Nossos Músicos

Acervo em constante construção.
Skank

Skank

Instrumentista, Cantor, Compositor Natural de Belo Horizonte Nasceu em Gênero musical: Música popular brasileira, Rock, outro
Biografia

Grupo pop formado em 1991 por Samuel Rosa (voz e guitarra), Henrique Portugal (teclados), Lelo Zanetti (baixo) e Haroldo Feretti (bateria) em Belo Horizonte

Dados Artistícos

Iniciou a carreira apresentando-se em bares e festas realizadas em sítios nos arredores da cidade. Ao contrário do que se afirma, o nome “skank” se refere a um ritmo derivado do reggae jamaicano, e não ao “skunk”, que em inglês significa gambá ou um tipo de maconha com altos teores de tetra-hidro-canabiol, agente ativo da planta.

Em 1992, com as economias que juntou dos shows, o grupo gravou um CD independente, com prensagem de 3.000 cópias. Algumas delas foram enviadas para profissionais da mídia, como Carlos Eduardo Miranda e Otávio Rodrigues, ex-diretor da revista Bizz, que acabaram ajudando o grupo. No mesmo ano, a banda foi contratada pelo selo Sony, que relançou o disco e o distribuiu nacionalmente. O CD vendeu 150 mil cópias, uma bela marca para um CD de estreia, tendo boa divulgação as músicas “Indignação” e “Tanto” (versão de Chico Amaral para  “I want you”, de Bob Dylan). Porém, foi em 1994 que o grupo iria fazer sucesso com a versão de “É proibido fumar”, sucesso de Roberto Carlos, regravada no CD “Tributo ao rei”, lançado pela Epic e produzido por Roberto Frejat, do Barão Vermelho. A versão tornou-se sucesso em todo o país e foi incorporada ao disco seguinte do grupo, “Calango”, lançado em novembro do mesmo ano. O título do disco é uma referência a um ritmo típico mineiro, no qual duas pessoas dançam numa espécie de duelo. O CD vendeu mais de um milhão de cópias. O terceiro disco do grupo, “Samba poconé”, consolidou o grupo como um dos mais importantes do pop-rock nacional, vendendo mais de um milhão e meio de cópias. O disco contou com a participação especial de Manu Chao, ex-vocalista do grupo francês Mano Negra. O maior sucesso foi “Garota nacional”, de autoria do próprio grupo, que se tornou no vídeo clipe mais exibido na MTV em 1996. No ano seguinte, o grupo saiu em excursão pela América Latina e Europa, apresentando-se em países como Chile, Argentina, Espanha Itália Suíça, Portugal, Alemanha e França. De volta ao Brasil, em 1998, lançou o disco “Siderado”, que já saiu da gravadora com 500 mil cópias vendidas. Ao contrário dos discos anteriores, esse não contou com a produção de Dudu Marote, mas de John Shaw, do conjunto inglês UB40 e de Paul Ralphes.

Em 2000, gravou o CD “Maquinamara”, cuja novidade foi a exclusão do naipe de metais e maior presença da guitarra de Samuel Rosa, dando uma característica mais rock and roll ao grupo, que sempre foi mais ligado às tendências do reggae. O disco foi produzido por Chico Neves e Tom Capone e alcançou o disco de platina com 250 mil cópias vendidas. Nos dias 7 e 8 de julho de 2001, o grupo fez um show em praça pública na cidade de Ouro Preto, reunindo cerca de 60 mil pessoas. No espetáculo foi gravado um DVD e um CD ao vivo lançado neste mesmo ano. No disco, a banda apresentou vários sucessos de carreira: “Garota nacional”; “Pacato cidadão”; “Te ver”; “Tão seu”; “Resposta”; “Saideira”; “Jackie Tequila”; “Três lados”; “Balada do amor inabalável” e a inédita “Acima do sol”. Ainda neste disco foi incluída “Estare prendido em tus dedos”, música do grupo The Police, gravada pelo Skank num tributo ao grupo de Sting e nunca antes incluída em um disco de carreira do grupo mineiro. No DVD foram incluídas oito músicas que ficaram fora do disco: “Amolação”; “Fica”; “Indignação”; “Mandrake e os cubanos”; “Rebelião”; “A cerca”; “Ela desapareceu” e “Siderado”. Neste mesmo ano, a banda fez o lançamento do disco no Canecão, no Rio de Janeiro.

