Nossos Músicos

Acervo em constante construção.
Sepultura

Sepultura

Cantor, Compositor Natural de Belo Horizonte Nasceu em Gênero musical: Rock
Biografia

Banda de rock formada por Max Cavalera (voz e guitarra),  Paulo Jr.(baixo), Igor Cavalera (bateria) e Jairo T (guitarra) em Belo Horizonte (MG), em 1984

Dados Artistícos

A banda teve outras duas formações ao longo dos anos seguinte. Com a saída Jairo T, ingressou o guitarrista Andreas Kisser. Anos depois, Max Cavalera foi substituído por Derrick Green (voz e guitarra).

Em 1985, junto com a banda Overdose, também de Belo Horizonte, lançou, por seu selo independente, o primeiro disco, “Bestial devastation”, cuja faixa-título é de autoria de Max Cavalera e Tormentor.

Em 1986, pelo selo Cogumelo Records, gravou o LP “Morbid vision”, no qual, além da faixa-título, foram incluídas composições que marcariam a carreira da banda, “Antichrist” (Max Cavalera e Wagner) e, ainda, “Necromancer”, “The curse” e Warriors of death”, parcerias de Max Cavalera e Tormentor.

No ano de 1988, com a entrada do guitarrista Andreas Kisser, a banda lançou o disco “Schizophrenia”, com o qual o grupo se projetou internacionalmente.

Em 1989, contratada pela gravadora americana Roadruner Records, lançou, somente para o mercado  externo, o LP “Beneath the remains”, disco totalmente gravado no Brasil e com o qual  a banda conquistou elogios da crítica especializada, fazendo com que se tornasse mais conhecida nos Estados Unidos, no Brasil e no mundo. Composições como “Beneath the remains”, “Lobotomy”, “Slave of pain”, “Sarcastic existence”, “Mass hypnosis” e “Inner self”, todas de autoria de Max Cavalera, Andreas Kesser e Sepultura, fizeram com que o grupo de thrash metal se afirmasse, definitivamente, no mercado mundial de rock.

Em 1991 gravou o CD “Arise”, do qual se destacaram as faixas “Murder”, “Infected voice”, “Altered state” e “subtraction”, todas de autoria de Max Cavalera, Andreas Kisser e Sepultura.

No ano de 1993 lançou “Chaos A D”. No CD incluíram “Refuse/resist” (Max Cavalera e Sepultura), “Territory” (Andreas Kisser e Sepultura), “Biotech is Godzilla” (Jello Biafra e Sepultura) e “Slave new world” (Evan Scinfeld, Max Cavalera e Sepultura) e, ainda, “Polícia”, de autoria do Titã Toni Belloto, entre outras, ganhando o primeiro disco de ouro, nos Estados Unidos, e alcançando a marca de 500 mil cópias vendidas, só naquele país.

Em 1996 a banda voltou ao Brasil com a finalidade de pesquisar e gravar sons e ritmos das tribos indígenas da Amazônia, trabalho este que resultou no CD “Roots”, lançado neste mesmo ano e considerado o melhor disco do grupo, chegando a vender 350 mil cópias nos Estados Unidos. Neste trabalho, uniu heavy metal com ritmos e sons brasileiros. A banda fez turnê pela Inglaterra e se apresentou, em dezembro de 1996, no Brixton Academy, de Londres. Na ocasião, a gravadora registou em áudio  as 28 músicas. Este foi o último disco com a participação do vocalista Max Cavalera. Neste mesmo ano, o vocalista e guitarrista resolveu afastar-se do grupo. Apesar dos contratempos causados pela saída do líder, a banda não se desfez e Max Cavalera foi substituído pelo vocalista americano Derrick Green. Max Cavalera fundou a banda de heavy metal Soulfly. Ainda neste ano de 1996, foi lançada, no mercado mundial, a coletânea “Refuse/resist’, pela gravadora  Roadruner Records. No ano seguinte, foi lançado o disco compilação de sucessos “Blood-rooted (B – sides)”, que trouxe, além de outras: “Ratamahatta” (Carlinhos Brown e Sepultura); “War” (Carleton Barret e Colin Eric Allen); “Mine” (Mike Patton e Sepultura); “Dusted” (Sepultura) e “Roots bloody roots”. No ano posterior, em 1998, com o disco “Against” (o primeiro com o vocalista americano Derrick Green), a banda fez vários shows de lançamentos na Europa e Estados Unidos. O disco trouxe novas parcerias de integrantes da banda: “Hatred aside” (Derrick Green, Andreas Kisser, Paulo Jr, Igor Cavalera e Jason Newsted); “Drowned out” (Derrick Green, Andreas Kisser e Igor Cavalera); “Reza” (João Gordo, Andreas Kisser e Igor Cavalera); “Common bonds” (Andreas Kisser, Paulo Jr. E Igor Cavalera); “Against”; “Choke”; “Rumors” e “Boycott”, estas últimas parcerias de Andreas Kisser e Igor Cavalera, que estreou como letrista.

