Nossos Músicos

Acervo em constante construção.
Tião Carreiro e Pardinho

Tião Carreiro e Pardinho

Cantor, Compositor Natural de Montes Claros Nasceu em Gênero musical: Música sertaneja
Biografia

Dupla sertaneja

José Dias Nunes, Tião Carreiro – Montes Claros, MG – 1934, São Paulo – SP, 15/10/1993
Antonio Henrique de Lima, Pardinho – São Carlos -SP, 14/8/1932 – Sorocaba, SP, 1/6/2001

 

 

Dados Artistícos

José Dias Nunes começou cantando com o nome de Zezinho em parceria com Lenço Verde. A dupla não fez muito sucesso e ele trocou o nome para Palmeira e passou a fazer dupla com Coqueirinho. Posteriormente, passou a chamar-se Zé Mineiro e formou dupla com Tietezinho. Já Antonio Henrique de Lima iniciou fazendo dupla com Miranda e posteriormente com Zé Carreiro. A dupla Tião Carreiro e Pardinho formou-se em 1954. A dupla se apresentou em circos e praças públicas. Venceram o torneio de violeiros patrocinado pela Rádio Tupi de São Paulo em 1956 com o cururu “Canoeiro”, de Zé Carreiro. A apresentação chamou a atenção de Teddy Vieira, compositor e então da Colúmbia, que os convidou para gravarem um disco. Foi Teddy Vieira quem criou os nomes da dupla, mudando o nome de Carreirinho para Pardinho e o de Tião Mineiro para Tião Carreiro. Tião Carreiro substitui o famoso Zé Carreiro, da dupla Zé Carreiro e Carreirinho. No mesmo ano, gravaram seu primeiro disco pela Colúmbia. Era um 78 rpm com as músicas “Urutu cruzeiro” e “Resposta de bombardeio”. Ainda em 1956, começaram a trabalhar na Rádio Tupi de São Paulo onde permaneceram por seis anos. O primeiro grande sucesso da dupla foi “Cavaleiro do Bom Jesus”, de João Alves, Nhô Silva e Teddy Vieira. Gravaram, também, “Facão do Cristiano”, de Dito Mineiro e Zé Carreiro, e “Boiadeiro feliz”, de Zé Carreiro e Pardinho. Tião Carreiro é considerado juntamente com Lourival dos Santos o criador do pagode sertanejo, um estilo especial de tocar, dedilhando a viola de 10 cordas, assim como um jeito especial no versejar. O pagode foi lançado em 1959, com a música “Pagode de Brasília”, composição de Lourival dos Santos e Teddy Vieira. Gravaram 15 discos de 78 rpm. ” Rei do gado”, “Boiadeiro punho aço”, “Hoje eu não posso ir” e “Terra roxa”, foram alguns de seus sucessos. O maior sucesso avulso foi “Rio de lágrimas”, também conhecida como “Rio de lágrimas”, de Lourival dos Santos, Tião Carreiro e Piraci, lançada no LP “A força do perdão”. O LP de maior vendagem foi “Levanta patrão”. Em 1968, gravaram o LP “Em tempo de avanço”, pela Chantecler, onde se destaca a música “A beleza do ponteio”, biografia de Tião Carreiro de autoria de Capitão Furtado com música de Tião Carreiro. Em 1970, foram os principais intérpretes do filme “Sertão em festa”, de Oswaldo de Oliveira, que ficou 32 semanas em cartaz no Cine Art Palácio em São Paulo. Naquele filme, Tião Carreiro e Pardinho interpretaram “Caboclinha malvada”, de Serrinha, “Em tempo de avanço”, de Lourival dos Santos e Tião Carreiro, “Gerimu”, de Arlindo Pinto, “Mestre Carreiro”, de Raul Torres, “Oi vida minha”, moda de pião, de Cornélio Pires, e “Pagode”, de Tião Carreiro e Carreirinho. A dupla separou-se por seis vezes. Uma delas em 1978, iniciando o maior período de afastamento, que terminou quando a dupla se reuniu em 1982, para gravar um novo LP. Gravaram mais de 55 discos com cerca de 700 músicas. Trabalharam nas Rádios Nacional, Record e Globo. Em 1976, o compositor e produtor caipira, Nonô Basílio, colocava a dupla como campeã de vendas à frente de Leo Canhoto e Robertinho, e com todos os discos em catálogo. No início dos anos 90, a dupla ainda fazia de três a quatro shows por semana nos Estados de Goiás, Mato Grosso, Minas Gerais e São Paulo. Em 1991, a dupla separou-se definitivamente, com Tião Carreiro passando a formar dupla com Praianinho e Carreirinho indo cantar com João Mulato. Tião Carreiro faleceu em 1993, sem conseguir gravar nenhuma música de Luiz Gonzaga, conforme pretendia. Em 1996, ele foi homenageado no CD “Tião Carreiro e seus amigos”, lançado pela Continental, em que suas músicas foram cantadas por artistas como Sérgio Reis, Zezé di Camargo e Luciano, Irmãs Galvão, Almir Sater e Chitãozinho e Xororó.

