Nossos Músicos

Acervo em constante construção.
Tavito

Tavito

Instrumentista, Cantor, Compositor Natural de Belo Horizonte Nasceu em 26 de janeiro de 1948 Gênero musical: Música popular brasileira
Biografia

Luis Otávio de Melo Carvalho

Aos 13 anos de idade, ganhou seu primeiro violão. Autodidata, logo em seguida começou a participar de serenatas e a atuar em festas em sua cidade natal, além de compor suas primeiras canções. É companheiro de geração de Milton Nascimento e de outros músicos mineiros, como Toninho Horta, Tavinho Moura e Nelson Angelo. Em 1965, conheceu Vinicius de Moraes, que se encantou com a sua performance ao violão. Foi, então, convidado pelo poeta para acompanhá-lo em alguns shows pela cidade de Belo Horizonte (MG). Cursou o 1º ano de Desenho Industrial na Universidade Mineira de Arte, mas abandonou os estudos decidindo-se pela profissão de músico. Mudou-se, então, para o Rio de Janeiro, passando a trabalhar como professor de violão.

Dados Artistícos

Em 1969, participou do Festival Universitário da TV Tupi (RJ), com a canção “Terça- feira” (c/ Werther Jacques e Antonio Gil), interpretada pelo conjunto Os Três Moraes.

No ano seguinte, foi convidado por Milton Nascimento para formar uma banda que acompanhasse o cantor e compositor em shows. Nasceu o Som Imaginário, integrado também por Wagner Tiso, Robertinho Silva, Luís Alves, Zé Rodrix, Frederyko e Laudir de Oliveira (mais tarde substituído por Naná Vasconcelos). Ainda em 1970, o grupo defendeu a canção “Feira moderna” no V Festival Internacional da Canção (TV Globo), classificando-a em 6º lugar. Gravou três LPs com o conjunto. Nessa época, começou a compor com Mariozinho Rocha, Eduardo Souto Neto e Zé Rodrix.

Em 1971, concorreu com “Casa no campo” (c/ Zé Rodrix) no VI Festival Internacional da Canção (TV Globo). A canção viria a se tornar um de seus maiores sucessos na voz de Elis Regina. Por essa época, já reconhecido no meio artístico, começou a participar de gravações com inúmeros intérpretes, tocando tanto o violão quanto a viola de 12 cordas, seu elemento diferencial como instrumentista.

Em 1972, foi convidado por José Scatena para ingressar no mercado publicitário paulista, como compositor de jingles e trilhas comerciais. Mudou-se para São Paulo e em seis meses já era um dos mais requisitados jinglistas dessa cidade.

No ano seguinte, o Som Imaginário se dissolveu, e seus integrantes partiram para carreiras individuais.

Em 1974, de volta ao Rio de Janeiro, continuou atuando na área publicitária, contratado por diversas produtoras de jingles cariocas. Logo em seguida, montou sua própria empresa, a Zurana Criação e Produção, que viria a se tornar uma das maiores produtoras de jingles do Brasil.

Em 1979, por indicação de Fernando Adour, gravou seu primeiro LP como cantor solista, “Tavito”, lançado no ano seguinte pela gravadora CBS. O disco incluiu “Rua Ramalhete”, canção bastante executada e que remete à sua antiga admiração pelo conjunto The Beatles, além de “Começo, meio e fim” (c/ Ney Azambuja) e “Longe do medo (c/ Ivan Lins e Ronaldo Monteiro de Souza), entre outras.

Ainda na década de 80, lançou os LPs “Tavito II” (1982) e “Tavito III” (1983).

Em 1984, gravou um compacto simples com “Simpatia” e “Água e luz” (c/ Ricardo Magno). Decepcionado com a pouca divulgação do disco, passou a compor somente para outros intérpretes.

Ao longo de sua carreira artística, atuou também como produtor de discos, tendo sido responsável por trabalhos de Marcos Valle, Renato Teixeira, Selma Reis e Sá & Guarabyra, entre outros. Assinou, ainda, arranjos vocais para vários artistas, destacando-se Roberto Carlos, Erasmo Carlos e Ivan Lins.

Até 1992, realizou diversos shows pelo Brasil. A partir desse ano, passou a dedicar-se exclusivamente à composição, aos arranjos e à publicidade.