Em 2003, o grupo, ao lado de Lulu Santos, Natiruts, Tribo de Jah, Cidade Negra, L.S. Jack, Jota Quest, O Rappa e Titãs, foi uma das atrações do “Pop Festival Telefônica Tim” apresentado na Sociedade Hípica do Rio de Janeiro. O grupo viajou para a Dinamarca, sendo uma das principais atrações do “Roskilde Festival”. Lançou o CD “Cosmotron”, no qual foram incluídas “Supernova” (Samuel Rosa e Fausto Fawcett), “Os ofendidos”, “As noites”, “Amores imperfeitos”, “Vou deixar”, “É tarde” e “Um segundo”, todas parcerias de Samuel Rosa e Chico Amaral; “Por um triz” e “Formato mínimo”, ambas de Samuel Rosa e Rodrigo Leão, entre outras. Neste mesmo ano ganhou o prêmio de “Clipe pop” do “Video Music Brasil 2003 MTV”, apresentando-se ao lado de outros premiados no Palácio do Anhembi, em São Paulo.

No ano de 2004 foi o vencedor do “11° Prêmio Multishow de Música” nas categorias “Melhor Show” e  “Melhor Música” com a composição “vou deixar”, de Samuel Rosa e Chico Amaral. Nesse mesmo ano lançou, pelo selo SonyBMG, o CD “Radiola”, que incluiu as regravações de “Vamos fugir” (Gilberto Gil) e “I want you” (Bob Dylan) e as inéditas “Um mais um” (Samuel Rosa e Rodrigo F. Leão) e “Onde estão?” (Samuel Rosa e Nando Reis).

Em 2005 a mesma composição alcançou o oitavo lugar, de acordo com o ECAD (Escritório Central de Arrecadação e Distribuição de Direito Autoral), como uma das músicas mais executadas nos primeiros meses do ano. Neste mesmo ano no “12º Prêmio Multishow de Música Brasileira” ganhou o prêmio como “Melhor Música” pela gravação de “Vamos fugir”, de Liminha e Gilberto Gil. No ano de 2006, pela gravadora Sony & BMG, lançou o CD “Carrossel”. No disco, com aranjos de cordas e sopros de Artur Andrés, foram incluídas 15 composições inéditas de integrantes do grupo, entre as quais “Notícia” (Samuel Rosa e Humberto Effe), “Trancoso” (Samuel Rosa e Arnaldo Antunes), “O som da sua voz” (Samuel Rosa e Chico Amaral), “Cara nua ” (Samuel Rosa e Humbeto Effe) e “Eu e a felicidade”, de autoria de Samuel Rosa e Nando Reis.

Foi a primeira banda brasileira a ter um disco lançado em formato digital. O fabricante de telefones celulares Sony Ericsson lançou um aparelho com o álbum “Carrossel” (2006) completo e o clipe de “Uma canção é pra isso” (Samuel Rosa). No ano seguinte, recebeu o prêmio “Celular de Ouro”, reconhecido pela ABPD (Associação Brasileira dos Produtores de Discos) pela vendagem de 6.000 unidades do produto.

Em 2007 o grupo participou do projeto “Estúdio Coca-Cola”, da MTV Brasil em parceria com a Coca-Cola, que promoveu encontros de vários artistas e bandas lançados em CDs, no qual gravou um disco ao lado da banda Nação Zumbi.

No ano de 2008 o grupo lançou o CD “Estandarte”, que contou com 12 faixas inéditas, dentre as quais “Pára-raio” (Samuel Rosa e Nando Reis), “Ainda gosto dela” (Samuel Rosa e Nando Reis), “Chão” (Samuel Rosa e Chico Amaral), “Canção áspera” (Samuel Rosa e Chico Amaral), “Noites de um verão qualquer” (Samuel Rosa e César Maurício), “Escravo” (Samuel Rosa e Chico Amaral), “Notícias do submundo” (Samuel Rosa e Chico Amaral), “Sutilmente” (Samuel Rosa e Nando Reis), “Um gesto qualquer” (Samuel Rosa e Chico Amaral), “Assim sem fim” (Samuel Rosa e César Maurício), “Saturação” (Samuel Rosa e Chico Amaral), “Renascença” (Samuel Rosa e Nando Reis). Produzido por Dudu Marote, o disco contou com a participação de Negra Li em “Ainda gosto dela” e dos metais da banda Funk Como Le Gusta. Gravou a canção “Beleza Pura” (Caetano Veloso), para ser a música de abertura da telenovela com o mesmo nome, da Rede Globo.

