Nossos Músicos

Acervo em constante construção.
Wanderléa

Wanderléa

Cantor Natural de Governador Valadares Nasceu em 5 de junho de 1946 Gênero musical: Música popular brasileira
Biografia

Wanderléa Salim

Após o seu nascimento, a família se mudou para a cidade de Lavras, também em Minas Gerais. Em 1955, transferiram-se para o bairro da Ilha do Governador, no Rio de Janeiro.

Dados Artistícos

Iniciou a carreira em meados dos anos 1950, apresentando-se em programas infantis como o “Clube do Guri”, da Rádio Mayrink Veiga, e “Vovô Odilon”, da Rádio Tupi. Nessa época apresentou-se na TV Rio e ganhou o título de “A mais bela voz infantil”.

Sua estréia em disco foi em 1962, com um 78 rotações pela Columbia, cantando “Tell me how long”, de Kelsey, e “Meu anjo da guarda”, de Rossini Pinto e Fernando Costa. No mesmo ano lançou outro disco, com as canções “Quero amar”, de Castro Perrete, “Ao nascer do sol”, de M. Rigual, C. Rigual e J. Morais. O relativo sucesso desses primeiros discos fez com que a CBS gravasse seu primeiro LP em 1963, com o título “Wanderléa”, destacando-se as músicas “Dá-me felicidade” e “Não existe o amor”. Foi ainda na CBS que conheceu Roberto Carlos, encontro-chave em sua carreira. Em 1964 lançou o LP “Quero você”, pela CBS, com destaque para os sucessos “Meu bem lollipop”, versão de “My boy lollipop”, de M. Levy e J. Roberts, “Exército do surf”, versão de Mongol para “Lesercito del surf”, de Pataccini.

Em 1965, junto com Roberto Carlos e a Erasmo Carlos, passou a liderar o programa “Jovem Guarda”, exibido ao vivo todos os domingos na TV Record de São Paulo. Nesse período atingiu o auge de sua carreira e, pela performance peculiar de suas apresentações, especialmente na interpretação do então hit em todas as paradas de sucesso, a música “Ternura”, ganhou o apelido de Ternurinha, pelo qual é conhecida até hoje. No mesmo ano, lançou o LP “É tempo de amor”, com diversas versões, além da música “Um quilo de doce”, de Roberto e Erasmo Carlos. Em 1966 gravou um de seus maiores sucessos: “Pare o casamento”, versão de “Stop de wedding”, de Resnick e Young. No ano seguinte gravou o seu maior sucesso, “Prova de fogo”, de Erasmo Carlos.

Em 1968 participou do filme “Juventude e ternura”, de Aurélio Teixeira. No mesmo ano fez sucesso com “Eu já nem sei”, de Roberto Correia e Sylvio Son. Em 1970 participou do filme “Roberto Carlos e o diamante cor-de-rosa”, dirigido por Roberto Farias. Apesar do fim do movimento da Jovem Guarda, do qual foi a principal musa, continuou gravando e se apresentando.

Em 1972 lançou pela Polydor o LP “Wanderléa Maravilhosa”, trazendo um repertório diferente de seus discos anteriores, com músicas como “Back in Bahia”, de Gilberto Gil, “Uva de caminhão”, de Assis Valente, e “Quero ser locomotiva”, de Jorge Mautner. No mesmo ano apresentou no Teatro João Caetano, no Rio de Janeiro, show com o mesmo nome do disco.

Em 1975 gravou “Que besteira”, de Gilberto Gil e João Donato, “Conversa mole”, de Hermínio Bello de Carvalho e Vital Lima, e “Palavras”, de Gonzaguinha. No mesmo, ano apresentou no Teatro Tereza Rachel, no Rio de Janeiro, o espetáculo “Feito gente”, nome do seu disco. Em 1981 gravou, de sua autoria, “Um jeito novo de amar”. No mesmo disco está presente “Ser estranho”, parceria com Aristeu e Casablanca. Ao longo dos anos 1980 lançou alguns  discos, porém sem o mesmo êxito. Em 1983 gravou com Raul Seixas a música “Quero mais”, que aparece no LP do cantor baiano lançado naquele ano pelo Estúdio Eldorado. Em 1996 participou do show “O novo de novo – festa de arromba”, no Tom Brasil em São Paulo, juntamente com Golden Boys, Eduardo Araujo, Os Incríveis, Bob di Carlo, Ronnie Von, Silvinha e Martinha, em comemoração aos trinta anos da Jovem Guarda. Fez dueto com Reginaldo Rossi no CD “Rossi the king”, lançado em 1999, pela Sony Music, interpretando “Prova de fogo”

