foi para o Rio de Janeiro na década de 1970, iniciando a carreira artística já com 36 anos de idade quando musicou e participou como codjuvante do filme “Corpo fechado”, de Schubert Magalhães. Apresentou-se interpretando concertos de Edino Krieger, Guerra-Peixe e Francisco Mignone. Em 1977, lançou seu primeiro disco solo “A fantástica viola de Renato Andrade”, no qual interpretou, de sua autoria, as obras “Seriema no campo”, “Prelúdio da inhuma”, “Literatura do cordel”, “Sagarana”, “Bailado catrumano”, “Sinhá e o diabo”, “Relógio da fazenda”, “Viola e suas variações”, “Folia de Reis”, “O jeca na estrada”, “Mutirão”, “Casamento na roça”, “Amor caipira”, e “Corpo fechado”. Sua técnica dominava diferentes afinações da viola caipira, como o cebolão (a mais comum), a rio abaixo e a de guitarra. Apresentou-se em shows em todo o Brasil e também realizou diversas turnês em outros países. Em 1979, lançou o LP “Viola de Queluz”, que assim como o primeiro disco, também saiu pela Chantecler. Nesse LP, interpretou “Viola de cego”, “Ballet na roça”, “O capangueiro”, “Viola de Queluz”, “Moto perpétuo caipira”, ” Urupês”, “Senhores da terra”, e “Raízes ibéricas”, todas de sua autoria, além de “Veredas mortas”, com Tupy, e as clássicas “Tristezas do jeca”, de Angelino de Oliveira, e “Luar do sertão”, de Catullo da Paixão Cearense. São diversos os projetos culturais e musicais de que participou, como o “Instrumental no CCBB”, que foi registrado em CD e outros, pelo SESC, como o “Violeiros do Brasil”, em que se apresentou em diversas cidades brasileiras, ao lado de Roberto Corrêa, Almir Sater, Braz da Viola, entre outros. Em 1984, lançou pelo selo Bemol o LP “O violeiro e o grande sertão: A viola que vi e ouvi” no qual interpretou 13 composições de sua autoria: “Fogueiras”, “Cabaré do João Baixinho”, “Sinhô violeiro”, “Canto da inhuma”, “Quatragem”, “Idéias de matuto”, “Tutameia”, “Noite de São João”, “Terno de dançantes”, “O demônio e a donzela”, “Grande sertão”, “O lenhador”, e “Juquinha meu cumpadre”, além de “A viola e sua origem”, de domínio público. Em 1987, de volta a Chantecler lançou o LP “A magia da viola”, no qual interpretou as obras “Reizados e congadas”, “Viola de beira de fogo”, “Sarapalha”, “Meu abraço a Portugal”, “Brincando com os harmônicos”, “Ponteado caipira”, “Sertões”, “Retirada da inhuma”, “Viola bem temperada”, “Sapateado”, e “O vôo da perdiz”, todas de sua autoria, além de “Raízes fronteiriças”, parceria com Tupy. Em 1993, gravou ao vivo, no CCBB, com Roberto Correia, o disco “Instrumental no CCBB” no qual foram interpretadas obras suas como “Meu abraço a Portugal”, “Folias de rei”, “Mariazinha foi-se embora”, “Viola bruja”, “Lembrando Tião Carreiro”, “Batata doce”, “Zabaleta no sertão”, “Mãos independentes”, e “Amor cigano”, de sua autoria com Arlindo Pinto, além de obras de Roberto Corrêa