Obra
  • A ferro e fogo (Tião Carreiro, Lourival dos Santos, Moacir dos Santos e Teddy Vieira)
  • A grande cidade (Lourival dos Santos, Tião Carreiro e Arlindo Rosas)
  • A grande montanha (Tião Carreiro e Romeu)
  • A majestade o pagode (Lourival dos Santos e Tião Carreiro)
  • A saudade continua (Tião Carreiro e Zé Matão)
  • A vaca já foi pro brejo (Tião Carreiro, Lourival dos Santos e Vicente P. Machado)
  • Adeus São Paulo (Tião Carreiro e Pardinho)
  • Amargurado (Dino Franco e Tião Carreiro)
  • Ana Rosa (Tião Carreiro e Carreirinho)
  • Aos pés do homem (Geraldinho e Tião Carreiro)
  • Aquarela sertaneja (Luiz de Castro e Tião Carreiro)
  • Até quinta-feira (Vicente Pereira, Tião Carreiro e Lourival dos Santos)
  • Ato de bravura (Lourival dos Santos, Tião Carreiro e Vicente Pereira)
  • Bandeira branca (Tião Carreiro e Lourival dos Santos)
  • Beleza do ponteio (Capitão Furtado e Tião Carreiro)
  • Boiadeiro de palavra (Moacir dos Santos, Lourival dos Santos e Tião Carreiro)
  • Boiadeiro feliz (Zé Carreiro e Pardinho)
  • Chamada a cobrar (Tião Carreiro e Donizete)
  • Chora viola (Lourival dos Santos e Tião Carreiro)
  • Chuva, sangue da terra (Lourival dos Santos e Tião Carreiro)
  • Cidade morena (Tião Carreiro, Lourival dos Santos e Alberto Calçada)
  • Começo do fim (Lourival dos Santos, Moacir dos Santos e Tião Carreiro)
  • Confiança (Tião Carreiro, Lourival dos Santos e Claudio Balestro)
  • É isso que o povo quer (Lourival dos Santos, Carlos Compri e Tião Carreiro)
  • Em tempo de avanço (Lourival dos Santos e Tião Carreiro)
  • Empreitada perigosa (Moacir dos Santos e Jacozinho)
  • Estrela de ouro (Tião Carreiro e Ronaldo Adriano)
  • Faca que não corta (Tião Carreiro, Lourival dos Santos e Moacir dos Santos)
  • Falou e disse (Lourival dos Santos e Tião Carreiro/Piraci)
  • Fim da picada (Tião Carreiro e Lourival dos Santos)
  • Futura família (Tião Carreiro e Dino Franco)
  • Hoje eu não posso ir (Lourival dos Santos e Tião Carreiro)
  • Justiça divina (Jesus Belmiro, Julinho e Tião Carreiro)
  • Malandrino (José Béttio e Tião Carreiro)
  • Mentira tem perna curva (Lourival dos Santos e Tião Carreiro)
  • Mineiro no pagode (Tião Carreiro e Leonel Rocha)
  • Minha prece (Pardinho e Edgard de Souza)
  • Mulher amada (Lourival dos Santos e Tião Carreiro)
  • Não é mole não (Tião Carreiro e Lourival dos Santos)
  • Nossos devaneios (Lourival dos Santos e Tião Carreiro)
  • Nove e nove (Tião Carreiro, Lourival dos Santos e Teddy Vieira)
  • Oi paixão (Tião Carreio e Zé Paulo)
  • Pagode (Tião Carreiro e Pardinho)
  • Pai João (Zé Carreiro e Tião Carreiro)
  • Ponta de espada (Lourival dos Santos e Tião Carreiro)
  • Porta fechada (Tião Carreiro e Moacir dos Santos)
  • Prece de amor (Sebastião Victor e Pardinho)
  • Quem ama não esquece (Tião Carreiro e Carreirinho)
  • Rancho do vale (Tião Carreiro, Lourival dos Santos e Claudio Rodante)
  • Rancho dos ipês (Tião Carreiroe Lourival dos Santos)
  • Rei sem coroa (Tião Carreiro e Sebastião Victor)
  • Rio de lágrimas (Lourival dos Santos, Tião Carreiro e Piraci)
  • Rio de pranto (Carminha, Lourival dos Santos e Tião Carreiro)
  • Riqueza do Brasil (Tião Carreiro e Tapuã)
  • Saudade me fez voltar (Tião Carreiro e Jesus Belmiro)
  • Sete flexas (Tião Carreiro, Lourival dos Santos e Zé Mineiro)
  • Tem e não tem (Tião Carreiro e Moacir dos Santos)
  • Tudo certo (Tião Carreiro e Moacir dos Santos)
  • Tudo serve (Tião Carreiro e Moacir dos Santos)