Em 2002 apresentou show no Teatro Rival BR, no Rio de Janeiro, após 25 anos sem se apresentar na cidade. Na ocasião, interpretou sucessos como “Foi assim”, “Sentado à beira do caminho” e “Ternura”. Em agosto do mesmo ano, a cantora, juntamente com Erasmo Carlos, abriu o projeto Concertos MP-Br, no Canecão, no Rio de Janeiro, contando com a participação de Maria Bethânia e Zélia Duncan. Nesse espetáculo, o público foi ao delírio, com a apresentação de Wanderléa, consagrando-a a rainha da noite. Muita gente sabia de cor a coreografia de “Pare o casamento”, e seu jeito de interpretar “Ternura”, que arrebatavam o público nas tardes da Jovem Guarda.

Em 2003, lançou o CD “O amor sobreviverá”, produzisdo por ela e o marido, o guitarrista Lalo Califórnia. O disco foi lançado pela BMG e reuniu músicas de seu último show como “Menino bonito”, de Rita Lee, “Mané João”, de Roberto Carlos e Erasmo Carlos, “Negro gato”, de Getúlio Cortes, “Nação vou ficar”, de Tim Maia e “Back in Bahia”, de Gilberto Gil. A renda do disco foi destinada a instituições de caridade.

Em 2005, participou de diversos eventos e shows comemorativos dos 40 anos da Jovem Guarda, como o projeto realizado pelo Sesc que apresentou, em diversas unidades da entidade, shows trazendo Wanderléa com os Golden Boys, os Fevers e outros expoentes da Jovem Guarda e o projeto “Festa de arromba- 40 anos da Jovem Guarda”, apresentado durante todo o mês de agosto, noTeatro II do CCBB (Centro Cultural do Banco do Brasil),no Rio de Janeiro, passando também por Brasília e São Paulo, no qual fez dupla com Erasmo Carlos, em temporada de 3 dias,  alternada com outros expoentes da Jovem Guarda, que também se  apresentaram em duplas, como Jerry Adriani e Waldirene, Golden Boys e Vanusa,Wanderley Cardoso e Martinha. Nesse ano, Wanderléa participou, em São Paulo, das gravações de CD e DVD ao vivo, ao lado de Erasmo Carlos, The Fevers, Golden Boys e outros expoentes da Jovem Guarda. Com agenda lotada, a cantora participou de gravações, shows e programas comemorativos por todo o Brasil. Em 2006, integrou a caixa “Jovem Guarda”, lançada pela EMI, que registrou diversos expoentes que atuaram naquele movimento. No mesmo ano, apresentou, juntamente com Erasmos Carlos e o conjunto The Fevers, o show, rememorando o movimento, no Canecão(Rio de Janeiro). Em 2008, lançou o CD “Nova estação”, pela Lua Music, em que apresentou releituras de músicas já consagradas de variados compositores, como “Chiclete com banana”, de Jackson do Pandeiro, “Se tudo pode acontecer”, Arnaldo Antunes, “Choro chorão”, de Martinho da Vila, “Mil perdões”, de Chico Buarque e “Dia branco”, de Geraldo Azevedo. O disco recebeu o prêmio de CD de música popular do ano da Associação Paulista de Críticos de Arte. No mesmo ano, esse mesmo álbum deu origem à gravação e ao lançamento do DVD “Nova estação – ao vivo”. Em 2009, teve um grande sucesso seu, “Te Amo”, de Roberto Correa e Sylvio Son, incluído na trilha sonora da novela “Caras e bocas”, da Rede Globo de Televisão. A música foi o tema do casal protagonista da trama, interpretado pela atriz Flávia Alessandra e o ator Malvino Salvador. A mesma canção já havia sido incluída, nos anos 1990, na trilha de outra novela da Rede Globo; “Pedra sobre pedra”. No ano seguinte, fez participação especial no disco “SP 55”, do ex-intergrante da banda Titãs, Sérgio Britto. Com esse cantor, fez dueto na faixa “Essa gente solitária”. Em 2012, em homenagem ao aniversário de seus quarenta anos de carreira, foi lançada, pelo selo Discobertas, e produzida por pesquisador Marcelo Fróes, a caixa “Anos 1970”, com 5 de seus álbuns de carreira editados em CD, que haviam sido lançados em LP entre 1972 e 1981. Também  em 2012, realizou apresentação, ao lado dos Tremendões, no programa “Encontro com Fátima Bernardes”, na Rede Globo de Televisão, ao lado de Jerry Adriani, Lafayette, Marcelo Fróes e a banda Del Rey, numa emissão que teve como intenção relembrar a época da Jovem Guarda.