Em 2000 a banda apresentou-se para 150 mil pessoas, no “Rock in Rio III”. Na ocasião, foram acusados de não serem solidários com outras bandas brasileiras que se uniram e resolveram boicotar o festival. Os integrantes do Sepultura, em entrevistas posteriores, declararam: “A produção atendeu a todos os nossos pedidos. Não é o lance de abraçar uma causa por todo mundo. Cada um responde por si. Não temos motivos para dar uma de bonzinhos só para nos juntar aos outros”. Neste mesmo ano, Silvio Gomes e André Barcinski publicaram, pela Editora 34, a biografia “Sepultura – Toda História”.

No ano de 2001 a banda lançou o CD “Nation”, segundo disco gravado no Brasil, nos estúdios AR, no Rio de Janeiro, e primeiro disco conceitual do grupo, pois todas as letras se referem a um único tema: “O disco inteiro fala de uma nação utópica, um mundo sem fronteiras ou armas, onde há entendimento religioso e cultural. Todos que se  envolveram com o disco tinham a idéia de criar essa nação”, disse o guitarrista Andreas Kisser. Destaque para as faixas “”Tribe to a nation” (Derrick Green, Andreas Kisser e Igor Cavalera), com uma intervenção reggae do músico Dr. Israel do grupo Brooklyn Dub-reggae; da música “Valtio” (Andreas Kisser e Eicca Toppinnen), com a participação do quarteto de cordas filandês Appocalyptica, especializado em transpor o heavy metal  para a música clássica. O CD ainda contou com  participação de Jello Biafra, vocalista do grupo Dead Kennedy, na faixa “Politriccks” (Derrick Green, Jello Biafra, Andreas Kisser e Igor Cavalera). Ainda no disco “Nation”, inclusões eletrônicas na mixagem da música “On man army” (Derrick Green, Andreas Kisser e Igor Cavalera) e, também, as composições: “Sepulnation”, “Border wars”, “The ways of faith” e “Uma cura”, todas parcerias de Derrick Gree, Andreas Kisser e Igor Cavalera, entre outras. Com capa inspirada no pintor Kandinsky, da vanguarda russa da primeira metade do século XX, o CD alcançou  uma boa vendagem no mercado mundial e, principalmente, no Brasil, chegando ao Disco de Ouro. Ainda no ano de 2001, a banda rompeu com a gravadora Roadruner Records, sendo um dos motivos – declarado por Andreas Kisser –  a relação da gravadora com Max Cavalera e seu grupo Soulfly, iniciada em 1996. Com carreira internacional, o grupo apresentou-se regularmente em vários países da Europa, América do Sul e Estados Unidos, sempre cantando em inglês.

Igor Cavalera, um de seus integrantes, fez a trilha sonora, juntamente com André Moraes (da banda Infierno), do filme “No coração dos deuses”. O grupo já vendeu 15 milhões de cópias de seus 11 discos, por todo o mundo.

Em 2002 a antiga gravadora da banda, Roadruner Records, lançou (sem a permissão da banda) o disco “Under a pale grey sky”, no qual foram usadas gravações do show ocorrido no dia 16 de dezembro de 1996, no Brixton Academy, em Londres (‘Polícia’, ‘Kaiowas’ e ‘Territory’, entre outras), quando a banda ainda fazia parte do cast da gravadora e Max Cavallera ainda era o vocalista. A antiga gravadora também lançou, para o mercado mundial, o DVD “Chaos”, com show, clipes e entrevistas da banda, este também, sem o consentimento dos músicos. Ainda em 2002, a banda lançou, pelo selo independente FNM (com distribuição da Universal Music), o CD “RevoluSongs”. O disco trouxe regravações e covers de músicas de bandas de rock pesado, tais como de trash metal como Exodus, passando por versões de músicas do U2 (‘Bullet the blue sky’) e, ainda, covers da banda de trip-hop Massive Atraack (‘Angel’) e do grupo Public Enemy; “Black steel in the hour of chaos”, esta, com a participação especial do rapper paulista Sabotage.