como “Peleja de siriema com cobra”, “Jararaca chateadeira”, “Baião do pé rachado”, “Antiqüera”, “Mazurca pantaneira”, e “Araponga isprivitada”, e também clássicos da música sertaneja como “Chalana”, de Mário Zan, “Saudade de Matão”, de A. Silva, J. Galati e Raul Torres, e “Pagode em Brasília”, de Teddy Vieira e Lourival dos Santos, além de “Luar do sertão”, de Catullo da Paixão Cearense, “Prenda minha”, de domínio público, “Asa branca”, de Luiz Gonzaga e Humberto Teixeira, e “Trenzinho do caipira”, de Villa Lobos. Participou do CD “Violeiros do Brasil, com a faixa “O canto da siriema”, de sua autoria. O disco foi gravado ao vivo no Teatro do Sesc Pompéia, entre agosto e setembro de 1997 e lançado em junho de 1998, pelo SESC-Núcleo Contemporâneo. Em outubro de 2004, o CD foi relançado. A edição apresenta importantes artistas da viola caipira das várias regiões do Brasil, entre os quais, Almir Sater, Zé Gomes, Renato Andrade, Roberto Corrêa, Paulo Freire, Ivan Vilela, Pereira da Viola, Josias Dos Santos, Angelino de Oliveira, Renato Andrade, Tavinho Moura, Heitor Villa-lobos, Zé Mulato e Cassiano e Zé Coco do Riachão. O projeto foi idealizado pela produtora Myriam Taubkin e a gravação do disco foi sugerida pelo músico e produtor Benjamim Taubkin. Em 1999, lançou aquele que seria seu penúltimo disco solo, o CD “A viola e minha gente” no qual interpretou de sua autoria as canções “Renato e o Satanás”, “Ponta porã”, “Mané pelado”, “Música do coronel”, “Cabras e caatingas”, “Capiau “Beira-Córgo”, “Rojão da Pracidina”, “Açores”, “Inhuma do sertão”, “Casebre”, “Violinha de bambu”, “Sentado no pilão”, “Dia de reis”, “Bordel de povoado”, “Minha gente”, e “Viola para meditação”, além de “Cerrados”, parceria com João José da Silva. Em 2002, lançou seu último disco solo, “Enfia a viola no saco”. Participou em 2004, da coletânea “Os bambas da viola”, lançada pela Kuarup, que reuniu num CD 6 renomados violeiros, para representar a viola das regiões do Brasil, além dele, o CD traz Roberto Corrêa, Almir Sater, Helena Meirelles, Haroldo do Monte e Chico Lobo. Nesse disco, interporetou tocando viola com João José da Silva ao violão as músicas “Música do coronel” e “Ponta Porã”, e tocando viola com Roberto Dimatus ao violão, a composição “Os ciganos”, de sua autoria. Ainda no final de 2004, participou do projeto Violas do Brasil, apresentando-se no Teatro II do CCBB, em alternância com outros quatro mestres do instrumento: Pena Branca, Chico Lobo, Almir Sater e Roberto Corrêa. Foi professor de nomes como Milton Nascimento, Fafá de Belém e Flávio Venturini. Uma de suas últimas apresentações foi nos shows de encerramento da eliminatória do Prêmio Syngenta de Música em Belo Horizonte. Considerado como “O Guimarães Rosa da viola”, faleceu de câncer no pulmão aos 73 anos de idade deixando uma vasta e admirada obra.