Em 2004, voltou ao cenário artístico, apresentando-se nos espaços cariocas Panorama e Mistura Fina. Nesse mesmo ano, finalizou a gravação de mais um disco, contendo suas canções “Rua Ramalhete”, “Começo, meio e fim”, “Aquele beijo” e “O primeiro sinal”, todas com Ney Azambuja, “O dia em que nasceu nosso amor” e “A sorte grande do amor”, ambas com Luiz Carlos Sá, “Um certo filme” (c/ Rocknaldo), “Água e luz” (c/ Ricardo Magno) e “Gostosa”, além de “Hoje ainda é dia de rock (Sá, Rodrix e Guarabyra),”Cowboy” (Eduardo Souto Neto e Paulo Sérgio Vallle) e “Naquele tempo” (Mariozinho Rocha e Renato Corrêa). Ainda em 2004, sua canção “Rua Ramalhete” (c/ Ney Azambuja) tornou-se hino oficial da cidade de Belo Horizonte.

Constam da relação dos intérpretes de suas canções Zé Rodrix, Amelinha, Jane Duboc, Leny Andrade, Golden Boys, Erlon Chaves e Paul Mauriat, Elis Regina, Rosa Marya Colin, Roupa Nova, Zizi Possi, Ronnie Von, Selma Reis, Rosemary, Erasmo Carlos, Vânia Bastos, Sandra de Sá, Zé Ramalho, Affonsinho, Biafra, Trio Esperança e Pery Ribeiro, entre outros.

Obra
  • • A nossa casa (c/ Luiz Carlos Sá e Eduardo Souto Neto)
  • • A volta do filho pródigo (c/ Zé Rodrix)
  • • Água e luz (c/ Ricardo Magno)
  • • Aquele beijo (c/ Ney Azambuja)
  • • Bem querer (c/ Ricardo Magno)
  • • Bloco Leblon (c/ Edmundo Souto)
  • • Bolero (c/ Milon Nascimento, Luiz Alves, Wagner Tiso e Robertinho Silva)
  • • Briga de rua (c/ Ricardo Magno)
  • • Canção do sul (c/ Nelson Wellington)
  • • Casa no campo (c/ Zé Rodrix)
  • • Coisas pequenas (c/ Zé Rodrix)
  • • Começo, meio e fim (c/ Ney Azambuja e Paulo Sérgio Valle)
  • • Coração atento
  • • Devagar um segredo (c/ Ricardo Magno)
  • • Doce romã (c/ Ricardo Magno)
  • • Dois corações (c/ Ricardo Magno)
  • • Dona Rita (c/ Ricardo Magno)
  • • Embora (c/ Alexandre Lemos)
  • • Essa música (c/ Ricardo Magno e Carlos Márcio)
  • • Essas coisas acontecem sempre (c/ Zé Rodrix)
  • • Está na pele (c/ Ricardo Magno)
  • • Falsa princesa (Tavito)
  • • Feliz demais (c/ Marcelo Diniz e Ney Azambuja)
  • • Flor da manhã (c/ Ricardo Magno e Carlos Márcio)
  • • Goooo-ol Brasil! (c/ Eduardo Souto, Márcio Moura, Paulo Sérgio Valle, Renato Corrêa e Ribeiro)
  • • Hey man (c/ Zé Rodrix)
  • • IIº acto (c/ Zé Rodrix)
  • • Longe do medo (c/ Ivan Lins e Ronaldo Monteiro de Souza)
  • • Lua doida (c/ Aldir Blanc)
  • • Marcas do que se foi (c/ Ruy Maurity, José Jorge, Ribeiro J. Francisco, Márcio Moura, Paulo Sérgio Valle)
  • • Morse (c/ Wagner Tiso e Zé Rodrix)
  • • Na trilha dos amores (c/ Ricardo Magno)
  • • Não me pergunte mais (c/ Marcos e Paulo Sérgio Valle)
  • • Noite de sábado (c/ Zé Rodrix)
  • • Nova mulher
  • • O dia em que nasceu nosso amor (c/ Luiz Carlos Sá)
  • • O primeiro sinal (c/ Ney Azambuja)
  • • O rio (c/ Ricardo Magno e Luiz Antônio Ferreira)
  • • O trem (c/ Ricardo Magno)
  • • Olá (c/ Ney Azambuja)
  • • Pálida (c/ Aldir Blanc)
  • • Pé de vento (c/ Ricardo Magno e Carlos Márcio)
  • • Picadinho de macho (c/ Aldir Blanc)
  • • Pintando o sete (c/ Ricardo Magno)
  • • Privação de sentidos (c/ Aldir Blanc)
  • • Profetas (c/ Aldir Blanc)
  • • Receita de bolo (c/ Zé Rodrix)
  • • Roda de fogo (c/ Ricardo Magno)
  • • Rua Ramalhete (c/ Ney Azambuja
  • • Sensual (Palácio fácil) (c/ Aldir Blanc
  • • Serolav (c/ Mariozinho Rocha)
  • • Simpatia (c/ Ricardo Magno)
  • • Sou teu (c/ Luiz Carlos Sá)
  • • Terça-feira (c/ Werther Jacques e Antonio Gil)
  • • Um certo filme (c/ Rocknaldo)
  • • Vela do meu barco (c/ Ricardo Magno)
Discografia
  • • (1970) Som Imaginário. Som Imaginário • Odeon
  • • (1971) Som Imaginário. Som Imaginário • Odeon
  • • (1973) Matança do porco. Som Imaginário • Odeon
  • • (1980) Tavito • CBS
  • • (1982) Tavito 2 • CBS • LP
  • • (1983) Número 3 • CBS • LP
  • • (1984) Simpatia/Água e luz • CBS • Compacto simples
Bibliografia