Em 2003 “Bullet the blue sky” (sucesso do grupo U2), regravada pelo quarteto no disco “Revolusongs”, foi indicada para várias categorias do “Video Music Brasil 2003” (principal premiação de videoclipes no Brasil), da MTV. Neste mesmo ano, o grupo apresentou-se no Canecão, no Rio de Janeiro, na ocasião, lançando o disco “Revolusongs”. Ao lado das bandas de rock Deep Purple e Hellacopters, fez turnê por Porto Alegre, Belo Horizonte e São Paulo. Na ocasião, lançou no Brasil 10º disco de carreira: “Roorback”, já lançado na Europa. A capinha que envolveu a caixa do CD foi feita com papel reciclado, de acordo com o projeto “Usina da Reciprocidade”, realizado pelo grupo em parceria com a FNM e Usina de Reciclagem de Papel de Santo André. O projeto recrutou adolescentes carentes de 12 a 18 anos, que processaram manualmente as capinhas do disco. No ano de 2004 foi o vencedor do “Prêmio Tim 2004” na categoria especial “Língua Estrangeira” com o disco “Roorback”.

No ano de 2006 lançou o primeiro DVD  “Sepultura – Live in São Paulo”, registrando o espetáculo  na casa de show Olympia, na qual recebeu diversos convidados, entre os quais Jairo Tormentor (primeiro guitarrista do grupo) em “Necromancer” e “Troops of doom”, João Gordo em “Reza” e “Biotesh is Godzila; B Negão e DJ Zé Gonzales rm “Black steel in the hour of chaos”, Alex Camargo (do grupo Krisiun) em “Necromancer” e ainda com a abertura do cineasta e ator Zé do Caixão e suas Caixonetes. O DVD, além de 21 músicas da carreira da banda, trouxe ainda um  mini-documentário com direção e filmagem do vocalista Derrick Green, e ainda três clipes da banda gravados em turnê pela Alemanha. Neste mesmo ano de 2006 a banda lançou o CD “Dante 21”, disco conceitual baseado e inspirado no livro “A Divina Comédia”, do italiano Dante Alighieri. O CD, lançado na Europa e nos Estdos Unidos, foi o último trabalho do baterista Igor Cavalera que deixou o grupo, sendo substituído primeiramente pelo baterista americano Roy Mayorga e posteriormente pelo baterista mineiro Jean Dolabela.

Em 2011 lançou o CD “Kairos”, produzido por Roy-Z, com as faixas “Spectrum”, “Kairos”, “Relentless”, “2011”, “Just One Fix “, “Dialog”,  “Mask”, “1433”, “Seethe”, “Born Strong”, “Embrace the Storm”, “5772”, “No One Will Stand”, “Structure Violence”,”Firestarter” e “Point Of No Return”. A gravação do CD pode ser acompanhada ao vivo pela TV Trama, demonstrando, segundo os componentes, faz parte do documentário sobre a banda finalizado em 2011. No disco a banda contou com a participação especial do grupo de percussão Tambours du Bronx, integrado por 20 músicos tocando grandes galões de óleo e alguns pads eletrônicos. Neste mesmo ano o grupo foi uma das principais atrações do “Rock In Rio”, tendo como participação especial o grupo de percussionistas do grupo francês Tambours du Bronx. Ainda em 2011 a banda foi uma das atrações do “Rock In Rio IV”, apresentando-se com grande sucesso de público e crítica no Palco Sunset, tendo como convidado especial da noite o grupo francês de percussão Tambours du Bronx.

No ano de 2013 a banda foi uma das principais atrações do evento “Rock In Rio”, no qual fez apresentações no Palco Sunset, dividindo-o com o paraibano Zé Ramalho, e ainda no Palco Mundo, em show em parceira com a banda francesa Tambours du Bronx. Neste mesmo ano de 2013 a banda lançou um novo CD de inéditas intitulado “The mediador between head and hands…”, no qual contou com o mais novo integrante, o baterista Eloy Casagrande.