 

Obra
  • • Açores
  • • Amor caipira
  • • Amor cigano (c/ Arlindo Pinto)
  • • Bailado catrumano
  • • Ballet na roça
  • • Batata doce
  • • Bordel de povoado
  • • Brincando com os harmônicos
  • • Cabaré do João Baixinho
  • • Cabras e caatingas
  • • Canto da inhuma
  • • Capiau "Beira-Córgo"
  • • Casamento na roça
  • • Casebre
  • • Cerrados (c/ João José da Silva)
  • • Corpo fechado
  • • Dia de reis
  • • Fogueiras
  • • Folia de Reis
  • • Grande sertão
  • • Idéias de matuto
  • • Inhuma do sertão
  • • Juquinha meu cumpadre
  • • Lembrando Tião Carreiro
  • • Literatura do cordel
  • • Mané pelado
  • • Mãos independentes
  • • Mariazinha foi-se embora
  • • Meu abraço a Portugal
  • • Minha gente
  • • Moto perpétuo caipira
  • • Música do coronel
  • • Mutirão
  • • Noite de São João
  • • O capangueiro
  • • O demônio e a donzela
  • • O jeca na estrada
  • • O lenhador
  • • O vôo da perdiz
  • • Os ciganos
  • • Paineiras
  • • Ponta Porã
  • • Ponteado caipira
  • • Prelúdio da inhuma
  • • Quatragem
  • • Raízes fronteiriças (c/ Tupi)
  • • Raízes ibéricas
  • • Reizados e congadas
  • • Relógio da fazenda
  • • Renato e o Satanás
  • • Retirada da inhuma
  • • Rojão da Pracidina
  • • Sagarana
  • • Sapateado
  • • Sarapalh
  • • Senhores da terra
  • • Sentado no pilão
  • • Seriema no campo
  • • Sertões
  • • Sinhá e o diabo
  • • Sinhô violeiro
  • • Terno de dançantes
  • • Tutameia
  • • Urupês
  • • Veredas mortas (c/ Tupy)
  • • Viola bem temperada
  • • Viola bruja
  • • Viola de beira de fogo
  • • Viola de cego
  • • Viola de Queluz
  • • Viola e suas variações
  • • Viola para meditação
  • • Violinha de bambu
  • • Zabaleta no sertão
Discografia
  • • (1977) A Fantástica viola de Renato Andrade • Chantecler • LP
  • • (1979) Viola de Queluz • Chantecler • LP
  • • (1984) O Violeiro e o Grande Sertão • Bemol • LP
  • • (1987) A magia da viola • Chantecler • LP
  • • (1993) Instrumental no CCBB- Renato Andrade e Roberto Corrêa • Tom Brasil • CD
  • • (1998) Violeiros do Brasil • SESC-Núcleo Contemprâneo • CD
  • • (1999) A viola e a minha gente • Lapa Discos • CD
  • • (2002) Enfia a viola no saco • CD
  • • (2004) Os Bambas da Viola • Kuarup • CD
  • • (2004) Violeiros do Brasil • CD
Bibliografia

http://dicionariompb.com.br/

http://www.memoriamusical.com.br/

http://www.mis.rj.gov.br/

http://www.discotecapublica.com.br/

https://acervosmusicais.wordpress.com/

http://acervocompositores.art.br/

http://www.violaobrasileiro.com.br/

http://jornalggn.com.br/blogs/laura-macedo

http://www.otempo.com.br/hotsites/concha

http://musicosdobrasil.com.br/dissertacoes.jsf

ALBIN, Ricardo Cravo. MPB: A História de um século. Rio de Janeiro: Funarte, 1997.

AMARAL, Euclides. Alguns Aspectos da MPB. Rio de Janeiro: Edição do Autor, 2008. 2ª ed. Esteio editora, 2010. 3ª ed. EAS Editora, 2014.

AZEVEDO, M. A . de (NIREZ) et al. Discografia brasileira em 78 rpm. Rio de Janeiro: Funarte, 1982.

CABRAL, Sérgio. No tempo de Ary Barroso. Rio de Janeiro: Lumiar, 1993.

CARDOSO, Sylvio Tullio. Dicionário Biográfico da música Popular. Rio de Janeiro: Edição do autor, 1965.

EFEGÊ, Jota. Figuras e coisas da Música Popular Brasileira. Rio de Janeiro: MEC/Funarte, 1978.

EPAMINONDAS, Antônio. Brasil brasileirinho. Rio de Janeiro: Instituto Nacional do Livro,1982.

História da Música Popular Brasileira. São Paulo: Editora Abril, 1982.

LUNA, Paulo – No compasso da bola. Rio de Janeiro, Irmãos Vitale, 2011.

MARCONDES, Marcos Antônio. (ED). Enciclopédia da Música popular brasileira: erudita, folclórica e popular. 2. ed. São Paulo: Art Editora/Publifolha, 1999.

MARIZ, Vasco. A canção brasileira. Rio de Janeiro: Francisco Alves, 2000.

MORAES, Mário de. Recordações de Ary Barroso. Rio de Janeiro: MEC/FUNARTE,1979.

REPPOLHO. Dicionário Ilustrado de Ritmos & Instrumentos de Percussão. Rio de Janeiro: GJS Editora, 2012. 2ª ed. Idem, 2013.

SEVERIANO, Jairo e MELLO, Zuza Homem de. A canção no tempo. Volume 1. São Paulo: 34, 1997.

TINHORÃO, José Ramos. Música popular – teatro e cinema. Rio de Janeiro: Vozes, 1972.

VASCONCELOS, Ary. Panorama da Música Popular Brasileira. Vol. 2. Rio de Janeiro: Martins, 1965.