 

Obra
  • Imenso amor (c/ Renato Correia)
  • Ser estranho (c/ Aristeu/Casablanca)
  • Um jeito novo de amar
Discografia
  • (1962) Ao nascer do sol/Quero amar • Colúmbia • 78
  • (1962) Meu anjo da guarda/Tell me how long • Colúmbia • 78
  • (1963) Wanderléa • CBS • LP
  • (1964) Quero você • CBS • LP
  • (1965) É tempo do amor • CBS • LP
  • (1965) É tempo do amor/Do wah diddy diddy • CBS • Compacto simples
  • (1966) A ternura de Wanderléa • CBS • LP
  • (1967) Wanderléa • CBS • LP
  • (1968) Pra ganhar meu coração • CBS • LP
  • (1971) Bye bye/Anônimo veneziano • Polydor • Compacto simples
  • (1972) Chuva, suor e cerveja • Polydor • Compacto simples
  • (1972) Wanderléa maravilhosa • Polydor • LP(1972) Wanderléa maravilhosa • Polydor • LP
  • (1973) Mate-me depressa/Sem se atrapalhar • Polydor • Compacto simples
  • (1975) Feito gente • Polydor • LP
  • (1977) Vamos que eu já vou • EMI-Odeon • LP
  • (1978) Mais que paixão • EMI-Odeon • LP
  • (1980) Wanderléa • CBS • LP
  • (1981) Ser estranho • CBS • LP
  • (1982) Wanderléa • CBS • LP
  • (1985) Menino bonito • Som Livre • LP
  • (1989) Wanderléa • 3M • LP
  • (1992) Te amo • Som Livre • LP
  • (1996) O novo de novo. Ao vivo • Paradoxx • CD
  • (2000) Os maiores sucessos do século-21 grandes sucessos de Wanderléa • Columbia • CD
  • (2003) O amor sobreviverá • BMG • CD
  • (2008) Nova estação - Lua Music - DVD
  • (2008) Nova estação - Lua Music - CD
Bibliografia

http://dicionariompb.com.br/

http://www.memoriamusical.com.br/

http://www.mis.rj.gov.br/

http://www.discotecapublica.com.br/

https://acervosmusicais.wordpress.com/

http://acervocompositores.art.br/

http://www.violaobrasileiro.com.br/

http://jornalggn.com.br/blogs/laura-macedo

http://www.otempo.com.br/hotsites/concha

http://musicosdobrasil.com.br/dissertacoes.jsf

ALBIN, Ricardo Cravo. MPB: A História de um século. Rio de Janeiro: Funarte, 1997.

AMARAL, Euclides. Alguns Aspectos da MPB. Rio de Janeiro: Edição do Autor, 2008. 2ª ed. Esteio editora, 2010. 3ª ed. EAS Editora, 2014.

AZEVEDO, M. A . de (NIREZ) et al. Discografia brasileira em 78 rpm. Rio de Janeiro: Funarte, 1982.

CABRAL, Sérgio. No tempo de Ary Barroso. Rio de Janeiro: Lumiar, 1993.

CARDOSO, Sylvio Tullio. Dicionário Biográfico da música Popular. Rio de Janeiro: Edição do autor, 1965.

EFEGÊ, Jota. Figuras e coisas da Música Popular Brasileira. Rio de Janeiro: MEC/Funarte, 1978.

EPAMINONDAS, Antônio. Brasil brasileirinho. Rio de Janeiro: Instituto Nacional do Livro,1982.

História da Música Popular Brasileira. São Paulo: Editora Abril, 1982.

LUNA, Paulo – No compasso da bola. Rio de Janeiro, Irmãos Vitale, 2011.

MARCONDES, Marcos Antônio. (ED). Enciclopédia da Música popular brasileira: erudita, folclórica e popular. 2. ed. São Paulo: Art Editora/Publifolha, 1999.

MARIZ, Vasco. A canção brasileira. Rio de Janeiro: Francisco Alves, 2000.

MORAES, Mário de. Recordações de Ary Barroso. Rio de Janeiro: MEC/FUNARTE,1979.

REPPOLHO. Dicionário Ilustrado de Ritmos & Instrumentos de Percussão. Rio de Janeiro: GJS Editora, 2012. 2ª ed. Idem, 2013.

SEVERIANO, Jairo e MELLO, Zuza Homem de. A canção no tempo. Volume 1. São Paulo: 34, 1997.

TINHORÃO, José Ramos. Música popular – teatro e cinema. Rio de Janeiro: Vozes, 1972.

VASCONCELOS, Ary. Panorama da Música Popular Brasileira. Vol. 2. Rio de Janeiro: Martins, 1965.