 

Obra
  • Against (Andreas Kisser e Igor Cavalera)
  • Altered state (Max Cavalera, Andreas Kisser e Sepultura)
  • Amen (Max Cavalera e Sepultura)
  • Antichrist (Max Cavalera e Wagner)
  • Beneath the remains (Max Cavalera, Andreas Kisser e Sepultura)
  • Bestial devastation (Max Cavalera e Tormentor)
  • Biotech is Godzilla (Jell Biafra e Sepultura)
  • Border wars (Derrick Green, Andreas Kisser e Igor Cavalera)
  • Boycott (Andreas Kisser e Igor Cavalera)
  • Chãos B. C (Sepultura)
  • Choke (Andreas Kisser e Igor Cavalera)
  • Clenched fist (Max Cavalera e Sepultura)
  • Common bonds (Paulo Jr., Andreas Kisser e Igor Cavalera)
  • Desesperat cry (Sepultura)
  • Don't bother me (Sepultura)
  • Drowned out (Derrick Green, Andreas Kisser e Igor Cavalera)
  • Dusted (Sepultura)
  • Escape to the void (Sepultura)
  • Floaters in mud (Derrick Green, Andreas Kisser e Igor Cavalera)
  • Gene maqchine (Sepultura)
  • Hatred aside (Derrick Green, Paulo Jr., Jason Newsted, Andreas Kisser e Igor Cavalera)
  • Human cause (Andreas Kisser e Igor Cavalera)
  • Hungry (Max Cavalera, Andreas Kisser e Sepultura)
  • Infected voice (Max Cavalera, Andreas Kisser e Sepultura)
  • Inner self (Sepultura)
  • Inner self (Max Cavalera, Andreas Kisser e Sepultura)
  • Intro (Sepultura)
  • Kaiowas (Sepultura)
  • Kaiwas (Max Cavalera e Sepultura)
  • Kamaitachi (Andreas Kisser e Igor Cavalera)
  • Lobotomy (Max Cavalera, Andreas Kisser e Sepultura)
  • Lookaway (DJ Lethal, Jonathan Davis e Sepultura)
  • Manisfest (Max Cavalera e Sepultura)
  • Mass hypnois (Max Cavalera, Andreas Kisser e Sepultura)
  • Meaningless movements (Max Cavalera, Andreas Kisser e Sepultura)
  • Mine (Mike Patton e Sepultura)
  • Murder (Max Cavalera, Andreas Kisser e Sepultura)
  • Necromancer (Max Cavalera e Tormentor)
  • Normand (Andreas Kisser e Sepultura)
  • Old earth (Derrick Green, Paulo Jr., Andreas Kisser e Igor Cavalera)
  • One man army (Derrick Green, Andreas Kisser e Igor Cavalera)
  • Politricks
  • Prenúncio (Sepultura)
  • Primitive future (Max Cavalera, Andreas Kisser e Sepultura)
  • Propaganda (Max Cavalera e Sepultura)
  • Ratamahatta (Carlinhos Brown e Sepultura)
  • Refuse/resist (Max Cavalera e Sepultura)
  • Rejet (Derrick Green, Andreas Kisser e Igor Cavalera)
  • Revolt (Andreas Kisser e Igor Cavalera)
  • Revolt (demo) (Andreas Kisser e Igor Cavalera)
  • Reza (João Gordo, Andreas Kisser e Igor Cavalera)
  • Roots bloody roots (Sepultura)
  • Roots bloody roots (livre) (Max Cavalera, Paulo Jr, Andreas Kisser e Igor Cavalera)
  • Rumors (Andreas Kisser e Igor Cavalera)
  • Saga (Andreas Kisser e Igor Cavalera)
  • Sarcastic existence (Max Cavalera, Andreas Kisser e Sepultura)
  • Sepulnation (Derrick Green, Andreas Kisser e Igor Cavalera)
  • Slave new worls (Evan Seinfeld, Max Cavalera e Sepultura)
  • Slaves of pain (Max Cavalera, Andreas Kisser e Sepultura)
  • Stronger than hate (Kelly Shaefer e Sepultura)
  • Subtracion (Max Cavalera, Andreas Kisser e Sepultura)
  • T3rcermillennium (Paulo Jr., Andreas Kisser e Igor Cavalera)
  • Territory (Andreas Kisser e Sepultura)
  • The curse (Max Cavalera e Tormentor)
  • The ways of faith (Derrick Green, Andreas Kisser e Igor Cavalera)
  • Tribe to a nation (Derrick Green, Andreas Kisser e Igor Cavalera)
  • Tribus (Andreas Kisser e Igor Cavalera)
  • Uma cura (Derrick Green, Andreas Kisser e Igor Cavalera)
  • Unconscious (Andreas Kisser e Igor Cavalera)
  • Under siege (regnum irae) (Max Cavalera, Andreas Kisser e Sepultura)
  • Valtio (Andreas Kisser e Eicca Toppinnen)
  • Vox populis (Andreas Kisser e Igor Cavalera)
  • Warriors of death (Max Cavalera e Tormentor)
  • Water (Derrick Green e Andreas Kisser)
  • We who are noi as others (Max Cavalera e Sepultura)
  • Who must die? (Derrick Green, Andreas Kisser e Igor Cavalera)
Discografia
  • (1985) Bestial devastation. (Sepultura e Overdose) • Independente • LP
  • (1986) Morbid visions • Cogumelo Records • LP
  • (1988) Schizophrenia • Cogumelo Records • LP
  • (1989) Beneath the remains • Roadruner Records • LP
  • (1991) Arise • Roadruner Records • CD
  • (1993) Chaos A. D. • Roadruner Records • CD
  • (1996) Refse/resist • Roadruner Records • CD
  • (1996) Roots • Roadruner Records • CD
  • (1997) Blood-rooted (B-sides) • Roadruner Records • CD
  • (1998) Against • Roadruner Records • CD
  • (2001) Nation • Sun Records/Roadruner Records • CD
  • (2002) Revolusongs (Ao vivo) • Selo FNM/Universal Music • CD
  • (2002) Under a pale grey sky • Roadruner Records • CD
  • (2003) Roorback • Selo FNM/Universal Music • CD
  • (2006) Dante XXI • CD
  • (2006) Sepultura - Live in São Paulo • DVD
  • (2013) The mediador between head and hands... • CD
Bibliografia

