Nossos Músicos

Acervo em constante construção.
Sebastião Cirino

Sebastião Cirino

Instrumentista, Compositor, Regente Natural de Juiz de Fora Nasceu em 20 de janeiro de 1902 Falecido em 16 de julho de 1968 Gênero musical: Música popular brasileira, Samba‎, outro
Biografia

Maestro. Instrumentista (Violonista e Pistonista).Compositor. Em 1913, ainda menino, veio para o Rio de Janeiro para trabalhar em uma casa de família. Acabou abandonado e para sobreviver, trabalhou como vendedor de jornais e engraxate. Dormia nas ruas e na obra do prédio da Biblioteca Nacional. Foi preso por vadiagem e recolhido à Colônia Penal Dois Rios, da Ilha Grande. Na colônia, aprendeu a tocar pistom e passou a tocar trompete na banda dos presidiários. Entrou para o Exército, indo servir no 56º Batalhão de Caçadores na Praia Vermelha. Transferindo-se para a Bahia com o 56º Batalhão. Em 1920, deu baixa como músico de 3ª classe e empregou-se como trompetista no Cine Guanabara, em Botafogo. Por suas contas, foi preso mais de 15 vezes por vadiagem e quase se atirou dos Arcos da Lapa em desespero por falta de emprego.

Dados Artistícos

Em 1921, Compôs com Pedro Pereira Paulo a música “Ao nascer o astro rei”, que deu ao Bloco Carnavalesco Caprichosos da Estopa o título de campeão de harmonia em um concurso carnavalesco promovido pelo Jornal do Brasil. Em 1923, Donga, que havia se desligado do “Os Oito Batutas”, o convidou para participar como pistonista do conjunto “Os Oito Cotubas”, que fez a sua estréia no Cabaré Fênix. Como esse grupo não durou muito, passou a integrar o conjunto “Brazilian Jazz”, organizado por J. Tomás, que estreou no Cinema Central, atuando também em vários teatros da Praça Tiradentes. Em 1925, teve sua primeira composição gravada, o maxixe “Seu Floreste, você vai”, pela Orquestra Brasil-América, pela Odeon.

Em 1926, compôs a música para o espetáculo “Tudo preto”, apresentado pela Companhia Negra de Revistas no Teatro Rialto. A Companhia Negra, pioneira na formação de um grupo teatral composto apenas por negros, fez enorme sucesso, e a música que mais se destacou foi o maxixe “Cristo nasceu na Bahia”, composto por ele em parceria com Duque e apresentado na revista pela vedete Dalva Espíndola, irmã da também vedete Aracy Cortes. No mesmo ano, a composição foi gravada por Artur Castro e coro e também pela American Jazz Band Sílvio de Souza, ambas na Odeon. Este maxixe foi o grande sucesso do carnaval do ano seguinte e seu maior sucesso como compositor. Ainda em 1926, teve gravado por Artur Castro na Odeo o maxixe “Eu fui viajar”, parceria com Duque. Ainda no mesmo ano, foi convidado por Carlos Blassifera, o Carlitos, bateirinta paulista, que estava organizando um conjunto, que levou o nome de Carlito’s Jazz-band, para acompanhar a Companhia Ba ta clan, de Madame Rassimi em excursão ao nordeste do Brasil e à Europa. Viajou com o conjunto e a companhia para a Europa sem avisar a mulher que ficou com um filha recém nascida. Estreou no Teatro Sá da Bandeira, em Lisboa, Portugal no espetáculo “C’est Paris”. Ainda em Lisboa, apresentou-se com a Carlito’s Jazz-band, em clubres locais e no Palácio de Cristal, na Exposição Industrial Portuguesa. O Carlito’s Jazz-band desligou-se da Companhia Ba ta clan e seguiu para Paris, onde atuou no Cabaré Palermo e no Café Anglais. Permaneceu em Paris, após deixar a Carlito’s Jazz-band, aperfeiçoando-se como violininista e chegando a fazer recitais com números franceses e brasileiros, além de trechos eruditos. Ainda na França, fez composições em parceria com músicos franceses, como “Tra-la-lá”, que recebeu versos de Hélene Orbechi e foi chamada de “macumba brésilienne”. Na França, recebeu do governo francês a Cruz de Honra de Cavalheiro de Educação Cívica por exibições gratuitas em espetáculos beneficentes, além de ser admitido como membro da sociedade arrecadadora de direitos autorais Generale Internacionale de L’Édition Phonographique et Cinematographique de Paris.

Retornou ao Brasil em dezembro de 1939, após 14 anos na Europa, fugindo da Segunda Guerra Mundial. Com o auxílio do amigo Alberto Simioens, o Bororó, conseguiu realizar apresentações em casas de espetáculos e num delas, conheceu a princesa Maria Thereza d’Orleans e Bragança, de quem foi professor de violão. Reencontrou sua filha, que tinha deixado com 14 dias já com a idade de 15 anos e referiu-se à esposa – “É uma Santa!”, pelas dificuldades que passou com a sua ausência. Montou uma orquestra só de negros com a qual se apresentou nos Cabarés Assírio e Atlântico.

