Nossos Músicos

Acervo em constante construção.
Vander Lee

Vander Lee

Cantor, Compositor Natural de Belo Horizonte Nasceu em 3 de março de 1966 Falecido em 5 de agosto de 2016 Gênero musical: Música popular brasileira, Samba‎
Biografia

Vanderli Catarina

Filho do violonista amador José Delfino Catarino, irmão da cantora e compositora Ivânia Catarina.

Criado na periferia de Belo Horizonte, no bairro de Olho D’Água.

Trabalhou como office-boy, gandula e goleiro no Atlético Mineiro.

Dados Artistícos

Iniciou a carreira cantando em bares e festivais em Belo Horizonte e cidades do interior mineiro.

Em 1987, integrando a banda Morro Velho, gravou um compacto duplo que não chegou a ser lançado. Neste mesmo ano, apresentou um show no Teatro Francisco Nunes. Dois anos depois, foi premiado no Festival de Avaré, em São Paulo.

No ano de 1991, sua composição “Atriz”, em parceria com Cláudio Campos, foi gravada pela banda Alarme Falso, no disco “DI”. Neste mesmo ano, incluiu outra composição de sua autoria no CD “Festival de Música de Vespesiano”.

Foi premiado em 1996 no “Festival Canta Minas”, da Rede Globo Minas, participando do CD do festival. Neste mesmo ano, sua composição “Doce Roberta”, em parceria com Paulo Brandão, foi incluída no disco “Bossa nova” da banda Alarme Falso, e outras duas músicas de sua autoria, “Hey crioulo” e “Pra te embalar”, foram incluídas no CD de Gilvan Miguêz. No ano seguinte, em 1997, lançou o CD “Vanderly”, seu primeiro disco solo, no qual interpretou várias músicas de sua autoria: “Subindo a ladeira” (c/ Rossana Decelso), “Outra manhã”, “Injuriado”, “Quem me dirá” e “Aversão brasileira”, entre outras.

Em 1999, o produtor Nestor Sant’Anna o incluiu no disco “Sertão”, do violeiro Roberto Correa. Pouco tempo depois, Elza Soares o convidou para dividir o palco em turnê pelo Rio de Janeiro, São Paulo, Salvador e Belo Horizonte, espetáculo no qual a cantora interpretava uma composição de sua autoria “Subindo a ladeira”. Neste mesmo ano, participou do CD “Do Brasil”, coletânea de artistas mineiros em comemoração aos 500 anos do Brasil, sendo sua a composição que deu título ao disco. Participou também, por essa época, da “Coletânea do Projeto Zás”; CD “Passagem”, da banda Alarme Falso, com as músicas “Um segundo” e “Contos”. Ainda neste ano, a gravadora Kuarup lançou seu disco “No balanço do balaio”, que contou com músicos de renome como Luiz Brasil, Beto Cazes, Dirceu Leite e a participação especial de Rildo Hora (gaita) na faixa “Românticos”, música muito executada em várias emissoras FMs das principais capitais brasileiras.

No ano 2000, Reco Bastos, no disco “Antenado”, interpretou de sua autoria “Gente não é cor”; P. Loureiro cantou “Eu não quero mais te ver” e Ana Cristina, no disco “A ponte”, interpretou de sua autoria “Seção 32”, música esta que também foi incluída, com a interpretação do autor, no disco “Lúdica música”, juntamente com “Deus lhe pague card”, também de sua autoria.

Em outubro de 2000, apresentou o show de lançamento do CD “No balanço do balaio”, no Teatro de  Arena, no Rio de Janeiro. O show, com roteiro e direção de Sergio Natureza, contou com a participação especial de Luiz Melodia. Ainda no mês de outubro, apresentou o espetáculo “Vander Lee convida Luiz Melodia” no projeto “Novo canto”, também com direção do poeta e letrista Sergio Natureza, no Sesc de São João de Meriti, no Rio de Janeiro.