http://dicionariompb.com.br/

http://www.memoriamusical.com.br/

http://www.mis.rj.gov.br/

http://www.discotecapublica.com.br/

https://acervosmusicais.wordpress.com/

http://acervocompositores.art.br/

http://www.violaobrasileiro.com.br/

http://jornalggn.com.br/blogs/laura-macedo

http://www.otempo.com.br/hotsites/concha

http://musicosdobrasil.com.br/dissertacoes.jsf

ALBIN, Ricardo Cravo. MPB: A História de um século. Rio de Janeiro: Funarte, 1997.

AMARAL, Euclides. Alguns Aspectos da MPB. Rio de Janeiro: Edição do Autor, 2008. 2ª ed. Esteio editora, 2010. 3ª ed. EAS Editora, 2014.

AZEVEDO, M. A . de (NIREZ) et al. Discografia brasileira em 78 rpm. Rio de Janeiro: Funarte, 1982.

CABRAL, Sérgio. No tempo de Ary Barroso. Rio de Janeiro: Lumiar, 1993.

CARDOSO, Sylvio Tullio. Dicionário Biográfico da música Popular. Rio de Janeiro: Edição do autor, 1965.

EFEGÊ, Jota. Figuras e coisas da Música Popular Brasileira. Rio de Janeiro: MEC/Funarte, 1978.

EPAMINONDAS, Antônio. Brasil brasileirinho. Rio de Janeiro: Instituto Nacional do Livro,1982.

História da Música Popular Brasileira. São Paulo: Editora Abril, 1982.

LUNA, Paulo – No compasso da bola. Rio de Janeiro, Irmãos Vitale, 2011.

MARCONDES, Marcos Antônio. (ED). Enciclopédia da Música popular brasileira: erudita, folclórica e popular. 2. ed. São Paulo: Art Editora/Publifolha, 1999.

MARIZ, Vasco. A canção brasileira. Rio de Janeiro: Francisco Alves, 2000.

MORAES, Mário de. Recordações de Ary Barroso. Rio de Janeiro: MEC/FUNARTE,1979.

REPPOLHO. Dicionário Ilustrado de Ritmos & Instrumentos de Percussão. Rio de Janeiro: GJS Editora, 2012. 2ª ed. Idem, 2013.

SEVERIANO, Jairo e MELLO, Zuza Homem de. A canção no tempo. Volume 1. São Paulo: 34, 1997.

TINHORÃO, José Ramos. Música popular – teatro e cinema. Rio de Janeiro: Vozes, 1972.

VASCONCELOS, Ary. Panorama da Música Popular Brasileira. Vol. 2. Rio de Janeiro: Martins, 1965.