Em 1945, teve o samba “Nunca mais”, parceria com Nelson Lucena, gravado por Ataulfo Alves e suas Pastortas, gravação na qual aparece fazendo um longo solo de pistom. Em 1947, teve o samba “Audiência ao prefeito”, parceria com J. Portela gravado na Victor por Ataulfo Alves e Suas Pastoras e a rumba “Ana Martin”, com Ruy Rey gravada na Continental por Ruy Rey. Com o fim dos cassinos, voltou a fazer arranjos e a escrever música e orquestrações. No início dos anos 1950, montou nova orquestra com a qual acompanhou em 1951 na Todamérica a gravação dos sambas “Humilhação” e “Oceano de pranto”, de Armando Braga e Amauri Silva, feita pelo cantor Ericsson Martha. Nesse ano, Altamiro Carrilho e seu regional gravou na Star seu choro “Sem compromisso”, e Ericsson Martha registrou na Todamérica o samba “Rosa maliciosa”, com Rogério Nascimento.

Em junho de 1954, participou do espetáculo “A Noite da Velha Guarda”, realizado no Hotel Glória, no Rio de Janeiro tocando outra vez ao lado de Pixinguinha, Alfredo do Flautim e João da Baiana. Em 1955, voltou a partcicipar do espetáculo “Noite da Velha Guarda”, realizado no Largo da Concórdia em São Paulo. Em 1957, o samba “Indecisão”, com Paulo Gesta foi gravado na RGE pelo cantor Raul Moreno. Em 1959, teve o samba canção “Três amores”, parceria com Célio Batista, gravado por Jamelão na Continental. No mesmo ano, e também plea Continental, teve o samba “Não creias”, com Bruno Gomes gravado pela cantora Dinorah. Dona Júlia, sua mulher, morou durante algum tempo no Conjunto dos Músicos, em Inhaúma, subúrbio do Rio de Janeiro. Em um de seus sambas dizia: “Tenho três amores na vida, música, mulher e bebida”.

Morreu de câncer no pulmão, em 1968. Nos anos 1970, a cantora Eliana Pittman regravou com sucesso o maxixe “Cristo nasceu na Bahia”, no elepê “Pra Sempre”.

Obra
  • • Ana Martin (c/ Ruy Rey)
  • • Ao nascer o astro rei (c/ Pedro Pereira Paulo)
  • • Audiência ao prefeito (c/ J. Portela)
  • • Cristo nasceu na Bahia (c/ Duque)
  • • Dias tristonhos
  • • Eu fui viajar (c/ Duque)
  • • Não creias (c/ Bruno Gomes)
  • • Nossa homenagem ao samba (c/ Gelio Baptista)
  • • Rosa maliciosa (c/ Rogério Nascimento)
  • • Sem compromisso
  • • Seu Floreste, você vai
  • • Três amores (c/ Célio Batista)
Bibliografia

http://dicionariompb.com.br/

http://www.memoriamusical.com.br/

http://www.mis.rj.gov.br/

http://www.discotecapublica.com.br/

https://acervosmusicais.wordpress.com/

http://acervocompositores.art.br/

http://www.violaobrasileiro.com.br/

http://jornalggn.com.br/blogs/laura-macedo

http://www.otempo.com.br/hotsites/concha

http://musicosdobrasil.com.br/dissertacoes.jsf

ALBIN, Ricardo Cravo. MPB: A História de um século. Rio de Janeiro: Funarte, 1997.

AMARAL, Euclides. Alguns Aspectos da MPB. Rio de Janeiro: Edição do Autor, 2008. 2ª ed. Esteio editora, 2010. 3ª ed. EAS Editora, 2014.

AZEVEDO, M. A . de (NIREZ) et al. Discografia brasileira em 78 rpm. Rio de Janeiro: Funarte, 1982.

CABRAL, Sérgio. No tempo de Ary Barroso. Rio de Janeiro: Lumiar, 1993.

CARDOSO, Sylvio Tullio. Dicionário Biográfico da música Popular. Rio de Janeiro: Edição do autor, 1965.

EFEGÊ, Jota. Figuras e coisas da Música Popular Brasileira. Rio de Janeiro: MEC/Funarte, 1978.

EPAMINONDAS, Antônio. Brasil brasileirinho. Rio de Janeiro: Instituto Nacional do Livro,1982.

História da Música Popular Brasileira. São Paulo: Editora Abril, 1982.

LUNA, Paulo – No compasso da bola. Rio de Janeiro, Irmãos Vitale, 2011.

MARCONDES, Marcos Antônio. (ED). Enciclopédia da Música popular brasileira: erudita, folclórica e popular. 2. ed. São Paulo: Art Editora/Publifolha, 1999.

MARIZ, Vasco. A canção brasileira. Rio de Janeiro: Francisco Alves, 2000.

MORAES, Mário de. Recordações de Ary Barroso. Rio de Janeiro: MEC/FUNARTE,1979.

REPPOLHO. Dicionário Ilustrado de Ritmos & Instrumentos de Percussão. Rio de Janeiro: GJS Editora, 2012. 2ª ed. Idem, 2013.

SEVERIANO, Jairo e MELLO, Zuza Homem de. A canção no tempo. Volume 1. São Paulo: 34, 1997.

TINHORÃO, José Ramos. Música popular – teatro e cinema. Rio de Janeiro: Vozes, 1972.

VASCONCELOS, Ary. Panorama da Música Popular Brasileira. Vol. 2. Rio de Janeiro: Martins, 1965.