  • Última chama (Lourival dos Santos eTião Carreiro)
  • Uma coisa puxa outra (Lourival dos Santos, Tião Carreiro e Claudio Balestro)
  • Vaqueiro do Norte (Tião Carreiro, Lourival dos Santos e Moacyr dos Santos)
  • Viola barulhenta (Tião Carreiro, M. José e Lourival dos Santos)
  • Viola chic-chic (Tião Carreiro e Lourival dos Santos)
  • Viola divina (Lourival dos Santos e Tião Carreiro)
  • Viola que vale ouro (Tião Carreiro, Lourival dos Santos e Alberto Calçada)
  • Viúva rica (Edward de Merch,Tião Carreiro e Moacyr dos Santos)
Discografia
  • (1956) Urutu cruzeiro/Resposta de bombardeio • Columbia • 78
  • (1961) Rei do gado • Continental • LP
  • (1962) Meu carro é minha viola • Continental • LP
  • (1963) Casinha da serra • Chantecler-Continental • LP
  • (1964) Repertório de ouro • Chantecler-Continental • LP
  • (1964) Linha de frente • Chantecler-Continental • LP
  • (1965) Tião Carreiro e Pardinho • Chantecler-Continental • LP
  • (1966) Boi soberano • Chantecler-Continental • LP
  • (1966) Pagode na praça • Chantecler-Continental • LP
  • (1967) Os grandes sucessos de Tião Carreiro e Pardinho • Chantecler-Continental • LP
  • (1967) Rancho dos ipês • Chantecler-Continental • LP
  • (1968) Encantos da natureza • Chantecler-Continental • LP
  • (1969) Tempo de avançar • Chantecler-Continental • LP
  • (1970) A força do perdão • Chantecler-Continental • LP
  • (1971) Abrindo caminho • Chantecler-Continental • LP
  • (1972) Hoje eu não posso ir • Chantecler-Continental • LP
  • (1973) Viola cabocla • Chantecler-Continental • LP
  • (1973) Tião Carreiro e Pardinho ao vivo • Chantecler-Continental • LP
  • (1973) A caminho do sol • Chantecler-Continental • LP
  • (1974) Modas de viola classe A • Chantecler-Continental • LP
  • (1974) Esquina da saudade • Chantecler-continental • LP
  • (1975) Duelo de amor • Chantecler-Continental • LP
  • (1975) Modas de viola classe A Volume 2. • Chantrecler-Continental • LP
  • (1976) Rio de pranto • Chantecler-Continental • LP
  • (1976) É isto que o povo gosta • Chantecler-Continental • LP
  • (1976) Sertão em festa. Trilha sonora do filme • Chantecler-Continental • LP
  • (1977) Rancho do vale • Chantecler-Continental • LP
  • (1977) Pagodes • Chantecler-Continental • LP
  • (1978) Disco de ouro • Chantecler-Continental • LP
  • (1978) Terra roxa • Chantecler-Continental • LP
  • (1979) Golpe de mestre • Chantecler-Continental • LP
  • (1979) Pagodes, volume 2 • Chantecler-Continental • LP
  • (1981) Modas de viola classe A, vol. 3 • Chantecler-Continental • LP
  • (1982) Navalha na carne • Chantecler-Continental • LP
  • (1983) NO som da viola • Chantecler-Continental • LP
  • (1984) Modas de viola classe A, vol. 4 • Chantecler-Continental • LP
  • (1985) Felicidade • Chantecler-continental • LP
  • (1986) Estrela de ouro • Chantecler-Continental • LP
  • (1988) A majestade "O pagode" • Continental • LP
  • (1994) Pagodes • Continental • CD
  • (1995) Tião Carreiro e Pardinho. Dose dupla vol 3 • Chantecler • CD
  • (1995) Tião Carreiro e Pardinho. Dose dupla vol 2 • Chantecler/Warner • CD
  • (1996) Tião Carreiro e Pardinho-Dose dupla vol 11 • Warner • CD
  • (1996) Tião Carreiro e seus amigos • Continental • CD
  • (1996) Tião Carreiro e Pardinho • Continental • CD
  • ([S/D]) Tião Carreiro e Pardinho-Som da terra • Warner Music • CD
  • ([S/D]) Levanta patrão • LP
  • [S/D]) Boiadeiro punho de aço • LP
Bibliografia