Lançou em 2010 o CD/DVD “Multishow Ao Vivo Skank no Mineirão”, gravado no Mineirão em Belo Horizonte. O disco contou com três faixas inéditas: “De repente” (Samuel Rosa e Nando Reis), “Presença” (Samuel Rosa e Nando Reis ) e “Fotos na estante” (Samuel Rosa e Rodrigo Leão).

Em 2011 foi uma das atrações do Palco Mundo, na 4ª edição do festival “Rock in Rio”, apresentando-se no mesmo palco por onde passaram, no mesmo dia, o cantor Frejat, a banda mexicana Maná e a banda britânica Coldplay.

Em 2012 se apresentou no primeiro “Rio Verão Festival”, realizado no Estádio do Engenhão, no Rio de Janeiro, do qual participaram artistas como Zeca pagodinho, os Paralamas do Sucesso, Daniela Mercury, Marcelo D2, entre outros. Nesse mesmo ano a gravadora Sony Music lançou coletânea “Skank 91”, que contou com as primeiras gravações da banda feitas no ano de 1991. Ao todo, a coletânea contou com dez registros feitos em estúdio e seis registros ao vivo do primeiro show da banda realizado em São Paulo no projeto “Disco Reggae Night”, na casa Aeronauta. Dentre as faixas, incluem-se “Amanhã” (Samuel Rosa), “Eterna resposta” (Samuel Rosa), “Telefone” (Júlio Barroso), “Raça” (Milton  Nascimento e  Fernando Brant), “Eu me perdi” (Samuel Rosa), entre outras. Nesse mesmo ano lançou o CD/ DVD “Skank ao Vivo – Rock in Rio”, registro do show que realizou no festival “Rock in Rio”, que contou com participação de Negra Li, em “Ainda gosto dela” (Samuel Rosa e Nando Reis).

Em 2014 lançou o CD de inéditas “Velocia”, com 11 faixas da autoria de Samuel Rosa com antigos parceiros como Chico Amaral e Nando Reis além de novos parceiros como Emicida, Lucas Silveira, a cantora e compositora paulista Lia Paris, que participou da faixa “Aniversário”, parceria dos dois.

Em 2016 lançou o EP  “Do mesmo jeito – Remixes”, com quatro remixes da música homônima, composta por Samuel Rosa e Lucas Silveira.

 

 