Foi um dos oito artistas selecionados para participar do show de encerramento do projeto “Novo canto”, no Canecão. No ano seguinte, voltou ao palco do Canecão  apresentando-se com vários artistas, entre eles Milton Nascimento. Ainda em 2001, em julho, fez show no teatro Rival do Rio de Janeiro e a cantora Rita Ribeiro regravou “Contra o tempo” e “Românticos”.

No ano de 2002, Gal Costa gravou de sua autoria “Onde Deus possa me ouvir” no disco “Gal Bossa tropical”. Neste mesmo ano participou do “Projeto Telemig Celular de Música Popular”, no Teatro Rival BR, no Rio de Janeiro.

Em 2003, ao lado de Tadeu Franco, foi um dos convidados de Beto Guedes no show “Canto pela paz”, apresentado no Grande Teatro do Palácio das Artes, em Belo Horizonte. Apresentou-se no Projeto Prêt-à-Porter, com direção artística de Sergio Natureza, no Teatro Café Pequeno, no Leblon. Interpretou em dueto com a irmã a composição “Contra o tempo” no CD “Ivânia Catarina”.  Lançou o CD “Vander Lee – Ao Vivo”, no qual foram incluídas, entre outras, “Esperando aviões”, “Românticos”, “Onde Deus possa me ouvir” (gravada por Gal Costa), “Sonhos e pernas” (gravada por Emilinha Borba), e “Subindo a ladeira’ (registrada na voz de Elza Soares).

No ano de 2004 lançou o CD “Vander Lee – Ao vivo” no Garden Hall, na Barra da Tijuca, no Rio de Janeiro e ainda no Teatro Municipal de Niterói. Participou, ao lado de Rita Ribeiro, André Gabeh, Luciana Mello,  Simoninha, Paulo Moura, Eliana Printes, Carlos Malta e Ney Matogrosso e Pedro Luís e A Parede, do show de lançamento do CD do “Projeto Novo Canto”, no Canecão. Voltou a mesma casa para o lançamento do seu CD ao vivo, com as participações especiais de Alcione e Elza Soares.

Em 2005 Leila Pinheiro regravou “Onde Deus possa me ouvir” no CD “Nos horizontes do mundo”. Fez show com Vanessa da Mata no Canecão. Neste mesmo ano voltou ao Canecão para o lançamento do disco  “Naquele verbo agora”, no qual incluiu “Atriz” (c/ Cláudio Campos), “A voz”, “Ao meio”, “Lenço e lençol”, “Tavimatutu”, “Iluminado”, “Meu jardim” e “Não tenha pressa”, faixa na qual contou com a participação especial da irmã Ivânia Catarina. Ao lado de Fred Martins e o Quarteto Monte Pascoal participou do “Projeto Pixinguinha”, viajando por várias cidades brasileira, entre as quais Teresina, Macapá, Belém, São Luís, Manaus e Boa Vista.

No ano de 2006 lançou o CD/DVD “Pensei que fosse o céu – Ao vivo” no qual contou com a participação especial de Zeca Baleiro na faixa “Passional”. No DVD foram incluídas ainda “Tô em liquidação”, “Chilique”, “Breu”, “No balanço do balaio” e “Galo e Cruzeiro”. Neste mesmo ano compôs e gravou “Valsa dos 70 anos”, em homenagem à Rádio Inconfidência, de Belo Horizonte. A faixa contou com arranjo de Mauro Rodrigues.

No ano de 2015 fez dois shows de lançamento do EP “Vander Lee” no Teatro Rival Petrobras. No disco interpretou as inéditas “Nada por nada” e “Minha criança”, além de regravar de sua autoria a composição “Seu nome”, sucesso na voz da cantora Luiza Possi.