http://dicionariompb.com.br/

http://www.memoriamusical.com.br/

http://www.mis.rj.gov.br/

http://www.discotecapublica.com.br/

https://acervosmusicais.wordpress.com/

http://acervocompositores.art.br/

http://www.violaobrasileiro.com.br/

http://jornalggn.com.br/blogs/laura-macedo

http://www.otempo.com.br/hotsites/concha

http://musicosdobrasil.com.br/dissertacoes.jsf

ALBIN, Ricardo Cravo. MPB: A História de um século. Rio de Janeiro: Funarte, 1997.

AMARAL, Euclides. Alguns Aspectos da MPB. Rio de Janeiro: Edição do Autor, 2008. 2ª ed. Esteio editora, 2010. 3ª ed. EAS Editora, 2014.

AZEVEDO, M. A . de (NIREZ) et al. Discografia brasileira em 78 rpm. Rio de Janeiro: Funarte, 1982.

CABRAL, Sérgio. No tempo de Ary Barroso. Rio de Janeiro: Lumiar, 1993.

CARDOSO, Sylvio Tullio. Dicionário Biográfico da música Popular. Rio de Janeiro: Edição do autor, 1965.

EFEGÊ, Jota. Figuras e coisas da Música Popular Brasileira. Rio de Janeiro: MEC/Funarte, 1978.

EPAMINONDAS, Antônio. Brasil brasileirinho. Rio de Janeiro: Instituto Nacional do Livro,1982.

História da Música Popular Brasileira. São Paulo: Editora Abril, 1982.

LUNA, Paulo – No compasso da bola. Rio de Janeiro, Irmãos Vitale, 2011.

MARCONDES, Marcos Antônio. (ED). Enciclopédia da Música popular brasileira: erudita, folclórica e popular. 2. ed. São Paulo: Art Editora/Publifolha, 1999.

MARIZ, Vasco. A canção brasileira. Rio de Janeiro: Francisco Alves, 2000.

MORAES, Mário de. Recordações de Ary Barroso. Rio de Janeiro: MEC/FUNARTE,1979.

REPPOLHO. Dicionário Ilustrado de Ritmos & Instrumentos de Percussão. Rio de Janeiro: GJS Editora, 2012. 2ª ed. Idem, 2013.

SEVERIANO, Jairo e MELLO, Zuza Homem de. A canção no tempo. Volume 1. São Paulo: 34, 1997.

TINHORÃO, José Ramos. Música popular – teatro e cinema. Rio de Janeiro: Vozes, 1972.

VASCONCELOS, Ary. Panorama da Música Popular Brasileira. Vol. 2. Rio de Janeiro: Martins, 1965.