Obra
  • A cerca (Samuel Rosa e Chico Amaral)
  • A noite (Samuel Rosa e Chico Amaral)
  • A tela (Samuel Rosa)
  • A última guerra (Samuel Rosa, Lô Borges e Rodrigo Leão)
  • Acima do sol (Samuel Rosa e Chico Amaral)
  • Água e fogo (Samuel Rosa, Chico Amaral e Edgard Scandurra)
  • Ainda gosto dela (Samuel Rosa e Nando Reis)
  • Alexia (Samuel Rosa e Nando Reis)
  • Ali (Samuel Rosa e Nando Reis)
  • Amanhã (Samuel Rosa)
  • Amolação (Samuel Rosa e Chico Amaral)
  • Amores imperfeitos (Samuel Rosa e Chico Amaral)
  • Aniversário (Samuel Rosa e Lia Paris)
  • As noites (Samuel Rosa e Chico Amaral)
  • Assim sem fim (Samuel Rosa e César Maurício)
  • Baixada news (Samuel Rosa e Chico Amaral)
  • Balada do amor inabalável (Samuel Rosa e Fausto Fawcett)
  • Caju dub (Samuel Rosa e Fernando Furtado)
  • Calipsoê (Samuel Rosa e Chico Amaral)
  • Canção áspera (Samuel Rosa e Chico Amaral)
  • Canção Noturna (Lelo Zanetti e Chico Amaral)
  • Chão (Samuel Rosa e Chico Amaral)
  • Chega disso! (Samuel Rosa e Chico Amaral)
  • De repente (Samuel Rosa e Nando Reis)
  • Do Ben (Samuel Rosa e Marcelo Yuka)
  • Do mesmo jeito (Samuel Rosa e Lucas Silveira)
  • Dois rios (Samuel Rosa, Nado Reis e Lô Borges)
  • Don Blás (Samuel Rosa e Chico Amaral)
  • É tarde (Samuel Rosa e Chico Amaral)
  • É uma partida de futebol (Samuel Rosa e Nando Reis)
  • Ela desapareceu (Samuel Rosa e Chico Amaral)
  • Ela me deixou (Samuel Rosa e Nando Reis)
  • Escravo (Samuel Rosa e Chico Amaral)
  • Esmola (Samuel Rosa e Chico Amaral)
  • Esquecimento (Samuel Rosa e Nando Reis)
  • Estivador (Samuel Rosa e Chico Amaral)
  • Eterna espera (Samuel Rosa)
  • Eu disse a ela (Samuel Rosa e Chico Amaral)
  • Eu e a felicidade (Samuel Rosa e Nando Reis)
  • Eu me perdi (Samuel Rosa)
  • Fica (Samuel Rosa e Chico Amaral)
  • Formato mínimo (Samuel Rosa e Rodrigo Leão)
  • Galápagos (Samuel Rosa e Nando Reis)
  • Garota nacional (Samuel Rosa e Chico Amaral)
  • Gentil loucura (Chico Amaral e Affonso Júnior)
  • Homem que sabia demais (Samuel Rosa e Tavinho Paes)
  • In(dig)Nação (Samuel Rosa e Chico Amaral)
  • Jackie tequila (Samuel Rosa e Chico Amaral)
  • Los pretos (Samuel Rosa e Chico Amaral)
  • Macaco prego (Samuel Rosa e Chico Amaral)
  • Mandrake e os cubanos (Samuel Rosa e Chico Amaral)
  • Maquinarama (Samuel Rosa e Chico Amaral)
  • Marginal Tietê (Samuel Rosa e Chico Amaral)
  • Mil acasos (Samuel Rosa e Chico Amaral)
  • Muçulmano (Samuel Rosa e Rodrigo Leão)
  • Multidão (Samuel Rosa e Nando Reis)
  • No meio do mar (Samuel Rosa e Chico Amaral)
  • Noites de um verão qualquer (Samuel Rosa e César Maurício)
  • Nômade (Samuel Rosa e Chico Amaral)
  • Notícias do submundo (Samuel Rosa e Nando Reis)
  • O beijo e a reza (Samuel Rosa e Chico Amaral)
  • O homem que sabia demais (Tavinho Paes, Samuel Rosa e Fernando Furtado)
  • Onde estão? (Samuel Rosa e Nando Reis)
  • Os exilados (Samuel Rosa e Chico Amaral)
  • Os homens das cavernas (Samuel Rosa e Chico Amaral)
  • Os ofendidos (Samuel Rosa e Chico Amaral)
  • Pacato cidadão (Samuel Rosa e Chico Amaral)
  • Pára-raio (Samuel Rosa e Nando Reis)
  • Pegadas na lua (Samuel Rosa e Humberto Effe)
  • Périplo (Samuel Rosa e Nando Reis)
  • Por um triz (Samuel Rosa e Rodrigo Leão)
  • Preto Damião (Samuel Rosa e Chico Amaral)
  • Rebelião (Samuel Rosa e Chico Amaral)
  • Renascença (Samuel Rosa e Nando Reis)
  • Resposta (Samuel Rosa e Nando Reis)
  • Resta um pouco mais (Chico Amaral e Lelo Zanetti)
  • Réu & rei (Samuel Rosa e Chico Amaral)
  • Rio beautiful (Samuel Rosa e Emicida)
  • Romance noir (Samuel Rosa e Chico Amaral)
  • Saidera (Samuel Rosa e Rodrigo F. Leão)
  • Salmo no asfalto (Samuel Rosa e Fernando Furtado)
  • Sam (Samuel Rosa e Chico Amaral)
  • Sambatron (Samuel Rosa e Chico Amaral)
  • Saturação (Samuel Rosa e Chico Amaral)
  • Sem terra (Samuel Rosa e Chico Amaral)
  • Siderado (Samuel Rosa e Chico Amaral)
  • Sul da América (Samuel Rosa e Chico Amaral)
  • Supernova (c/ Fausto Fawcett)
  • Sutilmente (Samuel Rosa e Nando Reis)
  • Tanto (Chico Amaral, Versão de I want you de Bob Dylan)
  • Tão seu (Samuel Rosa e Chico Amaral)
  • Te ver (Samuel Rosa, Chico Amaral e Lelo Zanetti)
  • Três lados (Samuel Rosa e Chico Amaral)
  • Tudo isso (Samuel Rosa e Emicida)
  • Um gesto qualquer (Samuel Rosa e Chico Amaral)
  • Um mais um (Samuel Rosa e Rodrigo F. Leão)
  • Um segundo (Samuel Rosa e Chico Amaral)
  • Uma canção é pra isso (Samuel Rosa)
  • Vou deixar (Samuel Rosa e Chico Amaral)
  • Zé Trindade (Samuel Rosa e Chico Amaral)
Discografia
  • (1992) Skank • Sony Music • CD
  • (1992) Skank • Independente • CD
  • (1994) Calango • Sony Music • CD
  • (1996) Samba poconé • Sony Music • CD
  • (1998) Siderado • Sony Music • CD
  • (2000) Maquinamara • Sony Music • CD
  • (2001) MTV Ao vivo em Ouro Preto • Sony • CD
  • (2003) Cosmotron • Sony • CD
  • (2004) Radiola • SonyBMG • CD
  • (2006) Carrossel • Sony & BMG • CD
  • (2007) Estúdio Coca-cola - Nação Zumbi Skank • CD
  • (2008) Estandarte • SonyBMG • CD
  • (2010) Multishow Ao vivo - Skank no Mineirão • Sony Music • DVD
  • (2010) Multishow Ao vivo - Skank no Mineirão • Sony Music • CD
  • (2012) Skank ao Vivo - Rock in Rio • MZA Music/ Sony Music • DVD
  • (2012) Skank ao Vivo - Rock in Rio • MZA Music/ Sony Music • CD
  • (2012) Skank 91 (coletânea) • Sony Music • CD
  • (2014) Velocia • Sony Music • CD
  • (2016) Do mesmo jeito – Remixes • Independente
Bibliografia