Obra
  • • Aquela estrela
  • • Atriz (c/ Cláudio Campos)
  • • Aversão brasileira
  • • Baiana cover
  • • Contos
  • • Contra o tempo
  • • Contra o tempo que quiser
  • • Deus lhe pague card
  • • Do Brasil
  • • Doce Roberta (c/ Paulo Brandão)
  • • Esperando aviões
  • • Eu não quero mais te ver
  • • Fogo
  • • Galo e Cruzeiro
  • • Gente não é cor
  • • Hey crioulo
  • • Injuriado
  • • Mais um barco
  • • Neném
  • • No balanço do balaio
  • • Onde Deus possa me ouvir
  • • Outra manhã
  • • Pití
  • • Pra te embalar
  • • Quando chove
  • • Quem me dirá
  • • Românticos
  • • Seção 32
  • • Subindo a ladeira (c/ Rossana Decelso)
  • • Tô em liquidação
  • • Truco seis
  • • Um segundo
  • • Valsa dos 70 anos (homenagem à Rádio Inconfidência)
Discografia
  • • (1991) Festival de Música de Vespesiano • (vários) • CD
  • • (1996) Festival Canta Minas, da Rede Globo Minas • (vários) • CD
  • • (1997) Vanderly • Independente • CD
  • • (1999) No balanço do balaio • Kuarup • CD
  • • (1999) Sertão • (participação) • CD
  • • (1999) Do Brasil • (vários) • CD
  • • (1999) Coletânea Projeto Zás • (vários) • CD
  • • (2003) Vander Lee ao vivo • Indie Records • CD
  • • (2003) Ivânia Catarina • Independente • CD
  • • (2005) Naquele verbo agora • Indie Records • CD
  • • (2006) Rádio Inconfidência 70 anos no ar • Rádio Inconfidência • CD
  • • (2006) Pensei que fosse o céu - Ao vivo • Indie Records
  • • (2015) Vander Lee
Bibliografia

http://dicionariompb.com.br/

http://www.memoriamusical.com.br/

http://www.mis.rj.gov.br/

http://www.discotecapublica.com.br/

https://acervosmusicais.wordpress.com/

http://acervocompositores.art.br/

http://www.violaobrasileiro.com.br/

http://jornalggn.com.br/blogs/laura-macedo

http://www.otempo.com.br/hotsites/concha

http://musicosdobrasil.com.br/dissertacoes.jsf

ALBIN, Ricardo Cravo. MPB: A História de um século. Rio de Janeiro: Funarte, 1997.

AMARAL, Euclides. Alguns Aspectos da MPB. Rio de Janeiro: Edição do Autor, 2008. 2ª ed. Esteio editora, 2010. 3ª ed. EAS Editora, 2014.

AZEVEDO, M. A . de (NIREZ) et al. Discografia brasileira em 78 rpm. Rio de Janeiro: Funarte, 1982.

CABRAL, Sérgio. No tempo de Ary Barroso. Rio de Janeiro: Lumiar, 1993.

CARDOSO, Sylvio Tullio. Dicionário Biográfico da música Popular. Rio de Janeiro: Edição do autor, 1965.

EFEGÊ, Jota. Figuras e coisas da Música Popular Brasileira. Rio de Janeiro: MEC/Funarte, 1978.

EPAMINONDAS, Antônio. Brasil brasileirinho. Rio de Janeiro: Instituto Nacional do Livro,1982.

História da Música Popular Brasileira. São Paulo: Editora Abril, 1982.

LUNA, Paulo – No compasso da bola. Rio de Janeiro, Irmãos Vitale, 2011.

MARCONDES, Marcos Antônio. (ED). Enciclopédia da Música popular brasileira: erudita, folclórica e popular. 2. ed. São Paulo: Art Editora/Publifolha, 1999.

MARIZ, Vasco. A canção brasileira. Rio de Janeiro: Francisco Alves, 2000.

MORAES, Mário de. Recordações de Ary Barroso. Rio de Janeiro: MEC/FUNARTE,1979.

REPPOLHO. Dicionário Ilustrado de Ritmos & Instrumentos de Percussão. Rio de Janeiro: GJS Editora, 2012. 2ª ed. Idem, 2013.

SEVERIANO, Jairo e MELLO, Zuza Homem de. A canção no tempo. Volume 1. São Paulo: 34, 1997.

TINHORÃO, José Ramos. Música popular – teatro e cinema. Rio de Janeiro: Vozes, 1972.

VASCONCELOS, Ary. Panorama da Música Popular Brasileira. Vol. 2. Rio de Janeiro: Martins, 1965.