http://dicionariompb.com.br/

http://www.memoriamusical.com.br/

http://www.mis.rj.gov.br/

http://www.discotecapublica.com.br/

https://acervosmusicais.wordpress.com/

http://acervocompositores.art.br/

http://www.violaobrasileiro.com.br/

http://jornalggn.com.br/blogs/laura-macedo

http://www.otempo.com.br/hotsites/concha

http://musicosdobrasil.com.br/dissertacoes.jsf

ALBIN, Ricardo Cravo. MPB: A História de um século. Rio de Janeiro: Funarte, 1997.

AMARAL, Euclides. Alguns Aspectos da MPB. Rio de Janeiro: Edição do Autor, 2008. 2ª ed. Esteio editora, 2010. 3ª ed. EAS Editora, 2014.

AZEVEDO, M. A . de (NIREZ) et al. Discografia brasileira em 78 rpm. Rio de Janeiro: Funarte, 1982.

CABRAL, Sérgio. No tempo de Ary Barroso. Rio de Janeiro: Lumiar, 1993.

CARDOSO, Sylvio Tullio. Dicionário Biográfico da música Popular. Rio de Janeiro: Edição do autor, 1965.

EFEGÊ, Jota. Figuras e coisas da Música Popular Brasileira. Rio de Janeiro: MEC/Funarte, 1978.

EPAMINONDAS, Antônio. Brasil brasileirinho. Rio de Janeiro: Instituto Nacional do Livro,1982.

História da Música Popular Brasileira. São Paulo: Editora Abril, 1982.

LUNA, Paulo – No compasso da bola. Rio de Janeiro, Irmãos Vitale, 2011.

MARCONDES, Marcos Antônio. (ED). Enciclopédia da Música popular brasileira: erudita, folclórica e popular. 2. ed. São Paulo: Art Editora/Publifolha, 1999.

MARIZ, Vasco. A canção brasileira. Rio de Janeiro: Francisco Alves, 2000.

MORAES, Mário de. Recordações de Ary Barroso. Rio de Janeiro: MEC/FUNARTE,1979.

REPPOLHO. Dicionário Ilustrado de Ritmos & Instrumentos de Percussão. Rio de Janeiro: GJS Editora, 2012. 2ª ed. Idem, 2013.

SEVERIANO, Jairo e MELLO, Zuza Homem de. A canção no tempo. Volume 1. São Paulo: 34, 1997.

TINHORÃO, José Ramos. Música popular – teatro e cinema. Rio de Janeiro: Vozes, 1972.

VASCONCELOS, Ary. Panorama da Música Popular Brasileira. Vol. 2. Rio de Janeiro: Martins, 1965.