http://dicionariompb.com.br/

http://www.memoriamusical.com.br/

http://www.mis.rj.gov.br/

http://www.discotecapublica.com.br/

https://acervosmusicais.wordpress.com/

http://acervocompositores.art.br/

http://www.violaobrasileiro.com.br/

http://jornalggn.com.br/blogs/laura-macedo

http://www.otempo.com.br/hotsites/concha

http://musicosdobrasil.com.br/dissertacoes.jsf

ALBIN, Ricardo Cravo. MPB: A História de um século. Rio de Janeiro: Funarte, 1997.

AMARAL, Euclides. Alguns Aspectos da MPB. Rio de Janeiro: Edição do Autor, 2008. 2ª ed. Esteio editora, 2010. 3ª ed. EAS Editora, 2014.

AZEVEDO, M. A . de (NIREZ) et al. Discografia brasileira em 78 rpm. Rio de Janeiro: Funarte, 1982.

CABRAL, Sérgio. No tempo de Ary Barroso. Rio de Janeiro: Lumiar, 1993.

CARDOSO, Sylvio Tullio. Dicionário Biográfico da música Popular. Rio de Janeiro: Edição do autor, 1965.

EFEGÊ, Jota. Figuras e coisas da Música Popular Brasileira. Rio de Janeiro: MEC/Funarte, 1978.

EPAMINONDAS, Antônio. Brasil brasileirinho. Rio de Janeiro: Instituto Nacional do Livro,1982.

História da Música Popular Brasileira. São Paulo: Editora Abril, 1982.

LUNA, Paulo – No compasso da bola. Rio de Janeiro, Irmãos Vitale, 2011.

MARCONDES, Marcos Antônio. (ED). Enciclopédia da Música popular brasileira: erudita, folclórica e popular. 2. ed. São Paulo: Art Editora/Publifolha, 1999.

MARIZ, Vasco. A canção brasileira. Rio de Janeiro: Francisco Alves, 2000.

MORAES, Mário de. Recordações de Ary Barroso. Rio de Janeiro: MEC/FUNARTE,1979.

REPPOLHO. Dicionário Ilustrado de Ritmos & Instrumentos de Percussão. Rio de Janeiro: GJS Editora, 2012. 2ª ed. Idem, 2013.

SEVERIANO, Jairo e MELLO, Zuza Homem de. A canção no tempo. Volume 1. São Paulo: 34, 1997.

TINHORÃO, José Ramos. Música popular – teatro e cinema. Rio de Janeiro: Vozes, 1972.

VASCONCELOS, Ary. Panorama da Música Popular Brasileira. Vol. 2. Rio de Janeiro: Martins, 1965.